sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Resenha #185 - Sandra Field - Lua-de-mel a Três

Oie Gente!

A resenha de hoje é do romance da Maratona de Banca do mês de setembro.
Eu escolhi Lua-de-Mel a Três, da Sandra Field, porque é de uma coleção que eu adoro: Sabrina a Cegonha Chegou.
O livro é pequenino, são só 77 páginas e conta a ideia da Cory de ter um bebê. Ela pede ao Slade que seja o pai do bebê dela. E só.
O livro é bem pequeno e tem várias passagens inusitadas.

— Por que será que me sinto insultado,mesmo quando fala das minhas qualidades? Pelo amor de Deus, Cory! Não estou emleilão!

Ela não quer casar, não quer que morem juntos e nem nada do gênero. E ele enfia na cabeça que quer!
É muuiiiittto engraçadinho e dá pra ler em dez minutinhos!
Super leve e engraçadinho!

Sinopse: Slade Reeden olhou rapidamente a lista de compromissos daquele dia e franziu a tes¬ta, intrigado. — Cory Haines?— ele perguntou a sua secretária. — Quem é? Outro político querendo dinheiro? Se for, está sem sorte hoje. — Cory Haines é uma mulher, sr. Reeden. É dona de uma firma de paisagismo aqui na cidade. — O que ela quer? — Não me adiantou o motivo da visita, mas foi bas¬tante insistente para conseguir uma hora marcada assim que possível.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Resenha #184 - J.D. Robb - Retrato Mortal

Oieee Geeennnteeee!!!!

Hoje tem resenha da série Mortal.

Mas antes da resenha, quero deixar um aviso. Sevocê tem "ouvidos" sensíveis e não gosta de ler palavrões, leia aresenha com cuidado.

Eu precisei de vários palavrões para ilustrarminha indignação com algumas das escolhas dotradutor/editor/revisor/quem-quer-que-tenha-sido-o-culpado pelo resultado finalde Retrato Mortal.

 A série mortal, para quem não conhece, éuma coleção policial com mais dequarenta títulos, todos lidos por mim no original em inglês. Os personagensbásicos são os mesmos e a cada novo livro alguns novos são acrescentados.

Alguns só de passagem e outros viram personagensfixos, mas todos tem em comum sua perfeita caracterização.

Você percebe que as atitudes dos personagens, doinício ao fim, são coerentes com suas personalidades.

Nos personagens fixos a Nora faz questão de irmais além. Você percebe maneirismos linguísticos, físicos, atitudes e atéalgumas manias.

No caso da Eve,por exemplo, isso é um dos motivos de muita gente ter uma antipatia terrívelpor ela. Ela é linha dura, turrona,boca suja, mal educada e muitas vezes chega a ser grossa ao extremo. (Elatambém é justa, honesta, persistente, leal, tá? Não é só defeitos hahahah)

Isso quer dizer que ela chama palavrão pra burro.Ela diz porra, chama os bandidos de filhos da puta,diz que vai cortar os paus deles fora e enfiar no cu, cortar os colhõese fazer sopa e todo o tipo de coisa anatomicamenteimpossível.

O Roarke,por outro lado, é um antigo ladrão altamente refinado. Tem maneirismos própriose vez ou outra você consegue escutar os becos de Dublin nas coisas que elefala.

Isso quer dizer que esteja ele na sua persona dono de 1/3 do mundo e além ou na persona ladrão de mãos ligeiras, ele tem umestilo de diálogo todo próprio.

Agora, imagine só a minha frustração quando medeparei com meus personagens não dizendo um só palavrão descente, chamando uns aosoutros para "irem agitar" quando estão saindo para fazer umainvestigação e todo tipo de infantilizaçãoe suavização possível e imaginável.

Gente, me desculpem, mas tudo o que eu pensavaenquanto relia "Retrato Mortal" em português era que aquilo era omaior absurdo possível já feito em todos os absurdos linguísticos já cometidosna tradução da série.

Já basta a Bertrand optar por não lançar oslivros "livres", com pequenas estóriasentre um e outro, Deus sabe por quê. Aí me chegam num livro superimportantepara a série, como é Retrato Mortal, e descaracterizamos personagens?

Nossa, achei o cúmulo da falta de respeito comquem já leu, comprou e sofreu em 18 livros.

Tá, você pode dizer que ele se redimiu emImitação Mortal, o que é verdade, mas eu precisava deixar a minha indignaçãoaqui.

Afinal de contas, não adiantava eu dizer que olivro era ótimo, porque qualquer fã dasérie que já tenha tido a oportunidade de ler os originais saberia que era umamentira sem precedentes.

Massss,apesar da catástrofe causada por essas escolhas, Retrato Mortal é um divisor deáguas na série.

O foco central desse livro é o Roarke.

Nos 16 livros anteriores você ficou sabendo muitosobre o passado do Roarke. Que o pai dele era umladrão desgraçado, a mãe uma vaca e a vida dele um inferno.

Que o Summersetsalvou a vida dele quando o levou para morar com ele e que, apesar da infânciadesgraçada (ou talvez por causa dele) ele resolveu mudar de vida e ficar rico.

Mas aíii,chega Retrato Mortal e a J.D. da uma rasteira sem precedentes nele. Tudo,absolutamente tudo o que ele tinha certeza na vida dele vira de cabeça parabaixo quando ele encontra uma assistente social irlandesa que trabalha no Dochas.

Não, eu não vou contar o que acontece. rsSim, eu sou muito malvada, mas, eeehhhh,spoilerssuckshauhauhauha.

Já do lado da nossa destemida tenente, ela investigaum caso envolvendo um serial killerque mata jovens pessoas, as fotografa e envia as fotos para o jornal.
O cara é mórbido e terrível. E, me acreditem, um dos assassinatosfará você chorar como um bebê, já que ele bate na porta de um dos nossospersonagens queridos.

Aí vocês imaginam só a situação da Eve,né?
Vai ter que fazer malabarismos para investigar o assassino, tentar ajudar o Roarkecom a...novidade familiar dele e superar obstáculos emocionais...
Bom, resumindo, vale muitíssimo a leitura (e a aporrinhaçãode aturar as furadas da tradução nele), porque a estóriaé maravilhosa!
Recomendo!

PS: Sei que minha contagem dos livros não bate com a oficial, mas eu conto os livros em sequência de lançamento, independentemente se são considerados fora de série...
Sinopse: EveDallasvive no ano de 2059, mas nem por isso é uma detetivediferente das atuais: corajosa, destemida,inteligente e muito impaciente. Neste mais recente livro de J.D. Robb,Retrato Mortal, ela está à caça de um serial killerque assassina vítimas jovens e inocentes, as fotografa após a morte e, no fim,envia as poses para os jornais como se fossem modelos à procura de um emprego.A trama começa quando um corpo é encontrado num recicladorde lixo, e uma repórter, amiga da tenente EveDallas,repassa a informação à policial. Eveparte, então, no encalço de um criminoso que se propõe a oferecer às suasvítimas a eternidade arrancando-lhes a vida no auge da juventude. O assassino,supostamente um fotógrafo ou uma fotógrafa, observa, analisa e registracuidadosamente cada movimento de seus modelos antes de capturá-los. Sua missãomacabra é absorver a inocência, a beleza, a juventude e a vitalidade dasvítimas, sugando-as para a câmeracom o intuito de tirar um derradeiro e assustador... retrato mortal. Paradificultar ainda mais a tarefa de EveDallas,um inesperado obstáculo se colocará à sua frente: seu marido, Roarke,descobrirá terríveis fatos sobre o próprio passado. Assim, ela terá de darassistência ao homem que ama, caminhando na corda bambaque liga a sua vida profissional à pessoal, ebuscando justiça nos dois lados do seu mundo.

 

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Resenha #182 - J.D Robb - New York To Dallas

Oie Gente!


Primeiro de tudo, fica uma dica. As áreas do post que estão com enormes espaços são os spoilers que eu precisei desabafar.

Elas estão na cor exata do pano de fundo do post, evitando que quem não gosta o leia.

Se quiser saber quais são, basta selecionar o texto, ok?

Vamos lá!



A resenha de hoje é do novo lançamento da série Mortal em inglês: New York To Dallas.


Lançado dia 13 de Setembro, New York To Dallas é um dos melhores livros da série. Em alguns pontos ele é o melhor, já que responde muitas, muitas de nossas perguntas.

Sério, gente, eu simplesmente só consegui largar o livro quando já estava absurdamente exausta, quatro da manhã. Acordei sete horas e já voltei correndo para ele!

New York to Dallas é o primeiro livro da série que não tem In Death no nome e, a meu ver, foi uma mudança maravilhosamente bem feita, já que ele é um marco na série e na vida dos nossos personagens queridos.Peguem todos os pesadelos que a Eve já teve, misturem junto todas as características mais repugnantes de todos os bandidos que ela prendeu e você chegará perto (só perto) do que ela enfrentou com Isaac MaQueen.



Spoiler: >> Gente, a criatura é a encarnação do pai da Eve! Minha nossa senhora, era como reviver tudo o que ela já lembrou nos pesadelos e muito, muito pior.


Ele é um pedófilo (e só isso já seria suficientemente nojento), mas ele também é absurdamente violento. Sequestrou e manteve presas vinte e duas meninas, abusando sexual e psicologicamente delas até que a Eve, recém-saída da academia, tropeça nele durante uma pesquisa de "porta em porta" na época em que ela trabalhava como oficial de rua e consegue prendê-lo. Agora ele está de volta e depois de sequestrar uma mulher que fez parte da vida dos dois, vai para Dallas e arrasta nossa tenente para lá.
Acredite-me, nada do que você imaginar o preparará para o que ela (e você) vai enfrentar durante a leitura.
O Roarke vai com ela para lá e pequenos pedaços do passado dos dois continuam se intrometendo na investigação e atrapalhando o relacionamento deles com a divisão responsável pelas investigações.


Junto com isso, temos cenas emocionalmente desgastantes, como a conversa dela com a Mira, um pouco antes dela sair de Nova York.

Eu escolhi uma pequena parte, algo que dá apenas o tom de quão profundo a Nora foi dessa vez...


Spoiler: >>"Você acha que eu quero ir?" Ela foi inundada rapidamente por raiva e dor. "Eu voltei lá, para aquele quarto, aquelas ruas, até mesmo para o beco onde me encontraram.
Eu consegui passar por aquilo e eu prometi que eu nunca voltaria. Ele está morto aqui e aqui! ela disse, pondo as mãos na cabeça. "E eu não sei se indo lá o trará de volta. Deus, eu não quero ele de volta, tendo ele vivo na minha cabeça. Mas o que eu sou suposta a fazer? Deixa-la morrer porque eu estou com medo dele, de tudo isso?"
"Não," Mira disse quietamente agora. "Eu espero que você vá, faça seu trabalho, encontre-o e o pare".
"Você queria apenas que eu quebrasse antes?"
"Exatamente. Eu me importo com você, Eve. Você é muito mais que um dos meus outros arquivos; Eu gosto de você como se você fosse uma das minhas crianças, e eu estou bem ciente de que esses sentimentos farão as coisas um pouco difíceis para nós duas de tempos em tempos".
Ela fez um som, uma mistura de um dor e remorso; "Uma mãe protege sua criança de tudo. Ela também precisa deixar ela ir, mas não antes de estar certa que sua criança está preparada, armada e pronta. Se você não pudesse admitir para si mesma e para mim esses sentimentos, essas dúvidas, você não estaria pronta para ir. Agora eu posso deixar você ir, mesmo desejando que eu pudesse impedi-la."
"Eu não quero ir." A expiração de Eve saiu como unhas raspando sua garganta. "Eu não poderia viver comigo mesma se eu não fosse."
"Eu sei. Ele usará tudo o que ele sabe sobre sua história, como se fosse sal em uma ferida. Ele fará jogos mentais, picando onde você é mais vulnerável. Você precisa me prometer que me chamará se precisar de ajuda."
Eve andou de volta, sentando. "Isso se torna difícil de tempos em tempos, do meu ponto de vista, porque minhas memórias de uma mãe são corruptas e feias. Ela me odiou. Essa é a lembrança mais antiga que eu tenho dela. O ódio nos olhos dela quando ela olhou para mim. Então eu não sei como reagir para uma oferta dessas que, eu acho, é um tipo maternal de afeto e apoio que é... puro ou o que quer que seja."
"Eu entendo isso. Isso é algo que vamos ter que aprofundar quando você estiver pronta." Mira pôs as mãos sobre as de Eve. "Prometa que você me deixará saber se precisar da minha ajuda."
"Eu prometo. Eu direi."


Pra vocês que não querem ler o trecho, posso dizer que ela fez uma exploração completa, total e profunda de todos os piores pavores existentes na psique da Eve.
Depois de quarenta e um livros, o maior mistério envolvendo a Eve é revelado. Em meio a todo terror, violência e medo que a Eve se encontra, uma descoberta terrível quase acaba com a nossa tenente, deixando ela e o Roarke insuportavelmente abalados e... perdidos.
As cenas deles, depois da confirmação das desconfianças da Eve, são insuportavelmente cruas. Não tem um fã da série que vá conseguir ficar com os olhos secos.

Spoiler: >>Se você acha que aquela viagem dela para Dallas com o Roarke foi estressante, você não tem ideia do que as lembranças e as pessoas que ela irá encontrar dessa vez fará com você.
Gente, o livro é tão bom, mas tão bom, que até o menor detalhe da família dos dois, aquele minúsculo salvador de vidas, nosso lindo e fofo gato de olhos bicolores aparece no livro salvando outro dos nossos heróis.

Vocês vão sentir falta da presença da nossa querida Peabody, já que ela aparece bem menos nesse livro, mas, me acreditem, as poucas cenas dela valem muito a pena.
Spoiler: >>É absurdamente impagável vê-la tentando impedir que a Eve vá para Dallas sozinha, assim como é encantador (risos) o surto de sensibilidade da Eve.

São tantas cenas e situações maravilhosas que ele definitivamente *vai entrar* na sua lista de favoritos.
Eu absolutamente, totalmente, completamente RECOMENDO!




Sinopse: Quando um mostro de nome Isaac McQueen - que foi capturado nos dias de uniforme de Eve - escapa de Rikers, ele tem duas coisas em mente. Uma é continuar de onde ele parou, sequestrando jovens vítimas e as cicatrizando física e mentalmente. A outra é vingar-se da mulher que o parou anos atrás.




Disclaimer: Todas as traduções foram feitas por mim, sem objetivo de lucro.

Booktrailer:



terça-feira, 20 de setembro de 2011

Resenha #181 - J.R. Ward - Amante Consagrado

Oie Gente,

A resenha de hoje é de mais umas daquelas séries que eu adoro: A Irmandade da Adaga Negra, com os Vampirões mais gostosões de Nova York.
Mas antes de tudo... se você não leu os livros anteriores, pare aqui mesmo.
É impossível falar desse livro sem soltar spoilers dos livros anteriores.
Só continue a leitura da resenha e você os leu ou não se importa com spoilers!

**********

"Amante Consagrado", 552 páginas, Universo dos Livros, é o livro do Phury e da Cormia e é um romance bem complicado de ler.
Antes de você pegar para lê-lo, tem que escolher qual será seu pré-posicionamento  com relação ao problema do Phury.
Se você já leu os livros anteriores, sabe de qual problema eu estou falando. Se não leu, bem... eu avisei dos spoilers...
Se for com a mente fechada, prendendo-se às fraquezas dele, sofrerá bastante em muitos momentos do livro.
Se tentar manter a mente aberta ao problema com as drogas, terá um exemplo interessante de motivação e superação. Verá uma batalha árdua, que nunca se esperaria de um ser tão poderoso quanto um dos Irmãos.

"Amante Consagrado" é um daqueles livros que você ama e odeia.
A dualidade da estória não permite que você vivencie apenas um dos sentimentos.
Nele a Ward nos apresenta várias explicações, reviravoltas, personagens novos, romances, sexo e violência.
São tantas informações que é até difícil conseguir falar de todas elas. Vou tentar falar de algumas e dar uma ideia do que você vai (padecer) encontrar nele.

Guerra: Como vocês sabem, depois que o Butch se tornou o Destruidor, a Guerra parecia estar mudando completamente, com a vantagem para o lado da Irmandade.
Mas aíii, aquele mala do Ômega (que começou toda essa guerra para implicar com a irmã) me aparece com uma novidade envolvendo uma das pestes que já conhecemos e vira tudo de cabeça para baixo.

Phury e Cormia: Como vocês sabem, em mais um daqueles momentos "Eu vivo em prol dos outros", o Phury assumiu o cargo de Primaz. Tomou Cormia como sua Primeira Companheira e trouxe ela para o mundo real, dando nela O Choque de cultura e realidade e simplesmente largando ela pra lá.
Como uma (não tão) boa Escolhida, ela passa a maior parte do tempo dela afastada de todos, escondida no quarto.
Confesso, mesmo entendendo o quanto nossa realidade pode ser difícil para ela, em muitos momentos eu queria estrangula-la. Quando achei que a coisa ia engrenar e ela ia por as garras para fora... ela desanda e se recolhe totalmente outra vez.
E nosso querido Phury, no que se refere as Escolhidas, a Cormia só falta dar na cabeça dele com a solução e ele só percebe o que ela queria dizer quase 400 páginas depois! Fale-me sobre ser lento!

Por outro lado, conhecemos bem mais sobre o passado dele (e também temos muitas cenas dele de oh meu Deus, como eu sofro!!) e vemos ele cair no fundo do fundo do poço das drogas. Ele chega a tal extremo que todos ao redor dele só podem ter atitudes extremas em retorno. É demais da conta de triste, viu?

Zsadist: Gente, dá uma peninha do Z! Além do pavor que ele esta vivendo com a gravidez da Bella, ainda me aparece o Phury com uma crise de "ninguém me ama, ninguém me entende".
Eles tem uma briga daquelas de deixar você com o coração a mil e nosso amado Zsadist até manda o Phury "descer da porra da Cruz, porque alguém pode estar precisando da madeira dela".
Tá, tá, não tem o porra lá no parágrafo, mas tem no original. Sim, sim, eu não entendo também porque a editora optou por tirar o palavrão de um livro adulto, mas né...
Agora, sendo o Z a dicotomia que ele é, a última cena dele vai fazer você morrer de chorar. É a-b-s-u-r-d-a-m-e-n-t-e linda de morrer! Se você é do fã-clube dele, há há, prepare-se!

John: Nesse livro eu  gostei mais do John do que antes... acho que é porque todo mundo reclama tanto do livro dele (que eu ainda não li), que sempre acabo ficando com o pé atrás com o bendito.
Estou louca, alucinada, ensandecida para ele desvendar logo os flashs de memória e todo mundo ficar sabendo de tudo.

Rehvenge: Genteeeemmm, adorei tooodoosss as participações do Reverendo! Amei, amei, amei tudo!
Amei ele malvadão, amei ele irmão preocupado, prostituto, amigo, bocó, herói... amei, amei!
Adorei todos os detalhes sórdidos que a Ward me deu sobre o macho, sobre o passado, presente e "ele-no-meu-futuro" já! hehehe

Tem Blay e Qhuinn saindo do limbo (finalmente!!) e uma cena comovente do Qhuinn desejando tudo de felicidade no mundo pro Blay e jurando que qualquer um que ousar fazê-lo sofrer vai se entender com ele!

Vocês podem imaginar como eu fechei o livro, né? Canceriana chorona até a alma (com carteirinha e orgulho), eu quase morri em várias das cenas.
Em vários momentos eu queria matar os personagens, esganar a autora e afogar a Virgem naquela fonte sagrada...em outros eu queria pegar eles todos no colo e abraçar até fazer a dor passar.
Enfim.... deu para terem uma ideia do que achei do livro e porque amei e odiei ele?
Então, aproveita que esta aí e comenta!
Quem sabe rola uma promoção??

Beijos!

Conheça os outros livros da série:

Amante Liberto
 
Participe do sorteio da Coleção IAN.


Sinopse: Nas sombras da noite de Caldwell, Nova York, desenvolve-se uma furiosa guerra entre os vampiros e os seus assassinos. Há uma Irmandade secreta, sem igual, formada por seis guerreiros vampiros, defensores de sua raça. E agora, um Irmão obediente deve escolher entre duas vidas... Ferozmente leal à Irmandade da Adaga Negra, Phury se sacrificou pelo bem da raça, convertendo-se no macho responsável por manter a linhagem da Irmandade. Como o Primaz das Escolhidas, ele será o pai dos filhos e das filhas que assegurarão que sobrevivam as tradições da raça, e, que haja guerreiros para lutar contra os redutores. Como sua companheira, a Escolhida Cormia quer ganhar não só o corpo, mas também o coração de Phury para si... Ela vê o guerreiro emocionalmente deteriorado atrás de toda sua nobre responsabilidade. Mas enquanto a guerra com a Sociedade Redutora se torna mais severa, uma grande tragédia abate a mansão da Irmandade e Phury deve decidir entre o dever e o amor.

domingo, 18 de setembro de 2011

Resenha #180 - Alyson Noël - Infinito

 Oie Gente!


Recebi da Intrínseca o último livro da série Para  Sempre e confesso que fui ler "Infinito" com bastante receio.

Se vocês já frequentam o In Death há algum tempo, devem saber que eu sofri um bocado com o os livros de Para Sempre. Fiquei me perguntando se era intencional nos fazer passar por toda aquela provação (afinal de contas, ver os personagens fazendo burrada depois de burrada não é nada fácil) e se tinha algum motivo oculto para todo aquele... bem... azar.

Aí chegou Infinito e fiquei quase 100% certa de que ela tinha exatamente esse objetivo em mente: nos fazer sofrer para entender o bem maior...

No contexto geral da série, ler Infinito compensa o sofrimento eterno que foi "Chama negra".

Tudo é cuidadosamente explicado e apesar da confusão causada por uma pequena referência à passagem das estações, vale muito a pena ler.

Então, se você não desistiu de ler a série, fique sabendo que vai ter uma ótima surpresa nessa leitura.

O sofrimento, dessa vez, foi compensado! hehe

Mas a Alyson também criou situações que eu achei que não fosse conseguir resolver.

Como a recusa da turrona (mula empacada) da Sabine. A mulher simplesmente se recusava a ver e aceitar o que estava bem alí, na cara dela. (em algumas cenas isso é literal).

Para ela o preto tem que ser preto e o branco tem que ser branco e ai de quem inventar o cinza!

Nunca imaginei encontrar uma cabeça tão dura assim no mundo YA, mas acho que esse é um dos objetivos da Alyson... dar um toque de realidade aos seus personagens. (afinal, duvido que se você descobrisse que sua sobrinha/irmã/filha/etc tem poderes paranormais inimagináveis iria simplesmente dizer "ceeerttto, vamos lá!").

Ela também fez alguns personagens inverterem seus próprios papeis na trama.

Sabem aquela mania da Ever agir sem pensar? Dessa vez quem ficou assim foi o Damen!

Juro, ele me lembrou um adolescente que acabou de descobrir a possibilidade de sexo e que simplesmente quer o caminho mais rápido até lá!

Aí a Ever é quem teve que ser a racional da história e mostrar para ele que o destino dos dois não era só aquilo.

Que ele é quem estava sendo imediatista e cego, se recusando a ver que as coisas podiam ser muito mais do que eles já desejaram... que para isso bastava que ele tivesse fé.

Finalmente ela explica porque o fofo do Jude sempre acaba atrapalhando os planos da Ever e fazendo o que esta ruim ficar ainda pior.

Me acreditem, a explicação vale toda a frustração que ele já causou.

Temos o Miles de volta com toda a sabedoria que lhe é peculiar e ainda topamos com a explicação de porque ele sempre foi o mais sensato de todos...

Resumindo, tudo aquilo que deixou você frustrada(o) durante a leitura dos livros anteriores vai ter uma explicação sobrenatural convincente.

Se você é daqueles que não desiste facilmente e que encararia ler um livro difícil de ler pelo bom entendimento da série, Para Sempre lhe é recomendado.
Se você não gosta de sofrer com situações sem explicações, aí eu não recomendaria Para Sempre para você.
É preciso ter força e fé para chegar até o fim!
Beijos!
Sobre a série:

Para Sempre (Evermore)
Lua Azul (Blue Moon)
Terra de Sombras (Shadowland)
Chama Negra (Dark Flame)
Estrela da Noite (Night Star)
Infinito
(Everlasting)

Chegou até aqui? Então faça uma forcinha e comente!
Sua participação é muito importante pra mim! XD 

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Resenha - #179 - John Verdon - Eu Sei O Que Você Esta Pensando

Oie Gente!

A resenha de hoje foi bem complicada de escrever.
Sentei, pensei, pensei... rabisquei ela umas cinco ou seis vezes e nada expressava exatamente o que eu senti durante a leitura.
Então já vou pedir desculpas adiantadas, já que sei que ela acabará um pouco confusa...

Sabe aquela cor que sempre deixa confusa... que você não sabe se é verde ou azul, vermelho ou rosa?
Agora imagine isso num livro?
Foi assim que me senti durante a leitura desse livro.
As primeiras oitenta páginas pareciam se arrastar.
O assassino não matava ninguém e o autor me dava tantos detalhes que eu comecei a ficar confusa.

Já estava achando que seria um daqueles livros que você precisa arrastar as páginas até acabar, mas aí veio a primeira grande surpresa.
(...)O conflito mais simples é o que existe entre o modo como nos vemos e o modo como vemos os outros. Por exemplo, se estivéssemos discutindo e você gritasse comigo, eu acreditaria que a causa do grito era a sua incapacidade de controlar seu temperamento. Mas, se eu gritasse com você, não pensaria que a causa do problema era meu temperamento, e sim a sua provocação. Ou seja, meu grito seria uma reação adequada a algo que você tivesse feito.(...)
Essa foi a primeira de várias passagens maravilhosa que tem no livro, todas muito reais e que vemos todos os dias da nossa vida.
Não anotei todas, mas tem várias passagens do texto que se todo mundo aplicasse à sua própria vida, tudo seria mais justo e mais simples.
Aquela coisa de que "quando você aponta um dedo para alguém, você aponta três para si próprio" é dito e comprovado em vários momentos.

O autor cria algumas situações que, confesso, achava que ele não ia conseguir resolver.
Pegadas que não levavam a lugar nenhum, detalhes além da conta, pistas que não apontavam para ninguém.
Cheguei na página 200 e não tinha absolutamente nenhuma pista de quem era o culpado.
Eram tantas informações que nenhum daqueles que eu desconfiava eu conseguia uma prova concreta de quem era o culpado.
Confesso que eu deduzi o mistério dos números antes de todos os detetives, mas aquelas botas... nossa, impossível hahaha

São tantas fases e sentimentos durante a leitura que não dá para defini-lo apenas como maravilhoso ou ruim.
É um daqueles livros que te faz passar por um espectro tão grande de sentimentos que só mesmo lendo para você chegar a sua própria opinião sobre ele.
Por isso eu disse no início da resenha que ele lembrava muito aquela cor indefinida... muito, muito difícil descrevê-lo num sentimento só.
Beijos

Ah, chegando em 20 comentários rola promo!

Sinopse: Uma carta perturbadora chega via correio com uma simples declaração ao final: "Veja como conheço seus segredos - apenas pense em um número." Errará quem pensar que uma carta dessas chega a seu destino final apenas por obra do acaso.Para o detetive aposentado da polícia de homicídios da cidade de Nova York, Dave Gurney, que está formando uma nova vida ao lado de sua esposa Madeleine, as cartas começam a deixar de ser estranhas para se tornarem um complicado quebra-cabeça que levará a uma enorme investigação sobre assassinatos em série.Trazido para o caso como consultor, Gurney em pouco tempo percebe pistas que a polícia local deixou passar. Ainda assim, diante de um oponente que parece ter o dom da clarividência, Gurney vê seus esforços irem em vão, seu casamento rumando a um precipício e, finalmente, um medo incontrolável de que seu adversário não pode ser parado.

domingo, 11 de setembro de 2011

Resenha #178 - Jory Strong - Storm's Faeries

Oie Gente!
A resenha de hoje é de outro Jory Strong!
Ain gente, eu não resisti! Já tinha lido mas quando vi que saiu em português eu larguei tudo que estava lendo em papel e corri para lê-lo!
Se você não lê em inglês e não tem como comprar o ebook chegou seu momento de felicidade.
Um grupo de fãs se reuniu e fez a tradução do livro, então de uma busca no Google por "As Fadas de Storm" que ele leva você ao blog do grupo.
Não vou listá-lo aqui a pedidos do próprio grupo, mas um pouco de paciência e você acha!

Mas, voltando!
A série Supernatural Bonds é o que eu chamo de fantasia adulta.
O primeiro livro tem uma meio-elfo e um policial marrento e muito, muito romance.
O segundo tem dois Lords fadões gostosões e uma policial.
Assim como no primeiro livro, temos assassinatos para resolver e o conflito entre o sobrenatural e os não crédulos.

Os fadões da Storm não tem nada de fofinhos e o romance dos três não tem nada de "conto de fadas".
A coisa toda é explosiva, avassaladora e de enlouquecer.

Storm é uma policial que acabou de ser promovida a detetive e entrar para a equipe de Homicídios.
Tristan é um professor universitário que tem a singela característica de ser um Lord fada lindo de morrer. Ele domina os elementos da água e do ar e veio para o mundo mortal para tentar manter as garras da corte Faeire longe dele.
Pierce é outro  Lord, controla o fogo e por isso sempre foi marginalizado na corte.
Ele não acredita que Storm seja sua Esposa Eterna, mas aceita conhecê-la a pedido do primo. E é aí que a coisa explode.

Ele não é o melhor livro da Jory e eu sempre acho que parte dele, que ela colocou no livro seguinte, teria ficado melhor como epílogo, mas os três personagens conseguem te envolver de tal maneira que você acaba perdoando as pequenas falhas no decorrer do enredo.
vale muuuiiitooo a pena ler!
Beijos!

Sinopse: The Fates do enjoy their little amusements.
Storm O'Malley thought she'd always be a beat cop. But when she helped catch a serial murderer, she became a detective and a member of the elite Homicide squad. Now she's got a murder to solve and a new reason to call on the gorgeous professor she met on the Dean case.
The first time Professor Tristan Lisalli met Storm, she was off limits because he couldn't afford to get mixed up in a high-profile case. No supernatural could. Much less a noble of the Sidhe court. But after that case was solved, he'd fully intended to challenge his cousin Pierce with the seduction of a woman-with the seduction of Storm. But now Storm is involved in another high-profile case. A murder again, but with a difference. Treasure.
No fey creature can resist the legendary Medici Chalice of Eros. But if what Tristan suspects is true, then the real treasure is Storm. He thinks she just might be his forever wife-and Pierce's as well.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

[Grafic Novel] Resenha #177 - Rick Riordan - Ladrão de Raios

Oie Gente!

A resenha de hoje é sobre a nova versão do primeiro livro de uma de minhas séries favoritas: a grafic novel de O Ladrão de Raios.

A estória foi encurtada e foram feitos grágicos e ilustrações, transformando o livro em uma revista em quadrinhos.
Tá, tá, todo mundo chama de grafic novel, mas eu sou da época que o Cebolinha era criança e isso era revista em quadrinhos rsrrs

Vai lá, eu confesso: eu senti falta de algumas partes do texto, mas isso é porque todo fã quer tudo sempre perfeito (nem queiram saber o que eu achei daquele filme) e completinho.
Eu não me aguentei com a Clarisse.... ela ficou igualzinha a do livro hahhaha



Diga lá se não dá medinho...??

Tem eles no Cassino de Lotus...


Tem eles em todos os principais pontos do livro e é uma ótima alternativa para quem esta curioso pela estória e curte uma boa história em quadrinhos.
Como todo Rick Riordan que já li (falta ler Tequila Vermelha) eu RECOMENDO!
Até

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Resenha #170 - Jory Strong - Binding Krista

Oie Gente!


Como vocês bem sabem esse mês eu estou resenhando meus "livros trauma". Bom, acontece que o atual é "Crepúsculo" espirra e apesar de ainda não ter aderido a LALPJ* eu realmente precisei de um auxílio externo: catei um Jory Strong bem velhinho para ler.
Confesso que já o tinha lido antes, mas gosto tanto dessa série que não foi nenhum esforço lê-lo novamente!


Totalmente alternativa, a série Fallon Mates nos introduz ao planeta Belizair, que teve toda sua população infectada por um vírus. Após a infecção todas as fêmeas se tornaram estéreis.
O Conselho do planeta busca em todos os outros mundos companheiras férteis que possam garantir a sobrevivência da raça, ao mesmo tempo em que tentam encontrar uma solução para o problema de suas próprias fêmeas.


Brinding Krista é o primeiro livro da série Fallon Mate e nos apresenta a estória de Adan d’Amato e Lyan d’Vesti, dois habitantes do planeta Belizair, que chegam à terra a procura de sua companheira, a única fêmea em todo o universo que tem a combinação genética necessária para garantir que eles tenham crianças e possam dar continuidade à sua raça.


Krista está fugindo de alguém, desesperada para manter-se viva. Quando conhece Adan e Lyan fica absolutamente encantada pelos dois, mas teme que qualquer envolvimento entre eles possa causar a morte de um ou todos eles.


Eu adorooo esse livro. Primeiro porque foi um dos primeiros sobrenaturais "de outro mundo" que eu li, segundo porque o romance entre os personagens é tãoooo lindo que não tem como você evitar adorá-lo.
Temos vários personagens além dos três centrais, o que garante uma dose saudável de curiosidade pelos volumes seguintes.


Também temos um vilão bem do mal, que garante cenas de ação, lutas e derramamento de sangue para proteger o/a companheiro(a)!


Claro que para ler essa série você tem que manter a mente um tanto quanto... aberta a novas emoções.
Primeiro porque Adan e Lyan são das raças Amato e Vesti, que visitaram a Terra muitos e muitos anos antes, dando origem as lendas de Anjos e Demônios.
Segundo porque, como vocês devem ter percebido, não temos um casal romântico e sim um trio romântico! rs
Eu sou daquelas devoradoras de livros que sempre tentará algo ao menos uma vez.. e Jory Strong me encantou tanto que já comprei/sequestrei /li/quase todos os livros dela.
Falta apenas uma série dela para eu completar a bibliografia, mas estou rendendo-a para quando a Jory terminar as outras quatro séries que eu acompanho!


Se quiser saber um pouquinho mais sobre a Jory Strong pode visitar o site da autora ou os perfis dela no Goodreads e no Twitter!


Até!

sábado, 3 de setembro de 2011

Resenha #176 - Leah Brooke - Raw Desire

Oie Gente!


A resenha de hoje é de mais uma daquelas infinitas séries que eu acompanho.

Desire, Oklahoma, é uma série de livros que tem como principal característica a potência do amor masculino.

Na maioria dos livros são os homens que bolam e rebolam para convencer as mulheres que eles foram feitos uns para os outros.

Sim, isso mesmo que você leu.

Como a capa deixa bem claro temos um trio dessa vez, composto pela teimosa da Alison, o bad boy Ryder e o "cara de bom menino" Dillon.

Ela chega a Desire (a cidade dos meus sonhos!!!) para um curso e conhece os dois quando a caminhonete dela quebra.

É amor a primeira vista... pra eles.

Gente, é tãaoo lindo ver os dois tentando provar pra ela que eles realmente estão loucamente apaixonados por ela e que ela pode confiar neles e no amor que sentem por ela!

E não é nada fácil para ela confiar em qualquer pessoa, já que teve uma decepção enorme com o namorado (que tentou matá-la) e os amigos (que ficaram do lado dele, porque era influente) na cidade onde cresceu.

Uma das coisas que mais me agrada nos livros da Leah é que eles são sobre superação. Superar medos, preconceitos, traumas... ela consegue por tanto realismo nas estórias que você pode quase dizer que conhece alguém com uma história igual.

Claro, tirando o fato de que Desire não é de verdade e que homens como esses dois estão em extinção. (suspiros).

Recomendo!

Ah, se quiser conhecer um pouco mais sobre a autora, pode conferir o Facebook e o site dela.

Sobre a série:

Desire, Oklahoma


Desire for Three  Creation of Desire   Blade  Rules of Desire  Dark Desire  Untamed Desire  Raw Desire (MFM)




Untamed Desire
Sinopse: Alison Bennett came to Desire, Oklahoma to hide-and to heal.

When her truck breaks down on the way into town, she certainly hadn't expected men like Dillon Tanner and Ryder Hayes to come to her rescue.
Extraordinary men in an extraordinary town.
Their interest in her both excites and alarms her, but she knows they're both way out of her league.
When an attack on the club brings a halt to the seminar she's signed up for, Dillon and Ryder's proposition to continue her lessons intrigues her. Dillon's gentleness tempts her to put herself in his hands while Ryder's wildness and apparent dislike for her makes her uneasy.

Under their guidance, she embarks on a journey of self-discovery, one that teaches her decadent pleasures and raw desire.

And love.
Knowing a ménage relationship could never work, she still finds herself tempted to stay.
But fate, and her ex-boyfriend, have other plans.