quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Brasileiríssimo #01 - Janethe Fontes - Sentimento Fatal

Oie Gente!



Hoje estou estreando uma nova secção aqui no blog: a “Brasileiríssimo”.
Nela vou resenhar obras brasileiras que tenham me marcado de alguma maneira.
Mas não fiquem imaginando que só vou falar que obras que eu tenha adorado. Nãããõoo!
A marca registrada das resenhas feitas nessa secção é que as obras tenham provado emoções extremas.
Tenha eu as amado ou odiado profundamente, elas virão parar aqui.
Então podem se preparar, que os posts serão sempre passionais e altamente expressivos.


E para começar com o pé direito, venho de "Sentimento Fatal", da escritora romancista Janethe Fontes.


Esse não é um livro para pessoas de corações fracos. Ele vai levar você aos pólos emocionais.
Você vai amar alguns personagens, desejar que eles fossem reais e que morassem na casa ao lado. Também vai odiar outros, com forças e intensidades reservadas para vilões de contos de fadas e das novelas das oito.
E, para complicar ainda mais seu estado emocional, você ainda tem uma personagem que causa a mais absoluta e completa repulsa feminina.




Por amor se mata? O amor destrói? E o ciúme, pode ou não ser controlado? Sentimento Fatal levará você a pensar nessas questões e rever seus conceitos... todos os seus conceitos em relação ao amor. "Dividida entre a paixão avassaladora do marido Roberto, que tem um ciúme doentio, e o grande amor de infância de Daniel, que ela torna a encontrar dez anos depois, Adriana Diniz Martinez terá de vencer o medo e reencontrar a si mesma... Lutar pela própria integridade e também pela filha Letícia, pela qual é capaz de tudo.




Adriana vive um inferno com o marido, Beto, um homem ciumento, possessivo e violento.
Ela tenta manter o casamento pela necessidade de manter a filha feliz, mas cada vez que o marido a estupra, fica mais e mais desesperada.
É isso mesmo que você leu. Estupro.


Roberto é um homem obsessivo, violento e controlador.
Trata a esposa como sua posse e, quando contrariado por ela, parte para todo tipo de violência.


Tenho que dizer que não foi um livro fácil de ler. Foi preciso um estômago forte (e um coração resistente), para concluir as partes mais verdadeiras e duras da leitura.


Se você já assistiu a uma reportagem sobre violência doméstica, conhece alguém que já passou por isso ou até mesmo já leu algo sobre o assunto, aposto que se perguntou o que levou a mulher a continuar naquela situação.
Quando a mulher é pobre, sem estudo, normalmente se escuta dizer que é porque ela não tem opção, não tem conhecimento do que pode fazer para sair desse ciclo de violência.
Mas e quando a mulher não entra em nenhum desses estereótipos? Ela é bem educada, culta.
Tem trabalho, família e todos os motivos do mundo para escapar da violência?


É essa história que a Janethe nos apresenta de maneira sublime.


Sem eufemismos, sem desculpas e com a crua realidade de uma vida marcada pela violência, o novo romance da Janethe vai fazer você se arrepiar.


Gente, eu confesso ter sofrido muito [muito MESMO] durante essa leitura.
Precisei parar, respirar fundo e desanuviar a mente para conseguir ler.
Sabe quando as palavras fazem você sofrer? E, mesmo assim, você não consegue largá-las?


Ela também conseguiu mostrar os momentos felizes vividos por essas famílias.
Aquelas situações em que normalmente vemos a mulher dizendo "mas ele estava mudado, prometeu que não faria mais isso". Pois é, ela retrata tudo isso e faz você sofrer junto com a Drica, soluçar junto com a pequena Letícia ao ver a mãe sofrer e ficar com o coração apertadinho cada vez que a Adriana insistia em perdoar o marido.


É um daqueles livros que, por mais que você tente evitar, vão deixar uma marca na sua vida e fazer você pensar e analisar muitas coisas.


Uma leitura emocionante e arrasadora, totalmente indicado para quem gosta de grandes emoções.
Recomendo!


Ficou curioso com o livro?
Você pode comprar um exemplar no site da editora! Basta clicar aqui e garantir o seu!


Ele também está no Skoob e no Facebook e eu ficaria de olho nos dois se fosse você!
Beijos!


5 comentários:

  1. Caracólis. Arrepiei com a resenha. Poxa, eu nem sabia que o assunto era violência doméstica e nunca li nenhum livro sobre isso, mas esse com certeza eu PRECISO ler. Tá, eu não tenho pena de mim e gosto de fazer meu coração sofrer mas eu não perderia por nada uma obra-prima brasileira (que foi o que eu percebi que esse livro é). Parabéns pra autora!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Oie Cris!

    Eu adorei o livro, mesmo tendo sido sofrido ler!
    Recomendo para todo mundo, porque realmente é bom!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ba.

    Quando te indiquei esse livro, fiquei com receio, porque sei que você tem coração fraco, mas sabia que você ia gostar. Realmente, é maravilhoso!

    Em diversos momentos, questionava-me o porquê de Adriana não denunciar seu agressor, mesmo com toda a ajuda que dispunha? Porque sempre perdoava-o depois de todas as agressões físicas
    e verbais, além das atrocidades cometidas que sofria?

    Tive momentos bem conflitantes ao longo da leitura em relação ao Beto. Quis voar em cima dele. [risos]. E as cenas da pequena Letícia foram de doer o coração.

    Mas, apesar de tudo, gostei muito do enredo e das mensagens que o livro mostra, retratando fielmente uma realidade nua e crua.

    Tornei-me fã da Janethe Fontes, desde que li o seu primeiro romance “Vítimas do Silêncio”.

    Apesar do tema denso de “Sentimento Fatal”, espero que a autora, através dessa história, possa ajudar alguém que esteja passando por este dilema, assim como fez com “Vítimas do Silêncio”, porque os dois são romances intensos, sutis e delicados, que retratam temáticas atuais e extremamente sérias que, ao mesmo tempo, servem de inspiração, motivação, reflexão e superação.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Nossa bem intenso esse livro né.
    Sua resenha mostra claramente o que você sentiu ao ler ele, nunca li
    nada assim e tenho a maior vontade.
    Você diz que esse é daquele livro que querendo ou não deixa uma marca,esses são meus livros favoritos, o que mesmo depois de ler você fica dias ainda lembrando dele quando deita, ou fica de bobeira.
    Parabéns pela resenha e pela iniciativa de fazer essa coluna com livros brasileiros, afinal é um incentivo a literatura brasileira.Bjinhos ^_^

    @Agda01:twitter

    ResponderExcluir
  5. Esse livro me marcou também pela sua forma de escrita, pela veracidade dos fatos e pelo teor profundo dos sentimentos.

    Amei sua resenha Bá, e a coluna também!
    Aguardo outros livros tão bons quanto esse aqui no blog!

    ResponderExcluir