quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Livro Trauma #05 - Stephenie Meyer - Crepúsculo

Oie Gente!


Bom, se você caiu de paraquedas aqui, viu o logo da editora, o título do livro, somou um mais um e deu doze, dê meia volta e vá ler outra coisa, porque essa resenha não é pró-vampirinhos.

Se você é fã da série e 'tá achado que vai ler uma rasgação de seda pro Edward e pra Bella, pode dar meia volta e ler outra coisa também...

Agora, se você já anda por aqui faz tempo e tem alguma ideia do que vai encontrar, divirta-se!
Mas puxe um puff antes, porque o trem ficou enorme!!








Fffiiinnaaallllmeennteee terminei de ler o livro-trauma dos livros traumas!

Levei longos e intermináveis 20 dias para lê-lo, precisei de doze válvulas de escape, duas super doses de insulina para combater o coma glicêmico e muita, muita paciência pra aturar os personagens...



Como vocês bem sabem eu sou chegada num vampiro.
Tem sangue, tem suor e tem sexo, eu tô "papando".
Então, quando ouvi falar em uma série adolescente que estava revolucionando o mundo da literatura YA e que isso envolvia vampiros, duas coisas passaram pela minha cabeça: ou YA agora tinha sangue escorrendo e sexo ou tinha alguma coisa errada com aqueles vampiros.

Aí comecei a ouvir os spoilers sobre o tal do livro... "vampiro adolescente", uns diziam. "Tão lindo e maravilhoso como todos os outros vampiros já inventados", falavam outros.

Confesso: eu até fiquei curiosa quando ouvi isso...
Até que, num dia chuvoso, com aquela aparência macabra de que alguma coisa muito ruim vai acontecer, me deparei com o seguinte: "oh que lindo, ele brilha ao sol!".
Aí eu parei: como-assim-ele-brilha-ao-sol?-ele-é-vampiro-tem-que-virar-pó-ao-sol!

Neguei-me completamente a ler o livro. Não lia, não comprava, não conferia nada e me recusava até a comentar nos posts das amigas que resenhavam a tal da série.
Também não faço segredo do quanto me desagrada esse (e vários outros) detalhes da trama...
Tenho que dar o braço a torcer pela quantidade de adolescentes que passaram a gostar de ler depois de Crepúsculo... isso é uma grande conquista, ao meu ver... mas eu não perdoo a tia Meyer por fazer vampiro brilhar... u.u
Então imagino que você esteja se perguntando como é que, com tudo isso que eu disse aí em cima, eu estou aqui resenhando Crepúsculo...


Eu explico, querida(o) leitora(r)... eu tenho uma certa amiga, sabe?, que resolveu dar a ideia de que eu lesse Crepúsculo como Desafio de Aniversário... afinal de contas, não tem nenhum livro que me cause mais pavor (medo, pânico, ojeriza) do que Crepúsculo... aí uma juntou-se à outra, foram votando, votando e... pimba, tô cá eu lendo o tal do Crepúsculo!


Depois de muita enrolação, desculpas esfarrapadas, perdas voluntárias de livros nas casas das tias e toda e qualquer dificuldade que eu tenha arrumado para embromar a leitura de Crepúsculo, finalmente acabei o bendito do livro.

A estória todo mundo conhece de cor e salteado...
A Bella é uma adolescente feinha que resolve ir morar com o pai, numa cidade que ela odeia, para permitir que a mãe seja feliz.  hein? adolescente altruísta??

O Edward é um vampiro que foi transformado quando tinha dezessete anos *pausa* adolescente eternamente??? morre!!!! e que já tem mais de cem anos de experiência de vampirismo.

Eles se conhecem em Forks e acabam apaixonados.


Ok, até aí, estava tudo bem na leitura. Nada assim, de matar... até que...




    "Edepois outro problema, uma questão de que eu me lembrava do pequeno número defilmes de terror que vira e era sustentada pela leitura de hoje – os vampirosnão podia sair à luz do dia, o sol os queimava até que virassem cinzas. Elesdormiam em caixões o dia todo e só saíam à noite." Pg: 106.



Hein? Como assim?? Quando eu li esse papo de que ele brilhava ao sol, me contaram que era porque Meyer não entendia nada de vampiros... mas, veja, ela S-A-B-E que eles deviam virar pó... e aí ela resolve fazê-los brilharem??? Cooomoooo assssimmm?????????

Não, não quero saber desse negócio de licença poética... você é que me dê licença, tá? Vampiro que brilha... rá! Daqui a pouco ele vive de tofu!!


E então...




    " – Estáfazendo aquilo de novo – murmurei.

    Osolhos dele se arregalaram de surpresa.

    –O quê?

    –Me deixando tonta – admiti, tentando me concentrar ao voltar a olhar para ele.

    –Ah. – Ele franziu o cenho.

    –Não é culpa sua – suspirei. – Você não consegue evitar." Pg 155



O QUEEE??? Cadê seu orgulho, mulher???? Como você diz uma coisa dessas???????



E então...



   " –Bom dia. – Sua voz era sedosa. – Como está hoje? – Seus olhos vagaram por meurosto, como se a pergunta fosse algo mais do que mera cortesia.

    –Bem, obrigada. – Eu estava sempre bem, muito mais do que bem, quando ele estavaperto de mim." Pg 168


 Moooorrriii!! MEODEUSS, como assim??? Quando Carlinha me disse que tinha mel na maçã, eu não achei que fosse tanto!!



   "–Bella, já gastei muito esforço pessoal a essa altura para manter você viva. Nãovou deixar você se sentar ao volante de um carro quando nem consegue andardireito. E, além disso, as pessoas não deixam que os amigos dirijam bêbados – citouele com um risadinha. Eu podia sentir a fragrância insuportavelmente doce vindade seu peito.

    –Bêbada? – objetei.

    –Está embriagada com minha presença. – Ele dava aquele sorriso brincalhão denovo.

    –Não posso contestar isso – suspirei. Não havia como escapar; não podia resistira ele em nada. Ergui a chave e a larguei, vendo sua mão voar como um raio parapegá-la sem fazer nenhum som. – Vá com calma… Meu carro é um cidadão idoso.

    –Muito sensível – aprovou ele." Pg 209



"Embriagada com a minha presença"??? Ok!! Morri! Morri e fui para o inferno do ego exacerbado e do diabético.

Sério! Essa altura do campeonato eu não sabia quem era o pior, ela sendo totalmente tonta tapada, pateta ou ele, achando que é *O gostoso*

Pense só: lembram do terror que foi a adolescência de vocês? Agora conseguem imaginar uma eternidade disso?

*pausa*

*tremor*

*pânico*

Depois me apareceu um vampiro do mal.
"– Edward,encoste.

Eledisparou um olhar duro para ela e acelerou.

–Edward, vamos conversar sobre isso.

–Você não entende – rugiu ele de frustração. Nunca ouvi sua voz tão alta; eraensurdecedora dentro do espaço do Jeep. O velocímetro quase chegava a 240 quilômetros.– Ele é um rastreador, Alice, não viu isso? Ele é um rastreador!

SentiEmmett se enrijecer a meu lado e me surpreendi com sua reação à palavra.Significava para os três mais do que para mim; eu queria entender, mas não tiveoportunidade de perguntar." Pg 276

Ahã... tá bom... Oká, eu não fiquei com medo do vampiro que brilha ao sol. Sinnntooo muuito, mas nenhuma explicação dada pode me fazer acreditar que um brilha-brilha estrelinha pode ser do mal.

Non, nah, nhe!

 


Ain, gente, não dá. Simplesmente não consegui ver porque motivo as pessoas ficaram tão loucas pela série. Tem personagens YA muito mais cativantes por aí, com um enredo bem mais envolvente...



Tá, tá, a Meyer deixa alguns poucos mistérios que podem levar a pessoa à curiosidade... mas todo esse frisson? Nha!
Peguei meu banquinho de vampiresca e levei ele para outra série!

 


Enfimm, talvez fosse o filme... mas, não. Eu já vi o filme, ele é ainda mais "inintendível" que o livro.
Não dá, não rolou... foram as mais intermináveis 355 páginas da minha  vida.
Foi difícil, foi duro... foi tedioso... foi "osso".

Mass... eu venci mais esse livro trauma!
Háaa!!

A força está em mim!
Fuiiiiiiiii!


Sinopse: ''Crepúsculo'' poderia ser como qualquer outra história não fosse um elemento irresistível: o objeto da paixão da protagonista é um vampiro. Assim, soma-se à paixão um perigo sobrenatural temperado com muito suspense, e o resultado é uma leitura de tirar o fôlego - um romance repleto das angústias e incertezas da juventude - o arrebatamento, a atração, a ansiedade que antecede cada palavra, cada gesto, e todos os medos. Isabella Swan chega à nublada e chuvosa cidadezinha de Forks - último lugar onde gostaria de viver. Tenta se adaptar à vida provinciana na qual aparentemente todos se conhecem, lidar com sua constrangedora falta de coordenação motora e se habituar a morar com um pai com quem nunca conviveu. Em seu destino está Edward Cullen.

Ele é lindo, perfeito, misterioso e, à primeira vista, hostil à presença de Bella o que provoca nela uma inquietação desconcertante. Ela se apaixona. Ele, no melhor estilo "amor proibido", alerta: Sou um risco para você. Ela é uma garota incomum. Ele é um vampiro. Ela precisa aprender a controlar seu corpo quando ele a toca. Ele, a controlar sua sede pelo sangue dela. Em meio a descobertas e sobressaltos, Edward é, sim, perigoso: um perigo que qualquer mulher escolheria correr.

Nesse universo fantasioso, os personagens construídos por Stephenie Meyer - humanos ou não - se mostram de tal forma familiares em seus dilemas e seu comportamento que o sobrenatural parece real. Meyer torna perfeitamente plausível - e irresistível - a paixão de uma garota de 17 anos por um vampiro encantador.

2 comentários:

  1. [...] Quebra-Cabeças de “Crepúsculo” + Marcadores (Estilhaça-me, Felizes Para Sempre, Pare de Beijar Sapos, Katy Perry, IAN, O [...]

    ResponderExcluir
  2. [...] quem não sabe disso ainda, ele era uma fanfic* de Crepúsculo, então agora vocês entendem por que eu disse que precisei desligar todos os preconceitos, certo? [...]

    ResponderExcluir