domingo, 1 de abril de 2012

@MaratonadeBanca #02 - Hannah Howell - Refém da Sedução



Oie Gente,


Como alguns de vocês sabem passei os últimos dias com minha avó no hospital. Ela teve uns problemas complicados, mas já está melhor.
Então durante as horas sentada assistindo ao soro pingar, precisei de alguma coisa pra fazer.
Aí Aproveitei que estava com o livro da maratona de banca no celular e fui lendo pra não surtar de ansiedade (ou enlouquecer as pobres das enfermeiras, aquelas almas santas que tiveram paciência de responder um milhão de perguntas 200 milhões de vezes).


Aí estou aqui no quarto, esperando outro médico chegar para começar a ver o que foi que causou as isquemias e rabiscando no celular essa resenha.


Uma das minhas grandes dificuldades com livros históricos é o comportamento e pensamento dos personagens, tão diferentes dos meus. É algo como tentar aprender um novo idioma. Você precisa treinar o cérebro para que aquelas palavras, tão sem sentido, tenham lógica e possam ser relacionadas com suas próprias escolhas. Quando comecei esse livro, a primeira coisa que me chamou atenção foi o sangue.


Essa Hanna é do mal, viu? Mal fazem 3 páginas de livro e já rola muito sangue! Fiquei me perguntando como podem chamar isso de literatura de mulherzinha. No começo do livro me sentia um pouco como a Jennet: não via sentido na maior parte dos acontecimentos do livro. Guerras sem fim, mulheres sendo tomadas como espólio de guerra. Tudo muito real, eu sei, mas ainda assim muito desagradável. O texto do livro é maravilhoso. Expressa bem a tensão da época e as dificuldades da vida na guerra. O trabalho de tradução e revisão estavam ótimos, acusando uma saudade enorme dos bons tempos. Rs.


Agora, o mocinho do livro é um caso a parte. Ele rouba a mocinha de um contento, a leva como espólio de guerra e a seduz, já que a quer como mulher, mas não quer que seja na marra, como muitos de seus conterrâneos. Ele é um homem enorme, daqueles que chamam a atenção de longe. É difícil definir o tipo dele, já que ora ele está coberto de sangue no meio da guerra, ora ele está todo sorrisos para a mocinha.
Eu o adorei, mesmo tendo dificuldade de aceitar ele tomar a Jennet como posse. Acho que passei a gostar mais do livro lá pelo final do primeiro terço, porque você vê que perto de alguns dos outros homens o mocinho é maravilhoso. Tem vários outros ótimos personagens no livro, o que permite algumas cenas ótimas em meio às partes mais tensas. Ele foi um bom companheiro em um momento difícil.


Beijos.


Sinopse: Escócia, 1318


Nos braços do inimigo...
Jennet Graeme testemunhou tragédias terríveis ao longo dos muitos anos de conflitos entre ingleses e escoceses. Quando os escoceses invadem o convento onde ela se refugiou, Jennet resiste e desafia o guerreiro bonito, alto e loiro que a toma como refém. Mas a força bruta de Hacon é avassaladora, e Jennet é forçada a cavalgar com ele por aquelas terras sem lei, cuidando dos feridos, protegida e desejada por um homem a quem ela quer odiar... mas não consegue... Hacon Gillard se sente tocado pela bondade e generosidade de Jennet. Como cavaleiro do rei, ele jurou lealdade a seu soberano, mesmo perdendo o coração para aquela jovem encantadora. E então, o impiedoso guerreiro começa a sonhar com algo que vai muito além do calor das batalhas...

18 comentários:

  1. Oi Bá!

    Faz tempo que não leio um romance histórico. Vou anotar essas dicas para procurar os livros depois kkkk

    Bjs!

    Carla
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
  2. Que bom que sua vó está melhor, em hospital o melhor mesmo é ler para passar o tempo.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  3. Tenho a mesma dificuldade que você com os históricos. Mas que mocinho, hein... Rapta e depois quer conquistar... Confesso que gostei!

    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Ai ai... eu adoro esses livros. Gosto deles mais reais e tendo a ver com a época. Ja pensou pegar um cavalão desses, por no meio de uma guerra e fazer dele um perfeito cavaleiro, que pede licença antes de enfiar a espada no inimigo. Iam achar ele boiola, e com razão! Kkkkkk
    Adoro um espadão de respeito!

    ResponderExcluir
  5. Oi Ba!
    Eu sinto muita raiva quando o mocinho trata mal a mocinha, mas pelo visto ele era o "menos mal" da época, né? E deu-se ao trabalho de esperar ela estar pronta... então tudo bem, está perdoado! 
    Um beijinho para sua vovó!
    Elis Culceag.

    ResponderExcluir
  6. Oi Ba,

    Eu já li e gostei muito desse livro. Nessa época era assim mesmo, se ele ficasse cheio de fofuras ia ficar estranho, era como a sociedade funcionava na época, mas sabe, eu achei ele bastante legal e não me passou raiva em nenhum momento. Como você disse, se compararmos com os outros... rrsrsr

    bjokas

    ResponderExcluir
  7. Leituras e Devaneios Leituras14 de abril de 2012 16:48

    oi Ba!
    Não sabia desta sua dificuldade, huahuauau
    Isso nunca acontece comigo, alías, os históricos até são meus preferidos justamente por isso, adoro ler com oas coisas eram tão diferentes antes do que são agora, mas particularmente gostodos embatesquesempre acontecem. claro que o pensamento arcaico dos personagens por vezes irrita, mas na grande maioria dos livros as mocinhas sabem se impor, e os mocinhos reconhece seu lugar e seus sentimentos. Ainda gosto da ideia de mocinha delicada, e seu prinicipe salvador, mas prefiro ainda mais quando delicadeza não é sinônimo de fragilidade e os mocinhos perdem o rebolado huauhuua
    Hannah Howell é uma das minhas autoras preferidas, mas não me recordo se li este livro ou não.
    Gostei muito da sua resenha, sincera como sempre.
    Desejo melhoras para sua avózinha.
    Bjus, Sabrina

    ResponderExcluir
  8. Oie Sá!

    Pois é, é tentando ver os livros sob essa ´ótica que me faz não desistir e continuar lendo. Confesso que gosto mais dos históricos eróticos, mas eles não são exatamente a realidade da época, né? hauhauha
    Por isso de vez em quando vou dizer pra uma amiga escolher um livro e indicar. Desistir é para os fracos! hahahaha

    Minha vó está melhor, obrigada! =D
    Já está em casa e mandando em todo mundo. XD

    Bjus!

    ResponderExcluir
  9. Oie Elis,

    Pois é, ele era menos ruim, sabe? Mas ainda assim o menos ruim dele é meio frustrante. hihihi

    Bjus!

    ResponderExcluir
  10. Oie Tonks,

    Pois é, mas é tão difícil ler essa realidade! hahahaha
    Ah, eu sou muito mandona para não ficar frustrada com essas cenas tipo "mim ter pênis, mim saber mais". huahauhauha Me deixam louuuccaaa!!!!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  11. E quem não gosta??? #Safadhenhaaa!

    Bjus!

    ResponderExcluir
  12. MEODEOS, Medo da Cris! HUAHAUHAUHAUH
    Então, eu sei que eles precisam ser assim, gentem! Afinal, era assim que os HOMENS da época eram! Mas eu ainda não cheguei no nível de vocês, ainda acho um tanto quanto irritante hauhauhauha

    Bjs!

    ResponderExcluir
  13. Oie Ká!
    Minha fonte agora é #MadreHooligan! hauhauhauha

    Bjs!

    ResponderExcluir
  14. =)

    Ela já está em casa, graças! o/!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  15. KKkkkkk! Sem briga! Não quer, manda pra cá!

    ResponderExcluir
  16. Eu sou o contrario, não tenho dificuldade para ler os históricos, pena que os melhores não vejo  publicados por aqui.Beijos 
    Luciana 
    Apaixonada por Romances

    ResponderExcluir
  17. Adoro esses caras que acham que as mocinhas são suas propriedades, dá motivo para pano para a manga, kkkk
    Saudade de ler Hannah, ela com certeza capricha nas suas histórias!

    ResponderExcluir
  18. [...] Março – Avassalador – Diana Palmer Abril – Refém da Sedução – Hannah Howell  [...]

    ResponderExcluir