sábado, 29 de janeiro de 2011

Resenha #123 - Margot Berwin - Nove Plantas do Desejo e a Flor de Estufa

Oie Gente,

Ontem eu falei que a Intrínseca tinha me enviado esse livro. Bem, já terminei de ler e de me divertir e tenho que confessar que entrou para a lista dos mais divertidos que eu já li.
Sério! Se não estava morrendo de rir das aventuras roubadas que a Lila se metia, estava apavorada com os "amiguinhos" que ela arrumava pelo caminho!

Bem diferente do que eu tenho lido ultimamente, o livro conta a história de Lila Nova, uma publicitaria de Nova York que num surto de solidão vai comprar uma planta para lhe fazer companhia e, de repente, vê tudo virar de pernas pro ar.

Um das coisas mais legais que tem no livro são as explicações sobre as plantas. Quais as características delas, aplicações e afns. Me acredite, não é nada, nada comum! Passei o livro inteirinho procurando equivalentes humanos conhecidos as espécies de plantas. XD

As roubadas que a Lila se mete são hilárias. O primeiro contato dela com a selva é tudo e mais um pouco do que se espera de uma urbanita tendo um surto de contato-natural-extremo.

A estória tem um tom tão engraçado que se você não prestar realmente atenção, acabará perdendo as críticas sociais feitas pela autora ao comportamento não tão humano de hoje em dia.
O jeito que você escolher ler definirá se o livro será apenas um momento muito divertido ou um momento muito divertido de reflexão!
Recomendo!!
Até mais!


Siniopse: LILA NOVA: 32 anos, redatora de publicidade, divorciada. RESIDÊNCIA: um conjugado reformado no Lower East Side, em Nova York. MANTRA PESSOAL: nada de animais de estimação, nada de plantas, nada de gente, nada de problemas. Mas quando ela conhece David Exley, um charmoso vendedor de plantas, algo muito colorido floresce em sua vida solitária. Das esquinas opressivas de Manhattan às luxuriantes florestas tropicais, Nove plantas do desejo e a flor de estufa é a história de uma mulher que precisa viajar além das fronteiras do senso comum e da chamada "zona de conforto" para encontrar o que realmente quer.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Resenha #122 - Michael Moritz - O Fascinante Império de Steve Jobs

Oie Gente!

Como uma das minhas metas para 2011 é combater meus preconceitos literários, resolvi encarar mais uma biografia, também foi sobre um ícone da informática. Sim, sim. Eu sou uma geek sem salvação. Eu assumo! Fazer o que, é a vida!
Dessa vez foi a Universo dos Livros que me presenteou com o livro.

Se você não é fã de biografias, curioso pela evolução de uma empresa ou não é um geek, provavelmente não terá grande interesse pelo livro.
Caso seja uma dessas coisas, o livro de Michael Moritz é uma ótima fonte de informação.
É bem verdade que o ar de "empresa-de-informática-boazinha" que as novas corporações da área tem é ainda mais desmentido do que foi com a leitura de Bilionários por Acaso, mas a volta por cima de Jobs, com os autos e baixos, também foi interessante de ler!
Provavelmente isso é meu lado-geek-de-ser falando, mas, ei!, faz parte! hehehehe
Até mais!

Caso queiram mais informações sobre o livro, podem dar uma espiadinha aqui!


Sinopse: No livro, o jornalista americano narra a trajetória desde a infância de Steve Jobs e Stephen Wozniak, como saíram do colégio e fundaram a Apple, em 1976, e como a empresa saltou de um hobby de garagem para a lista da Fortune 500. Moritz seguiu os passos de Jobs na ocasião da sua demissão sem cerimônias da Apple, sua longa luta para erguer a empresa de computadores NeXT e a aquisição do então obscuro estúdio Pixar, em 1986.

Também mostra como Jobs ressurgiu na Apple no final dos anos 1990 e trouxe novos ares para uma empresa em decadência, cujos produtos se transformaram em objetos de desejo e sinônimo de inovação. São momentos instigantes da história do fundador e CEO da Apple, que mostram seu estilo determinado, arrojado, irascível e temperamental.

“CEOs são, em sua maioria, produtos de uma criação educacional e institucional. Fundadores ou, pelo menos, os melhores deles, são forças da natureza irreprimíveis e indomáveis. Dos muitos fundadores que eu já encontrei, Steve é o mais fascinante”, descreve o autor.

O livro é leitura obrigatória para empreendedores, executivos, profissionais de administração que pretendem conhecer o modelo de gestão da Apple e a formação da personalidade do CEO que mudou duas vezes o mundo dos negócios. Conforme o classificou Guy Kawasaki, um entusiasta da Apple e cofundador da Alltop, o livro “é um roteiro para os empresários que querem imitar Steve Jobs”.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Democracia ou Demagogia?

Oie Gente,


Ontem estava conversando com uma amiga no MSN e ela me mostrou um post em um blog acerca da matéria do momento: e-books.


O post foi feito por uma pessoa que é ligada a uma editora, então ela está mais do que certa em tentar combater uma coisa que para a editora onde ela trabalha (ou é dona, sei lá) trará prejuízos.

Então não me revoltei em nada com as coisas que ela falou e o tom usado no post. Pelo contrário, era bem esperado que isso aparecesse.

Afinal, isso é uma democracia e todo mundo tem o direito de expressar sua opinião pessoal ou profissional. E você não deve se revoltar com elas... ahã, Barbara, não mente que é feio!!


Mas demagogia é muito, muito feio.

Se você que está lendo isso é contra quem traduz, digitaliza ou baixa e-books e estava realmente pensando em abrir a boca pra criticá-lo, espero que responda não para todas as perguntas abaixo:



  1. Você baixou seu Windows, Microsoft Office ou qualquer outro programa que use no pc em um site de torrent, compartilhamento ou pelo e-mule?

  2. Você gosta de acompanhar as séries americanas pelo calendário deles e por isso baixa na net e usa legendas não oficiais para ver?

  3. Você adora acompanhar os lançamentos dos seus músicos favoritos e por isso está sempre baixando os mp3 deles que acha na rede?

  4. Você adora games e por isso mandou destravar o seu VG pra poder usar as cópias dos jogos dos seus amigos ou os jogos que tem na rede? Você baixou um jogo pela rede?

  5. Você deu um jeitinho de usar a rede do trabalho pra fazer um download que estava realmente querendo?

  6. Você já teve um momento "liso" e baixou UM ebook que estava querendo muito ler ou um momento "eu não falo inglês" e baixou uma tradução não-autorizada daquela autora que você ama de paixão?

  7. Você deu um pulinho no youtube pra ver o clipe daquela banda, aquele filminho antigo, aquele capítulo da novela que você perdeu?

  8. (essa é velhona) Você gravou aquela música do rádio em fita K7 porque o LP tava muito caro ou seu toca discos sem agulha?

  9. Você deu uma pesquisada básica no google pra achar aquela imagem show que vai enfeitar o seu post?



Se você respondeu não para todas essas perguntas, parabéns! Você PODE ser um anti-ebooks! Passe direto para a filinha do "Abaixo os ebooks!" alí a direita que por enquanto está vazia!

Caso tenha respondido sim para apenas uma delas, shiii, essa categoria não lhe cabe! Tente outra!


Sério, pessoas!

Dou todo apoio que vocês apoiem os amigos de vocês que estão só fazendo o trabalho deles... mas não sejam incoerentes porque é muito, muito feio!

Ou você só usa original ou você se abstém da opinião sobre a pirataria de ebooks!

E, por favor, não tentem adivinhar se eu estou falando de X ou Y lá do post. Estou falando da atitude de modo em geral. É incoerente!

>Hoje em dia não baixo Mp3: celular tem nokia music, música de graça e oficial.

Eu baixo seriados que não passam no Brasil e uso legendas piratas;

Então, bem... eu não posso apontar meu dedinho lindinho pra quem baixa ebook, certo?


Eu compro livros: muitos.

Eu compro e-books: muitos.

Se eu tô muito desesperada e totalmente lisa eu baixo o ebook daquela autora que eu amo e deixo pra comprar em inglês assim que o dinheiro entrar porque eu TENHO que ter ele aqui!

E eu leio ebooks em ptbr porque livro nesse diabo desse país É MUITO CARO! Se não é autora de coleção e eu gostei, eu compro. Se é autora de coleção, bem, eu já comprei mesmo e nem li o ebook kkkk

Se ele agora precisa baixar, um dia ele poderá apenas comprar. Os deuses sabem que se não fossem os e-books eu teria enlouquecido em 2006: desempregada, família toda doente, sem ter como comprar um livrinho de banca que fosse!

Num país como o Brasil, que a maioria dos jovens prefere dar com a cabeça na parede a ler um livro, até baixar Stephenie Meyer vale se for incentivar a ler!

Fui!

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Resenha #121 - Nora Roberts - Resgatado Pelo Amor

Oie Gente,

Todo mundo aqui sabe que eu sou viciada em Nora Roberts, certo? E que eu tenho uma paixão incontrolável  por séries.
Adoro qualquer coisa com continuidade, então as trilogias da Nora são minha paixão.
A trilogia da Gratidão estaria na lista das melhores se não fosse por esse livro.

Resgatado Pelo Amor tem personagens maravilhosos, estórias anteriores incríveis, muito, muito drama, lágrimas, risos e tudo de maravilhoso que se espera em um livro.
Mas calhou de quando eu li a primeira vez fiquei com a sensação de que
a Nora tinha escrito o livro na marra, sem a empolgação normal dela, num dia nublado e desanimador.

Estava falando com a Ju sobre o livro e ela acha ele marvilhoooossoo, mas eu simplesmente não consegui me... encantar.
Ok, talvez eu esteja só sendo uma fã chata, afinal o Seth é encantador, a Dru é uma daquelas personagens da Nora "eu sofri mas dei um jeito", ver de novo os personagens que eu adorei foi maravilhoso, mas algo foi desanimando a minha leitura no decorrer do livro.

Achei que ele foi, bem, desnecessário pausa para o desmaio depois de proferir essa heresia.
Talvez você vá ler o livro e o adore. Talvez daqui um tempo eu vá lê-lo de novo e goste muito, muito dele, (afinal de contas, tem coisas m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a-s no livro) mas a minha primeira leitura de Resgatado pelo Amor me deixou com aquela sensação terrível de desperdício.
Talvez porque tenha começado a ler o livro com muita expectativa e acabei dando com os burros n'água.
Talvez tenha sido porque o Seth foi muito tapado durante quase todo o livro e demorou quase todas as páginas dele para acordar para a vida e deixar de ser feito de vítima. Normalmente não se vê isso nos livros da Nora e provavelmente foi essa estranheza que causou um certo desgosto durante a leitura.
Afinal, a maioria dos heróis da Nora são fortes, decididos e turrões (que não foi o caso do Seth nesse livro).

Quando eu comprei a versão em PtBr (a primeira vez que eu li foi em PtPt) eu já gostei um pouco mais do livro, já vi pequenos detalhes de uma forma mais relevadora e com um olhar menos crítico.
A terceira vez que eu li, para fazer essa resenha, eu gostei muito do romance entre o Seth e a Dru (e isso fez o livro sair do empate com O Amuleto nos piores livros da Nora) e tive desejos de matar a Glória (de novo XD).

Mas, enfim, se você já leu esse livro, deixe um comentário dizendo o que você achou dele!
Se não leu ainda, leia! Depois venha aqui e me conte tudinho!
Até mais!

Sinopse: Neste romance que dá continuidade à Trilogia da Gratidão, Seth Quinn, agora um homem-feito, terá que se defrontar com seu passado antes de se entregar à mulher que tanto ama. Resgatado Pelo Amor, de Nora Roberts, foi escrito a pedido de sua legião de fãs, encantada com a história da família Quinn narrada em Arrebatado Pelo Mar, Movido Pela Maré e Protegido pelo Porto. Publicada originalmente alguns anos depois da trilogia original, é uma obra independente que traz de volta a emoção da melhor e mais emocionante saga da autora.
Seth Quinn finalmente está em casa e foi uma longa jornada. Após uma infância terrível, em companhia da mãe viciada em álcool e drogas, ele foi acolhido pela família Quinn e cresceu com três irmãos mais velhos, que cuidaram dele com muito amor. Agora já adulto e voltando da Europa como um pintor consagrado, Seth pretende se estabelecer de vez na baía de Chesapeake, na costa de Maryland, junto de Cam, Ethan e Phillip, seus queridos irmãos, e também de suas cunhadas e sobrinhos, que tornam o clã dos Quinn uma saudável e abençoada confusão com destino à felicidade.
Seth está de volta à casa azul e branca onde há sempre um barco no cais, uma cadeira de balanço na varanda e um cão correndo pelo quintal. Só que muita coisa mudou na cidadezinha de Saint Christopher desde que ele foi embora. E, em Resgatado pelo Amor, de Nora Roberts, o segredo que Seth manteve escondido durante muitos anos ameaçará vir à tona para destruir não apenas sua nova vida, mas também seu novo amor.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Resenha #120 - Cressida Cowell - Como Treinar Seu Dragão

Oie Gente,

Umas semanas atrás o André fez uma participação aqui no blog, falando sobre Como Treinar seu Dragão.
Aí, depois dele dizer o quãooo bom e divertido era o livro eu catei ele pra ler.

E não é que o livro é super divertido mesmo?
A primeira coisa ridiculamente engraçada no livro são os nomes dos personagens: Soluço, Perna-de-Peixe, Bafoca de Maluquício (????) e mais uma infinidades de nomes ridículos e sem noção.

Aí vem os nomes dos dragões: Bafo de Verme, Garra de Gancho, Vaca Aterrorizante e... Banguela. hauhauahuah
O livro conta a história de Soluço, O Inútil, que está finalmente na idade de se tornar membro da tribo Viking Hoolings Cabeludos, da qual seu pai é o chefe.
As encrencas que ele se mete durante os testes são muito engraçadas, tornando a leitura tão boa que você simplesmente não conseguirá largar o livro!
Tenho que confessar que essa série entrou para as minhas infanto-juvenis favoritas. Ela não tem nada haver com as outras duas, Percy Jackson e Artemis Fowl, mas tem um encanto todo próprio.
É divertida, elétrica, intrigante, bem do tipo que uma criança entre 10, 12 anos precisa ter para começar a gostar de ler.

Recomendo!

Sinopse: Conheça Soluço Spantosicus Strondus III: a Grande Esperança e o Herdeiro da Tribo dos Hooligans Cabeludos - mas um garoto sem qualquer talento para liderar. "Como Treinar o seu Dragão" conta a tumultuada jornada de Soluço em sua iniciação como um legítimo guerreiro viking: junto com os outros garotos da tribo, ele precisa domesticar e treinar o dragão mais feroz e assustador que for capaz de capturar. Em vez disso, Soluço acaba com o menor dragão que já se viu - e, para piorar, o animal é teimoso, impossível de ser adestrado e completamente banguela. Começa aí a aventura do mais encantador e improvável dos heróis e de seu dragão muito mal-educado.
Inteiramente ilustrado, com muita ação e o tipo de humor que arranca gargalhadas até dos mais carrancudos, "Como Treinar o seu Dragão" é o primeiro livro de uma série que é sucesso mundial, que inspirou o filme de animação cotado como uma das estreias mais importantes deste ano.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Resenha #119 - Diana Palmer - Amélia

Oie Gente,

Essa semana eu tive alguns problemas bem chatinhos que  me desanimaram um bocado. Para tentar me animar peguei alguns livros de autoras que adoro e devorei um depois do outro.
Uma das escolhidas foi a Diana Palmer. Dos livros dela que li durante a semana, dois deles eu já falei aqui. Doce Desejo e Inferno de Desejo são dois livros bem atípicos da DP e, por conta disso, a terceira escolha foi praticamente um atentado violento ao conceito de... mocinhos.
Sim, pessoas queridas, eu tive um surto de masoquismo e resolvi resenhar... Amélia. silêncio traumático no ambiente, terror no ar

OK, você que chegou agora ou que nunca leu um DP na vida deve estar se perguntando do que diabos eu estou falando, certo?
Afinal de contas, o que poderia ter de tão ruim e terrível num delicado, fofinho e lindinho romance de banca?!

Beem... para você entender isso melhor, precisa conhecer algumas das características de um DP clássico.
Primeira: 99% dos mocinhos da DP são malucos.  
Segunda: Desses, 75% pensam que as mulheres são a encarnação do Mal.
Terceira: 100% dos mocinhos dela, mesmo os 1% não malucos, em algum momento do desenvolver da estória terão atitudes tão insanas, doidas, sem noção e/ou qualquer adjetivo do estilo, que farão você se perguntar se eles não são, na verdade, o vilão da estória toda.
Quarta: 90% das mocinhas dela têm baixa autoestima, problemas de timidez aguda ou algum outro problema do gênero.
Quinta: 100% das mocinhas dela merecem uns bons puxões-de-orelha por serem tão boazinhas, legaizinhas e mais um monte de "inhas" irritantes.
E, sexta e mais importante de todas: Você sempre, sempre, absoluta e imutavelmente, sempre terminará um livro da DP xingando-a por algum motivo. Seja porque você odiou o livro inteirinho ou porque você queria odiar o livro inteirinho e no final acabou foi gostando. Sim, isso mesmo, DP causa esses surtos de insanidade em qualquer um que vá lê-la.

Bom, agora que vocês já conhecem as características básicas de um DP, podem dar uma olhada aqui e saber um pouco sobre o que eu já falei dos livros dela.

Agora... o livro de hoje, Amélia pausa novamente para o clima de terror é um absoluto, inegável e completo absurdo.
Quem já leu ao menos três DPs clássicos e não leu Amélia ainda, deve fazer o seguinte.
Pegue todas as características irritantes, frustrantes, loucas e absurdas que a DP já colocou nos mocinhos dela.
Junte todas elas em uma cumbuca, misture tudo, leve ao triturador e acrescente um bom punhado de maldade, falta de censo crítico, imbecilidade e "estilo ogro de ser" (como disse a Tonks).
Aí dá mais ou menos o King.
Sério, de todas as criaturas horríveis, podres, malvadas, ruins-de-dar-medo-em-vilã-das-oito que eu já vi, o King é o pior.

Se quando a DP escreveu Doce Desejo e Inferno de Desejo ela devia estar ligeiramente bêbada, quando ela escreveu Amélia ela devia estar de TPM, DPL, cheinha de dívidas, revoltada com a vida, tendo derramado café no livro favorito e deixado cair no chão o último chocolate da caixa.
Sério, aquilo não é uma pessoa, é um monstro de desenho animado disfarçado de gente.
Criatura terrível, terrível.

Amélia foi o primeiro romance histórico que eu li, então não é de admirar que eu tenha ficado séculos com trauma do gênero.
Não dá para eu dizer "eu não gostei" desse livro, porque isso seria a declaração mais incompleta do século.
Amélia me causa arrepios de terror só de lembrar do tudo-de-terrível-malvado-e-ruim (versão DP do tudo-de-bom-gosto-e-hot da Carol).

A Amélia me deu nos nervos em boa parte da leitura, mesmo eu sabendo o motivo dela agir tão mosca morta. Certo, eu confesso que eu gostei do que ela fez depois da desgraça, mas mesmo assim não apaga todo o começo da estória dos dois.
E por isso que eu até hoje não entendo o que levou aquela bocó a perdoar aquela anta sem coração, que é o King.

Enfim, se você, como eu, está meio surtado e precisando ver que seu momento ruim não é o pior do mundo todo, pegue Amélia e vá ler. Você verá que o que está ruim, sempre pode ficar pior. rs
Até onde eu sei, não foi publicado no Brasil, mas existe uma tradução muito boa feita por um grupo de fãs.

Até mais!

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Resenha #118 - Diana Palmer - Inferno de Desejo

Oie Gente,

Segunda eu falei aqui do Marcus, um mocinho nada típico da DP que eu conheci no Ops!.
Aí, depois de ler o post da Beta da Maratona de Banca eu resolvi catar outro DP pra ler, ainda na esperança de maldizer ela até dizer chega.
E não é que a sem vergonha me frustrou de novo?

Não que o Blake seja exatamente um Marcus Carrera, afinal de contas ele tem umas atitudes muito, muito típicas da DP. Ele maltrata a Meredith, ele se acha dono da verdade e ele grita. Muito.

Mas ele também se arrepende profundamente pelas coisas que ele disse, fez ou deixou acontecer.
E aí ele tenta mudar, tenta demonstrar que se arrependeu. Assume todos os seus erros. pausa para comemoração. Um personagem da DP que assume que estava errado??!! Aloww, DP deve ter bebido água que passarinho não bebe nesse dia! rs

Eu gostei da Meredith. Ela também não deixou barato as estupidezes do marido, deixando bem claro que não gostava nadinha do que ele estava fazendo.
Conseguiu vencer na vida sozinha, sem precisar de um pai/marido/irmão para tomar conta da coitadinha. outro padrão DP quebrado. D-e-f-i-n-i-t-i-v-a-m-e-n-t-e ela não estava normal esse dia! rs
Claro, não dá para esperar que a DP revolucione totalmente, né? Sendo assim, a Meredith é inocente, pura e tímida. clássico

Agora, quem roubou a cena total e completamente foi a Sarah Jane! Que coisinha mais fofinha! Sofrida, desconfiada, turrona, teimosa, respondona... uma cópia minúscula e de saias do pai! E ele admite que ela é igualzinha a ele e não a oh-mãe-do-mal-da-menina.
Você vê que ela tem tudo para ser um doce de criança, mas que foi tão, mas tão maltratada que só sabe ser desconfiada com todos ao seu redor.
Ver ela florescendo, se abrindo e começando a ser uma criança normal ao mesmo tempo em que o pai durão vai amolecendo foi tãoooo lindo!

O livro não tem um vilão ativo, mas tem as passagens das coisas terríveis que o Blake disse e fez com a Meredith, o que deixa ele com um cadinho de cara de lobo mau e evitando que o livro escorra mel pelas páginas. rs

Vai mais um para pilha de DPs que eu recomendo!
Até

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Resenha #117 - Diana Palmer - Doce Desejo

Oieeeeeee Genteee!!!!

Homens do Texas - 30
Bom, depois de alguns dias sem resenhas por uma completa e absoluta falta de animação, finalmente resolvi achar algo para dar um basta na minha deprê.
Pois bem, quem melhor pra isso que a absolutamente pinéu da Diana Palmer? Afinal de contas, se uma pessoa com todos aqueles personagens insanos, pirados e surtadinhos da silva consegue viver sem sair gritando pela rua feito louca, meus problemas não podiam me impedir de continuar fazendo algo que eu amo de paixão: falar sobre livros.
Então, catei um livro que a Isa resenhou dia desses, achando que ia encontrar um daqueles personagens que me deixam com tanta raiva que me fariam esquecer meus aborrecimentos reais. 

Mas sendo a DP uma das autoras que mais cria personagens que me surpreendem, ela não ia tornar a minha vida fácil e me dar um bom alvo fictício para o meu ódio. Nãoooo, claro que não! Minha sorte anda tão ruim que até livro que eu pego pra ficar com raiva me faz cair de amores!

Marcus Carrera é tudo aquilo que os personagens da Diana normalmente não são. Ele é sensível, apaixonado, doido por ter uma família. É um gangster reformado que está tentando mover mundos e fundos para vingar a morte do irmão. Quando conhece a Delia, cai loucamente apaixonado por ela, mesmo os dois sendo tão diferentes. Claro, como todo bom romance, teve um momento "arg-eu-quero-matar-esse-bocó!", mas até isso foi por um bom motivo e não por orgulho besta o que seria o padrão DP.
Existe um grande motivo de eu ter ficado apaixonada pelo bobão, mas se eu contar aqui vocês irão querer me matar, então ficarei com a informação para mim.

A Delia não é exatamente uma típica mocinha DP. Sim, ela é inocente, mas também tem um humor seco bem divertido e não desiste do que quer só porque papai-não-deixa-titia-bate.
Entrou para a minha lista de personagens femininas da DP que eu adorei ok, não é assim uma lista tão grande, já que a DP tem umas mocinhas que, affff, só matando XD

Para quem nunca leu um Diana Palmer, eu aconselho a começar a ler por esse. Sim, sim, é verdade que ele é um livro em série, mas ela da uma boa explicada nos personagens já "publicados", dando um jeitinho pra você entender quem é quem na louca Jacobsville.

A Doida me deu a ordem de leitura para o caso de existir algum leitor normal nesse blog, que irá pegar os livros na sequência certa para ler... o que não é o meu caso com livros da DP. Clique aqui para lê-la!
Esse DP eu recomendo!
Até mais!

Sinopse: Com sua estatura imponente e notória reputação, Marcus Carrera despertava medo em amigos e inimigos. Contudo, uma mulher foi capaz de enxergar que sob a dura fachada do magnata dono de cassinos havia um homem rude, porém carinhosos... E seus destinos se chocaram quando a doce Delia Mason se viu inesperadamente envolvida em uma série de problemas durante suas férias em um paraíso tropical. Ele a ajudou, e também se apossou de seus lábios trêmulos com um beijo ousado que a deixou tonta de prazer... Marcus, no entanto, estava sempre rodeado de perigos, e precisaria enfrentar um grande desafio antes de dar um novo rumo à sua vida: salvar Delia e torna-la sua para sempre!

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Resenha #116 - Alyson Noël - Terra de Sombras

Oie Gente,

Como segunda leitura do ano, "Terra de Sombras" foi... uma surpresa...
É uma pena que não uma das agradáveis.
Terminei a leitura com a sensação de que algo estava realmente faltando. Uma fagulha de animação e um estopim de empolgação...
Acho que se tivesse que usar apenas uma palavra para definir a história seria aborrecida.

Sabe quando falta quase tudo? Parecia que eu estava em 269 páginas de prólogo. Que era o prelúdio de algo... algo... algo que nunca chegou.
Não sei se a autora ficou perdida ou se fez isso deliberadamente, só sei que quando cheguei na página 100 já estava bem aborrecida com o rumo da leitura.

Até o Damen, que me empolgou bastante nas duas primeiras leituras dessa vez me fez ter vontade de dar com a cabeça dele ou a minha, por não desistir de ler na parede.
Tenho que concordar com o Miles e dizer que ele perdeu o glamour.
Achei tudo tão... sem sal... *suspiros*.

Confesso que algumas partes do livro me fizeram rir, como o filminho ou as manipulações das gêmeas, mas eu simplesmente não consegui ficar "se-eu-largar-o-livro-agora-eu-morro", como eu gosto de ficar normalmente.
Também confesso que o Roman foi quem mais me agradou nesse livro! Tão malvado!! *.*>  Adoro!!!!

Espero com tooodasss as forças que o próximo livro seja bem melhor do que esse, porque me é sempre triste ver personagens perdidos e não aproveitados.

Se você quiser conhecer um pouco mais sobre a série, pode visitar o site criado pela Editora Intrínseca.
As resenhas de Para Sempre e Lua Azul também já foram postadas no blog.

Até a próxima!!

Sinopse:  Ever e Damen viajaram por muitas vidas e combatendo centenas de inimigos, para poder estar juntos. Porém quando seu desejado destino quase está em suas mãos, Damen cai em uma maldição poderosa. Um simples contato entre eles causaria a morte, levando a Damen a Shadowland. Ever desesperada por salvar a Damen, consegue ajuda de um surfista, Jude. Mesmo acabando de conhecê-lo, Jude parece muito familiar. Traindo a Damen, Ever é atraída por José, seus olhos verdes com cabelo loiro e seus poderes mágicos e um passado muito misterioso. Ever sabe que Damen é a sua alma gêmea e nunca o esqueceria. Porém ao passar do tempo, sua conexão com Jude crescerá mais, colocando à prova seu amor por Damen como nunca antes... 

Dados técnicos:       Edição: 1
                                Editora: Intrínseca
                                
                                ISBN: 9788598078984
                                Ano: 2010
                                Páginas: 269
                                Tradutor: Flávio Souto Maior

sábado, 1 de janeiro de 2011

Resenha #115 - Rick Riordan - O Útimo Olimpiano

Oie Gente,

Vocês sabem aquele tipo de pessoa que, por mais simples que sejam as coisas, sempre, sempre consegue acabar machucada, suja ou toda molhada?
Que em uma prateleira contendo 200 frascos de palmito, conseguem escolher exatamente aquele que não vai abrir?
Que, quando enviado numa missão, sempre consegue escolher os piores caminhos ou se meter nas maiores encrencas??
Pois é, assim mesmo é meu querido companheiro azarado Percy Jackson.

Como vocês sabem, eu tenho parceria com a Editora Intrínseca e um dos maravilhosos presentes que ela me deu foram os dois últimos livros da série Percy Jackson.
Ganhei os quatro primeiros da Thaís e depois que comecei a ler me viciei completamente nessa criaturinha sem sorte.
Já tem alguns dias que li O Último Olimpiano, mas só hoje pude sentar para resenhar.

Em O Último Olimpiano a sorte de Percy não muda repentinamente por ser o final dos tempos. Muito, muito pelo contrário.
O livro é maravilhoso. Não podia ter sido um final melhor para uma série tão boa. Apesar de ter sido muito sofrido, com perdas, traições e revelações muito difíceis, o livro fechou toda a estória muito bem.

Não foi um felizes para sempre típico, mas foi um com a cara da série.
Mesmo com todo o clima de tragédia e a tensão que envolve o Acampamento Meio-Sangue, Percy Jackson e suas diabruras vão fazer você morrer de rir nos momentos mais impróprios: como, por exemplo, no corredor do consultório médico, enquanto você lê sobre como ele consegue fazer um simples e inocente passeio virar uma absoluta tragédia.
Ou como ele consegue destruir um apartamento em poucos segundos.

Um dos motivos de eu adorar essa série é a mistura de aventuras com história. Curto muito o humor negro do autor. Pra mim, só faz tornar os personagens um bom bocado mais reais.
Tenho que confessar que eu fui uma aluna de mitologia grega muito, muito medíocre quando fazia segundo grau. Só quando fui fazer cursinho, é que realmente prestei atenção nos detalhes.
Também
Mas nada, nada mesmo, é tão boa aula de mitologia quanto um livro do Percy.

Veja, eu já vi pessoas e personagens xingarem outras pessoas e outros personagens de hárpias. Mas eu nunca, nunca soube que forma tinha um diabo de uma hárpia. Menos ainda quantas cabeças tinha o Cérbero. Ou quantas Fúrias existiam. Imagina só lembrar qual a diferença entre uma dríade e uma naíade.
Mas tudo isso eu descobri, rindo e muito, enquanto lia Percy Jackson.

Tanto se você é um adulto e consegue ligar os personagens a mitologia estudada em história quanto se você é uma criança e eles simplesmente são personagens diferentes e engraçados, você, definitivamente, vai se divertir lendo O Último Olimpiano e toda a série do Percy.
Confesso também que estou me sentindo um pouco sentimental. Afinal, contava com o Percy para ter umas folgas por parte de Murphy, mas, fazer o que... tudo que é bom um dia acaba!

Como sempre o livro é recomendadíssimo!
Até mais!

Sinopse: Dessa vez, o livro marca o final da saga Percy Jackson e os Olimpianos, e tem como título: O último Olimpiano. Nesse livro, os mestiços se preparam para a batalha contra os Titãns. O exército de Kronos está mais forte que nunca e começa a invadir Nova York, e apenas Jackson e seu exército poderá pará-lo.