terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Terça Sobrenatural #10 - Maya Banks - Love Me Still

Oie Gente!

Existem dois tipos de livros que você odeia.
O primeiro é exatamente o que você deve imaginar agora, aquele que você odeia porque é muito ruim. Lê-lo é interminável e um sofrimento incontrolável.


O outro tipo é exatamente o contrário. Você odeia o dito justamente porque os personagens são muito bem estruturados, porque o livro é bem escrito e, principalmente, porque os personagens fazem tudo, tudo aquilo que você passa o livro inteirinho gritando que ele não faça.
E é esse caso, o ódio causado pela teimosia dos personagens, o meu relacionamento com esse livro da Maya Banks.




O perdão é a coisa mais difícil de dar, mas a mais querida para receber.
A amada companheira dos lobos, Heather, vivia uma vida idílica até que os caçadores destruíram a pacífica existência da manada. Acreditando que sua companheira os tinha traído e era responsável pela morte de seu pai, Cael e Riyu (os machos alfa) afastaram Heather de suas vidas. Mas quando se deram conta de seu terrível engano, podiam ganhar seu perdão e voltar a ganhar seu amor?



Veja bem, querido leitor, dona Maya Banks, autora de um dos meus romances mais relidos, simplesmente conseguiu criar três personagens irritantemente insuportáveis.
Eu sinto muito se é feio da minha parte, mas se fazem comigo o que aqueles dois fizeram com a Heather, você sabe quando é que eu ia perdoá-los? Nunca. Nunquinha. Em-nenhum-momento-nessa-vida-e-além!


Vejam bem, ela é companheira de dois homens lobo. Quando eu li isso, bom, pensei em todos os milhares de homens lobo que já li e onde todos tem uma característica bem peculiar. São possessivos e muito, muito inteligentes.
Esses dois?? São duas antas completas que não conseguiriam entender um quebra-cabeças de  quatro peças, que dirá o sofrimento e toda a dor pelos quais ela passou tentando salvar o sogro.


Gentem! Sério! Eu acho que eu passei todas as  trinta páginas dele xingando como se fossem 300! Os três juntos conseguiram me frustrar além de qualquer livro já lido (e olhem que eu já li todo tipo de enredo envolvendo uma mulher e dois machos alfas).
Meu desejo quando terminei de ler o livro era mandar todos os meus amigos vampiros dar uma boa surra naqueles dois. E algumas fêmeas darem uma aulinha para a Heather de como fazer um par de maridos teimosos sofrerem! rs

O que? Estão achando que estou sendo ruim?
Não estou, viu? Se você catar o livrinho para ler (e é tão pequeno que dá para ler em meia horinha) você vai me entender.
É "frustrantemente" bem criado!
Beijos!

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Banca de Quinta #10 - Nora Roberts - Romance Real

Oie Gente!


Hoje estava tentando pensar no que ia resenhar para o Banca de Quinta #10. É um momento importante e precisava de um livro bem legal para ele.
Só que a minha semana foi um caos. Tudo o que podia dar defeito, problema e errado, deu.
Quem disse que eu consegui ler qualquer coisa que seja? Até o livro da Maratona de Banca, minúsculo e de uma autora que eu adoro, passou a semana fechado.
Então como momentos desesperados pedem medidas desesperadas, peguei um "Conto de Fadas  by Nora Roberts".




Ela escapou… Mas perdeu a memória e seus raptores ainda estão à solta. Agora, a princesa Gabriella de Cordina, precisa de alguém que a proteja e o impetuoso Reeve MacGee é o homem perfeito para o trabalho. Afinal, o belo ex-policial é capaz de lidar com qualquer coisa... Exceto se apaixonar pela mulher linda e vulnerável que deve proteger...



Gabriella de Cordina é uma princesa, foi sequestrada e agora precisa que o belo Reeve a proteja até que consigam descobrir quem tentou sequestrar a princesa e até ela recuperar a memória.


O que eu gosto nessa série é essa cara de conto de fadas moderno. Mas não um conto de fadas moderno disfarçado. A Nora escancarou, criou um principado, com príncipes e princesas maravilhosos. Além disso, temos os plebeus encantadores!
Nesse primeiro ela inverte os papéis e a princesa se salva sozinha, mas o plebeu precisa ajudar a mantê-la viva.
E estão achando que ela caiu no chichê e criou uma mocinha apagada e sem sal? Nãooo! Sendo a Nora, ela criou uma princesa danada de voluntariosa, um tanto quanto turrona, mas doce e encantadora como as princesas devem ser.


E o plebeu? Ex-policial, durão, com pose de "urso pardo" é, no fundo, um ursinho de pelúcia muito fofo. [risos]
Claro, se ele lesse qualquer dessas palavras que eu usei para descrevê-lo teria um ataque!


Apesar de não ser a minha série favorita dela, Romance Real é um ótimo começo para uma série "conto de fadas".
Divertido, encantador e leve!
Recomendo!


E, como todo Banca de Quinta, tem sorteio!



1) Seguir o In_Death;
2) Tweetar a frase a seguir:


"Romance Real" e o @In_Death vão me levar para o Reino de Cordina no #BancaDeQuinta10! http://kingo.to/YmT


A promoção vai até dia primeiro de Fevereiro e o sorteio será realizado pelo sorteie.me!
Beijos e boa sorte!

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Terça Sobrenatural #09 - J.R. Ward - Amante Vingado

Oie Gente!


Bom, acabei de terminar a leitura de Amante Vingado e realmente estou sem saber o que escrever.
O livro é... intenso. Realmente, realmente intenso.
Acho que depois do livro do Zsadist, foi o mais emocionalmente exaustivo.


Rhev me ganhou nesse livro. Sim, ele é um traficante de drogas e um homem violento. Sim, eu não acho que o crime seja a saída para situações ruins. Mas o conjunto da obra que é o Rehvenge tornou impossível não ficar encantada pelo macho Alfa que ele é.


Como acontece quando meu eu "Piriguete Literária" aflora, tenho uma confissão a fazer: adicionei o Rehv ao meu harém. Então, podem tirar o olho que esse macho também é meu.
Já tinha o Vishous com toda aquela capa de "eu sou macho alfa, você é fêmea e vai me obedecer", tem todas aquelas características que tanto que atraem no gênero, mas o Rehv tem algo... diferente. Então, como eu adoro um diferente, adicionei mais esse ao meu grupo de homens exclusivos. Vishous, Roarke, Rehvege, Adam... e mais vários outros. rs


Sabe aquela aura de "menino mau" que deixa qualquer uma arrepiada? Aquele olhar carregado de sensualidade, aquela voz rouca que deixa você arrepiada ou aquele restolho de barba que te deixa encantada?
Pois é, a "presença" do Rehv é mais ou menos assim.
Potente, encantador, sensual e perigoso como o inferno, ele ainda tem um par de poderosas presas que fala com a fêmea dentro de qualquer mulher.


Quando eu percebi a... potência que a Ward tinha dado ao Rehv, fiquei nervosa em como ela criaria a fêmea dele.
Afinal, ela adora criar um contraste extremo: a Virgem e o Viciado, o policial pobre e a aristocrata, a moça de família e o quase sociopata... deu pra entender o padrão?
Aí fiquei me perguntando se ela ia aparecer com uma fêmea toda delicadinha, com medo de tudo e que fosse apenas ser protegida pelo Rehv.
Masss, não! Ela me apareceu com a Ehlena, que, a meu ver, não poderia ter sido mais perfeita para nosso vampirão.


Ela é forte, batalhadora e honesta. Mesmo quando ela toma caminhos errados é tendo boas intenções.
O pai está doente e eles vivem em uma casinha pobre, já que foram enganados por um parente e expulsos da Glymera depois de perderem tudo o que tinham.


Uma coisa que a Ward reforçou nesse livro é que nenhum personagem dela é uma ilha.
Certo, esse livro "é o do Rehv", mas temos tantas cenas importantes envolvendo outros personagens que seja quem for seu personagem favorito, ele vai aparecer aqui e te divertir ou emocionar um pouquinho.


Agora, vamos falar um pouco sobre o produto final entregue pela Universo dos Livros.
Vocês devem saber que as editoras andam pecando no quesito revisão, certo?
Se antes tínhamos apenas que aguentar as suavizações e os cortes nos textos, agora também temos que conviver com frases mal estruturadas, palavras faltando e parágrafos inteiros sem sentido.
Qual foi a minha desagradável surpresa ao ler Amante Vingado?
Lá estavam os malditos erros novamente.
Na dedicatória feita pela autora, ela diz "With immense gratitude to the readers of The Black Dagger Brotherhood and a shout-out to the Cellies!"


Não sei se alguém aqui frequenta o fórum da Ward, mas Cellies são as frequentadoras assíduas do fórum, um termo carinhoso que ela criou para os Irmãos tratarem as fãs.


Bom, a Universo dos livros traduziu como "os Cellies". Sim, no masculino.
Quando eu vi isso, sabe qual foi minha reação?
Fechei o livro e deixei-o semanas parado na prateleira.
Estão querendo saber o motivo?
Se na dedicatória, um termo simples e inocente, que tinha um significado não tão importante na trama, tinha sido traduzido errado, o que diabos eu ainda iria encontrar no restante do livro?
A Lil me lembrou do fato de que cada livro da série foi traduzido por uma pessoa. Isso quer dizer que os termos característicos da série são totalmente desconhecidos ao responsável pela tradução dos mesmos.
Manter um tradutor apenas para uma série é, a meu ver, a posição mais correta a ser adotada pela editora.
Os erros que ele teria cometido no primeiro livro não se repetiriam no seguinte. Teríamos tantos problemas a menos se esse simples fato fosse atinado pelos responsáveis.


Esse não foi o único erro que encontrei no texto.
Na página 288, em uma cena super-romântica, onde Rehv e Ehlena estão começando a se conhecer e se entregar ao que estão sentindo, a cena foi completamente estragada pela Universo.
A frase ficou completamente sem sentido:


"-Obrigado - disse Rehv equanto sentada. - A doggen que temos em nossa mansão faz sempre dessa maneira. Aquece o forno a duzentos e quarenta graus e coloca a carne, por meia hora, em seguida, apaga o fogo e deixa a carne repousa. Não se pode abrir a porta para ver como está. Essa é a regra e de que confiar na receita. Duas horas depois?
- O paraíso."


Perceberam que algumas palavras estão faltando?


Pois é, esqueceram que era a carne que era para ser comida, não as palavras.
Certo, foram somente esses dois erros que eu encontrei, mas até isso para mim é inaceitável.
Se eu for comprar um carro, vou querer a porta riscada ou a pintura lisinha?
Para mim é absolutamente a mesma lógica.
Tenho um amor enorme pelos meus livros, morro de ciúmes deles como se fosse uma parte de mim, mas é um produto pelo qual estou pagando (e pagando caro) e não quero qualquer defeito nele.
Apenas quando as editoras brasileiras aprenderem isso é que vão poder ganhar minha devoção.
Sinceramente, ando pensando em parar de comprar versões de livro em prbr.
Já tenho que aturar editores, donos de editoras ou quem quer que seja o ser responsável pela destruição do trabalho das autoras, agora também vou ter que aturar erros desagradáveis e falta de cuidado com o produto final?
Sinceramente, assim não dá.


Ok, eu tenho sérios problemas com ortografia e gramática.
Tenho uma dificuldade terrível com "s e ss, c, ç" e mais um monte de outras coisas.
Tenha uma estruturação de frase bem diferente do que manda a norma culta e vivo colocando verbos no lugar "errado".
Mas eu não estou vendendo um produto. Não sou uma editora que, antes de tudo, deve presar pelo bom nome de sua empresa e respeitar seus clientes.
Porque, no frigir dos ovos, é isso que nós, leitores, somos.
E é só reclamando [e reclamando muito] que vamos conseguir fazer isso mudar.
Que os palavrões usados pelas autoras voltem a ser usados, que os termos "vulgares" sejam preservados e que nosso dinheiro seja valorizado.
Porque, se eu quisesse ler um texto infantil e suave, teria feito uma assinatura da Turma da Mônica e ainda leria palavrões em símbolos.


Bom, chega de falar, né?
Acho que deu para ter uma ideia do bom e do ruim que você vai encontrar em "Amante Vingado" e espero que mesmo assim você dê uma chance ao Rehv.
Afinal, ele não tem culpa do resultado final. rs


Bjs!


Sinopse: Nas sombras da noite de Caldwell, Nova York, desenvolve-se uma furiosa guerra entre os vampiros e os seus assassinos. Há uma Irmandade secreta, sem igual, formada por seis guerreiros vampiros, defensores de sua raça. Enquanto eles defendem a raça dos redutores, a lealdade de um vampiro especial será posta a prova - e sua perigosa natureza será revelada... Rehvenge sempre manteve distância da Irmandade, pois guarda um letal segredo que poderia fazer dele uma arma na guerra contra os redutores. E enquanto as conspirações dentro e fora da Irmandade ameaçam revelar a verdade sobre o ele, Rehv se aproximará da única luz que clareia seu mundo de escuridão e jogos de poder, Ehlena, uma vampira que nunca conheceu a corrupção e traição... é a única que pode salvá-lo da destruição eterna.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Banca de Quinta #09 – Linda Lael Miller – Do Jeito do Coração

Oie Gente,


Uns dias atrás eu resenhei o primeiro livro da série McKettrick lançado no Brasil, Vidas Paralelas.
Hoje vou falar sobre o "segundo" livro da série, "Do Jeito do Coração".
Começo dizendo que ele não é o segundo livro da série. Segundo o site da autora, ele é o nono livro e entre esse e o livro da Sierra e o da Meg vários dos McKettrick casam, muita coisa acontece, situações mudam e... você fica sem nada entender.
Ainda não entendi o motivo da Harlequin pular os livros dos homens, já que a parte da série que tem os livros contemporâneos tem uma cronologia que deve ser respeitada.
Vou mandar um e-mail para a Harlequin perguntando se eles vão publicar os outros livros, já que ficou uma lacuna enorme na trama.


Como eu disse, quando esse livro começa muita coisa já aconteceu: a Meg não está mais trabalhando nas empresas McKettrick, a Eve está de volta a Triple M, muita gente casou e você fica sem entender nada.
Esse livro não me agradou tanto assim.
Primeiro passei metade do livro tendo certeza de que já havia lido ele e só depois de muitas e muitas páginas percebi que não tinha sido esse que havia lido e sim algo parecido.
Segundo que esse casal Meg/Brad não me agradou tanto assim.
Acho que faltou um pouco mais de "briga" aos dois, que passaram anos separados e quando voltaram a se encontrar... puff, tudo era igual e os sentimentos eram os mesmos.


Fiquei muito mais curiosa com o mistério do fantasma e pelos poderes da Olívia, personagem apresentada nesse livro e irmã do Brad.
Pensei muito no motivo, já que esse livro tem muitas das características que eu gosto em um romance: personagens reais, com problemas reais e batalhas reais tentando criar uma vida juntos.
E só posso dizer que além de não ter ficado encantada pelo casal, o que piorou tudo mesmo foi não entender muitos dos acontecimentos do livro, já que a Harlequin pulou tantos livros.
Ah! E a escolha da Harlequin de sinopse também não agradou muito. Tem absolutamente NADA haver com a trama.
Masss hoje é Banca de Quinta e o que eu gosto não necessariamente é o que você gosta.
Então tem sorteio!



Para participar:


1) Seguir o @In_Death no Twitter;
2) Tweetar a frase a seguir:


"Do Jeito do Coração" é o que vou ganhar no #BancaDeQuinta09 do @In_Death. http://kingo.to/XSs


A promoção vai até dia 25 e o sorteio será realizado via tag ou via link.
Beijos!


Sinopse: Ela só queria ter um filho dele. Mas ele exigia casar com ela! Meg McKettrick desejava ter um bebê. O marido seria opcional. E o homem perfeito para lhe dar um filho seria Brad O'Ballivan, uma paixão antiga e também o novo proprietário do rancho de sua família em Stone Creek. Tudo tinha de ser do jeito que ela queria. Mas Brad, tão teimoso e forte quanto ela, preferia à maneira dele. Primeiro vinha o amor, depois o casamento, os filhos e uma vida inteira pela frente. Nada de uma breve noite de paixão e “tchau”. Para um caubói de rodeio durão como ele, tratava-se de uma batalha de interesses que ele estava determinado a vencer. E seria um doce prazer ganhar o coração selvagem de Meg!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Resenha #226 - Lori Foster - Gabe

Oie Gente!


Se vocês têm acompanhado as resenhas do blog, já devem ter percebido que eu caí nos braços das bancas, né?
É que me deu uma saudade danada dos romances de banca de antigamente, aí fui intercalando uma releitura com um livro novo.
Uma das escolhas para leitura nova foi o meu tão esperado Gabe, terceiro livro da série Os Irmãos de Buckhorn, que a Amante do Meu Marido (a.k.a. Elis Miranda) deu um jeitinho de comprar pra mim [e que eu ainda não paguei, shame on me!], já que ele só vai chegar em Belém daqui a séculos!


Se vocês não leram os outros livros ainda, aqui no blog tem a resenha do Sawyer e do Morgan. Deem uma lidinha lá para saber o que esperar.


Gabe é o mais “boa vida” dos irmãos. Trabalha como "faz tudo" na cidade, tem todas as mulheres aos pés e leva a vida que todo mundo pediu a Deus.
Então imaginem só o quão divertido foi ver o guerreiro cair!
E ainda por cima caindo pela coisinha mais inocente de todos os tempos!


Elizabeth é uma ruiva tímida, acanhada e estudiosa.
É completamente desajustada socialmente e não tem a menor ideia do que seja diversão.
Assombrada por uma tragédia, Lizzie estuda os heróis desconhecidos e foi parar em Buckhorn para entrevistar o Gabe.


Gentem!!!! Eu amei esse livro!
Gostei muito dos outros, mas esse tem uma... magia a mais e um encanto todo especial.
A inocência da Lizzie pode até parecer fantasiosa, mas a Lori a caracterizou tão bem que você consegue acreditar nela.


Agora, imaginem só o resultado da paixão entre o garanhão e a recatada!
Ainda mais quando o garanhão está apaixonado e a recatada convencida de que só tem aquele verão para aprender o que é paixão e para aproveitar o seu amor com o Gabe.
É faísca para todo lado!


Até agora gostei de todos os livros da série.
Cada um tem um estilo e um "tom" particular que faz com que a leitura fique sempre divertida.
Recomendado até mesmo para quem nunca leu e quer começar!
Beijos


Outros livros da série:
Sawyer
Morgan
Gabe
Jordan
Casey


Sinopse: Gabe Kasper, o homem mais famoso do condado de Buckhorn, poderia ter qualquer mulher que desejasse. Mas ele não tinha a menor intenção de se prender a alguém. A liberdade de estar com quem quisesse lhe satisfazia plenamente. Até que uma universitária ruiva apareceu… Elizabeth Parks precisava de Gabe para terminar seu trabalho sobre heroísmo. Mas ele não entendia como o fato de ter preservado algumas vidas o tornava tão especial. E ela estava quase convencida de que Gabe realmente era uma exceção à regra. Porém, quando ele salva sua alma e seu coração com uma atitude heróica e destemida, talvez a tese de Elizabeth possa finalmente ser comprovada…

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Terça Sobrenatural #08 - Nora Roberts - Enfrentando o Fogo

Oie Gente!,


Hoje a resenha é do terceiro livro da Trilogia da Magia, Enfrentando o Fogo.
Já falei aqui sobre a encantadora Nell, bruxinha de "Dançando no Ar". Dá teimosa e leal Ripley, "bruxa destaque" de "Entre o Céu e a Terra". E hoje é a vez da Mia, bruxa altamente explosiva de "Enfrentando o Fogo".


Apesar de não poder escolher o livro que mais gosto nessa trilogia, já que todos três são maravilhosos, "Enfrentando o Fogo" é de longe o mais intenso.
Sabemos que Mia sofre por um antigo amor desde o primeiro livro e agora ela terá que decidir se aceita esse amor ou se fecha o coração para sempre.


Sam Logan fugiu da ilha por medo de tudo o que Mia sentia por ele. Como resultado, Mia acabou fechada para o amor e nossa delegada favorita se afastou dela.
Agora, anos depois, as duas finalmente fazem as pazes e, com a ajuda de todos, precisam enfrentar o mal que deseja destruir a Ilha das Três Irmãs há três séculos.


É difícil falar sobre esse livro, já que qualquer comentário, por menor que seja, estraga a surpresa dos acontecimentos.
Então vou dizer que tudo o que você sente que precisava acontecer nos livros anteriores acontece nele.
Todos aqueles pequenos pontos sem nó que a Nora deixou nos outros livros são fechados agora.
Várias explicações são dadas, sejam científicas "made in Dr. Mac" ou mágicas, made in Três Irmãs Originais.

 Eu adoro essa Trilogia. Desde a primeira vez que eu li fiquei completamente apaixonada pelas três bruxinhas. A Nora conseguiu criar seis personagens tão bem estruturados que você não consegue escolher apenas um deles e dizer "ah, gostei mais desse do que do outro" ou "esse é mais consistente", etc.
Cada um tem uma personalidade própria, tem um carisma particular e uma característica apaixonante.
Tá, tá, confesso que jeito atrapalhado de ser do Dr. Mac dá um Q de encantador nele, mas o estilo sensual do Sam Logan e o macho alfa do Xerife Todd encanta qualquer um!


Nem preciso dizer o quanto recomendo a leitura da trilogia, né? Seja para as Noraholics de plantão ou para as curiosas pelo motivo de tanto vício.


Beijos!


Sinopse: Mia Devlin sabe o que é amar com todo o coração e depois vê o seu amor ir embora. Há muitos anos, ela e Sam Logan compartilharam laços incrivelmente fortes, construídos pelo destino com paixão e magia. Certo dia, porém, ele fugiu da Ilha das Três Irmãs, deixando- a perdida nas lembranças da intimidade que dividiam; a partir de então, determinou que viveria só. Novo proprietário do único hotel do lugar, Sam retorna à Ilha das Três Irmãs com a esperança de reconquistar o afeto de Mia. Porém, fica intrigado quando ela o recebe com fria indiferença, pois percebe que a química entre eles ainda é muito forte e verdadeira. Zangada, magoada e muito confusa, Mia se recusa a admitir que a paixão por Sam ainda arde no seu coração. Mas ela vai acabar precisando dos seus poderes e da ajuda dele para enfrentar o maior e mais terrível desafio da sua vida. E, como o prazo fatal para quebrar uma maldição de vários séculos já está se aproximando, eles precisam dar o primeiro passo em direção ao destino e se unir para afastar a terrível escuridão. 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Resenha #224 - Lori Foster - Morgan

Oie Gente!


"Morgan" é o segundo livro da série Irmãos de Buckhorn e dá continuidade a série de banca mais potente da atualidade.
Dessa vez o motivo dos suspiros apaixonados é o Xerife Morgan, um dos bad boys de Buckhorn.
Morgan está decidido a ter uma esposa e sabe exatamente como quer que ela seja: inocente, recada, quieta. [chata]
Mas todos os seus planos vão por água baixo quando conhece Misty, a sexy irmã da Honey.


Para quem não leu o primeiro livro, Sawyer, é preciso ter em mente que o Morgan é o Xerife Gostosão mais carrancudo de todos os tempos.
Ele parece se divertir em fazer caretas para os outros e "propagar" sua fama de mau.
Aí quando ele conhece a Misty, com aquele jeito sexy de ser, ele soma dois e dois e dá quarenta. [risos]
O homem encafifa que ela está dando mole e flertando com todos os homens da cidade, quando na verdade tudo o que ela quer é ser bem recebida e ter um lugar para ficar.
Aí, claro, sendo ele um homem encafifado, tudo o que ele entende está errado e nada do que ele faz é o correto. [típico]


Ele ainda não sabe, mas ela está em uma situação muito ruim e foi para a casa da irmã em busca de um refúgio e um pouco de apoio.
O que a Misty não tinha ideia é de que ia encontrar o cabeça-dura que combina direitinho com o temperamento encrenqueiro dela!


Eles são o casal mais encrenqueiro desde... sempre!
Bem diferente do primeiro livro, que tinha um toque mais sentimental e emotivo, esse apela para o lado mais sexy do romance e tem um toque mais... cru.
A potência do nosso Xerife gostosão deixa qualquer uma de cabelo em pé! E a Misty, que não deixa ele levar a melhor, é o par perfeito para aquele homão teimoso!


Fazendo as contas: um homem teimoso + uma mulher orgulhosa = confusão.
Traduzindo: risadas e diversão para quem ler!
Recomendo!


Sinopse: Morgan Hudson, o xerife de Buckhorn mais temido de todos os tempos, exigia espeito. Então, como uma mulherzinha da cidade grande conseguira virar sua cabeça era um verdadeiro mistério, e também uma infração bastante grave. Porém, Misty Malone realmente havia conseguido essa proeza, e Morgan não via a hora de ela voltar o mais rápido possível para o lugar de onde viera. Até que ele descobriu o verdadeiro motivo de ela ter aparecido em Buckhorn. Misty tinha esperança de encontrar um refúgio ao lado de sua irmã, que acabara de casar com um homem cuja família era repleta de irmãos com o gosto do pecado… e Morgan era um deles! Misty Malone tinha pensado procurar refúgio junto a sua irmã, que acabava de casar-se com um dos atrativos irmãos de Morgan. Todos os irmãos a tratavam como uma rainha... todos menos um. Morgan a considerava uma espécie de mulher fatal disposta a seduzir a todos os homens. Mas isso era o último no que Misty pensaria nesse momento. Para ela, em primeiro era o bebê que esperava sem que ninguém soubesse...

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Resenha #223 - Harlan Coben - Cilada

Oie Gente!!!


Eu sei que hoje é sexta-feira 13, mas eu não tive coragem de pegar um livro de terror para ler.
Sou medrosa, não tenho vergonha de admitir, e livros de terror me dão medinho e nos nervos.
Então peguei o mais próximo que eu chego disso, que é um bom livro de suspense.


"Cilada", lançado pela Editora Arqueiro [272 páginas], é um suspense bem diferente.




"Cilada fala de culpa, luto e perdão em uma trama repleta de reviravoltas surpreendentes. Nada é o que parece e tudo pode ser desfeito até a última página."



Wendy Tynes é a apresentadora de um programa sensacionalista especializado em armar ciladas para pedófilos. Ela armou tudo para pegar Dan Mercer em flagrante e, quando o programa vai ao ar, a vida de todos é modificada radicalmente.


Quando eu comecei a ler o livro o achei meio óbvio.
Em poucas páginas eu tinha a mais completa e absoluta certeza de que já sabia tudo o que ia acontecer, quem era o culpado, quem tinha matado quem e o que tinha de fato acontecido com todos os personagens.
Acho que todo mundo que leu vai ter essa mesma certeza no mesmo momento que eu. Você chega lá na cena, lê e diz: "Ah! Já sei como isso aconteceu! Foi fulano!"
É praticamente uma partida de detetive. Você só falta dizer que foi o "O Coronel Mostarda na Biblioteca com o Castiçal".


E é aí que Harlan Coben me passou a perna.
Umas poucas páginas depois eu "caí do cavalo". Todas as minhas certezas absolutas foram viradas de cabeça para baixo e eu passei a ter certeza de outras hipóteses.
Ele conseguiu dar tanta veracidade para as novas explicações que eu não tinha mais como duvidar que as coisas aconteceram exatamente como eu pensava.
Umas páginas depois? Aparece outra personagem, ela dá uma nova explicação para tudo que aconteceu e lá vai você de novo acreditar piamente em uma nova hipótese.


Deu para entender o motivo de eu dizer que ele é um suspense diferente?
Se normalmente o autor não dá qualquer pontinha para você decifrar o livro, dessa vez o autor dá várias e faz você enlouquecer de curiosidade para saber o que é verdade e o que não é!


E aí, quando cheguei à última página, já achando que sabia tudo e que mais nada podia me surpreender... bum! Ele revela mais uma coisa e tudo muda completamente de figura!
Adorei isso! Fazia um tempinho que não era pega de surpresa assim!
Deu um prazer a mais na leitura e me deixou rindo sozinha ao final.


É um livro pequeno, eu li ele ontem de tarde e você não tem aquelas pausas tediosas intermináveis que as vezes acontecem.
Todo momento acontece algo e deixa você se perguntando se qualquer coisa que leu é a verdade.
Recomendo!


Beijos!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Banca de Quinta #08 - Nora Roberts - Fruto do Pecado

Oie Gente!!!


O Banca de Quinta de hoje traz um dos exemplares da coleção Primeiros Sucessos da Harlequin Brasil.
Eu e esta coleção estamos tendo um caso de amor e ódio desde o primeiro livro.
Agora você está se perguntando o motivo disso, certo? Logo eu, Noraholic de carteirinha [e camiseta], reclamando da oportunidade de ter os primeiros livros da Nora (e de outras autoras que faço coleção), sem ter que me matar procurando nos sebos ou perturbar as amigas fofas de outros Estados?
A explicação é simples: todos os livros dessa coleção já lidos pela minha doce [e cri-cri] pessoa estavam com algum problema.


Dessa vez não foi a revisão revoltante [apesar de ter encontrado alguns erros absurdos, como uma cena com um homem onde aparece um "ela" no meio]. Dessa vez o problema é a... capa!
Viram que capa linda?
A mocinha loirinha e delicada apoiada no mocinho... os cavalos lindos ao fundo...
Só esqueceram-se de dois pequenos detalhes, minha gente...
A Jillian é ruiva e não tem nada de delicada!


GENTEM! Aloooouuu????
O Aaron passa boa parte do livro comentando sobre a personalidade explosiva da Jillian, que combina com seus cabelos cor de fogo, com sua teimosia e sua força.
Aí a Harlequin me vem com uma loira delicada na capa!
Oi? O loiro é o novo ruivo?
Tá, tá, você aí lendo isso já deve estar sacodindo a cabeça e dizendo "mas que mala, reclamando da capa?".
Reclamo mesmo.
Porque foi com esses pequenos erros que esses absurdos relacionados a capas de livros começaram.
Agora tem até editora transformando capa de livro erótico em ilustração de livro jurídico! [pausa para o choro compulsivo da blogueira, apavorada com o que vai restar do texto].


Mas chega de falar da maledeta da capa e vamos falar do conteúdo.




Desde que as linhagens Baron e Murdock declararam guerra, nada fora capaz de promover a paz entre elas. Até que Jillian Baron e Aaron Murdock encontraram um inimigo em comum que os obrigou a unirem forças, deixando de lado antigas rixas. Mas outra batalha surgiu no coração de ambos quando a proximidade forçada fez nascer um sentimento maior… Estariam Jillian e Aaron dispostos a cruzarem a fronteira que separava suas famílias em nome do amor?



Eu adoro livros que se passam no campo.
Tem um rancho, uma fazenda, uma pastagem minúscula e eu tô lendo empolgada.
Caubóis gostosões me deixam suspirando de vontade de domá-los e a culpa disso é toda da Leah Brook. Mas isso é outra história...


Em "Fruto do Pecado" temos um exemplo perfeito dos romances iniciais da Nora.
Jillian é uma mulher teimosa, corajosa e forte. É uma rancheira que tenta se estabelecer como chefe depois da morte do avô.
Tem o desejo de transformar Utopia em um império e desbancar os eternos rivais, Murdock, das premiações.
Aaron é um homem potente, que ficou cinco anos fora do rancho que tanto ama. O motivo desse afastamento é alvo de muita especulação e alguns chegam a dizer que ele estava apenas esperando o pai morrer para voltar.
Quando esses dois se encontram só pode acabar em confusão. E sexo. [risos]


Como eu disse é um dos livros no estilo antigo da Nora.
As emoções que ela tão belamente consegue passar para o papel já começam a aparecer nesse, você já consegue "entrar" na estória e quase consegue ver esses dois brigando.
Acho que é um daqueles livros dela "fim de tarde". Tem uma beleza toda especial, mas nada que vá deixar você enlouquecido como um livro "sol do meio-dia". [risos]


Eu gostei dele, mas não entrou exatamente para os dez mais dela.
O que eu estou achando mais legal nessa coleção é a oportunidade de ver o trabalho das autoras melhorando.
Você consegue perceber onde elas são melhores agora [a caracterização dos personagens da Nora, hoje em dia, é infinitamente melhor] e percebe que nem mesmo as figurinhas repetidas da "lista de mais vendidos do NYT" já começaram perfeitas.
Para quem é curioso ou gosta de um romance mais suave, definitivamente recomendo!


E, como sempre, tem sorteio hoje!



 Para participar basta seguir o @In_Death e twitar frase a seguir:


[important]O "Fruto do Pecado" do #BancaDeQuinta08 é o presente do @In_Death pra mim! http://kingo.to/XrQ[/important]


Beijos e boa sorte!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Resenha #221 - Karyn Bosnak - Qual Seu Número?

Oie Gente!


Como alguns de vocês sabem, eu não sou muito fã de chick-lit.
O texto de muitos deles é ótimo [já li resenhas empolgantes falando sobre isso], mas a ideia central da maioria dos livros [ao menos os que já li] é de uma mulher de trinta anos, frustrada, deprimida, gordinha e revoltada por que... não tem um homem.
E esse pequeno detalhe, sempre presente, é que tem me causado essa enorme frustração com o gênero.
É como meu relacionamento com as comédias românticas: todo mundo adora e acha divertido e eu só consigo achar um tédio.


Então quando eu recebi "Qual Seu Número?", da Novo Conceito, precisei fazer certo esforço para desligar o meu preconceito e tentar dar uma chance ao livro.


Li algumas resenhas, já querendo me preparar para o que iria encontrar, troquei comentários com as amigas para pescar alguns spoiler. Fiz de tudo o que podia para me preparar para a leitura.
Abri meu livro e... me deparei com uma mulher de trinta anos frustrada porque não tem um homem.
GENTEM!!!!! Eu queria gritar!!!


Certo, o texto é realmente divertido.
A Delilah consegue se meter em várias situações bizarras e ridículas querendo encontrar o "ex ideal", e a autora mantém um ritmo bem legal no texto.
Para quem gosta de uma coisa mais "comédia romântica" e quer só se divertir com um livro é uma boa pedida.
Pelo que pude ver pelas resenhas dos fãs de chick-lit também tem vários elementos divertidos e característicos do estilo.
Mas para mim, que gosto de me envolver profundamente com meus personagens [note a possessividade da blogueira] e que tenho vontade de esganar amigas-que-só-falam-em-casamento, sofri todas as 414 páginas da leitura.


Beijos!


SinopseDelilah Darling tem quase 30 anos e já se relacionou com 19 rapazes. Sua vida sentimental não tem sido exatamente brilhante, pois todo cara que conhece parece fugir do relacionamento. Quando lê uma matéria no jornal em que a média de homens para uma mulher de 30 anos é de 10,5, fica desesperada e assustada por estar muito acima dela. Além de tudo, o artigo no jornal terminava falando que, se a mulher tivesse o número acima dessa média, seria impossível a pessoa certa. Na tentativa de não aumentar seu número e perder de vez a chance de se casar, Delilah sai à procura de seus antigos namorados e tenta reconquistá-los. Será que um deles estará disposto a esquecer o passado e começar uma linda história de amor? Qual Seu Número? revela os segredos de cada mulher e prova que, quando se trata de assuntos do coração, números são apenas uma fração de tempo.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Terça Sobrenatural #07 - Nora Roberts - Entre o Céu e a Terra

Oie Gente!


Semana passada eu falei aqui do primeiro livro da trilogia da Magia e hoje vou falar do segundo.


"Entre o Céu e a Terra" é mais centrado na controversa Ripley.
Ela é uma das três irmãs e nega seus poderes com tudo o que pode.

Se você já leu outras resenhas sobre livros da Nora Roberts ou listas de personagens favoritos, deve ter ouvido falar no Dr. Mac Brooke.
E é nesse livro que esse espécime especial de "mocinho" aparece.


"Durante quase vinte anos, MacAllister Booke estudara, registrara e testemunhara o inacreditável e o impossível. Já entrevistara bruxas, fantasmas, lobisomens e pessoas abduzidas por alienígenas. Também estivera com médiuns famosos. Noventa e oito por cento de tudo o que vira em suas pesquisas era falso, ilusório ou fraudulento. Os outros dois por cento que restavam, no entanto... Bem, esses eram os casos que o faziam seguir em frente."




Deu para ver que ele não é muito comum. E é a coisinha mais docemente atrapalhada que eu já vi!
Chaves esquecidas na ignição, bilhetes perdidos dentro de casacos, óculos que desaparecem e esbarrões. Muitos e muitos esbarrões!
O homem praticamente precisa de um guardião! Deus sabe quantas vezes todo mundo do livro acha que ele vai morrer, porque não consegue nem perceber que está congelando de frio enquanto trabalha.
Ele é tão fofinho quando se atrapalha todo! E deve ter a cabeça mais dura de todos os tempos, porque vive batendo ela por aí! [risos]


A Ripley é a mais cabeça dura das três.
Ela é desconfiada como um gato e leal como um cão. Ela briga, implica, aporrinha a vida de todos... desde que estejam todos bem. Apareceu um perigo e a mamãe galinha corre para por os pintinhos sob as asas dela e garantir que todos fiquem bem.
Uma contradição completa. Nem mesmo uma policial clássica ela é, já que arma cada uma para conseguir resolver os problemas!!


E é essa mistura de fantasia e ciência tão maravilhosa, que nem o mau humor crônico da Ripley consegue estragar, que torna esse livro tão especial.
Claro que nada naquela ilha é completamente calmo. O mal que assombra as irmãs está de volta e dessa vez com ainda mais força, garantindo cenas de "batalhas mágicas", maravilhosas.


É por isso [e muito mais] que eu continuo não conseguindo escolher qual dos três livros eu mais gosto.
Posso até implicar um pouco com a Ripley [ela é muito turrona, Deus do céu!], mas com o Mac junto fica absolutamente impossível resistir!
Recomendo!


Sinopse: Ripley Todd só quer levar uma vida tranquila e sossegada. Seu trabalho a mantém feliz, ocupada e não encontra dificuldades em encontrar homens quando quer - o que nem sempre ocorre. Ela é uma pessoa quase normal: ´Quase´ porque tem poderes especiais incontroláveis que assustam-na e deixam-na confusa. Ela tenta escondê-los mas não consegue. Porém a loucura, logo aporta na ilha em sua perfeita forma - MacAllister Brooke - Um investigador que veio para averiguar os boatos de bruxaria que assustam a Ilha Three Sisters. Desde o início, ele sabe que há algo de extraordinário ocorrendo com Ripley Todd. Não se trata somente daqueles flamejantes olhos verdes e seu sorriso chamejante. Tem algo mais. Algo que ele pode descobrir, mas que ela jamais admitirá. Fascinado pela sua luta com suas habilidades mirabolantes, ele encontra a coragem para abrir seu coração e tenta persuadi-la de quem ela realmente é. 

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Resenha #219 - Linda Lael Miller - Vidas Paralelas

Oie Gente!


Uns meses atrás estava louca procurando o livro do Morgan, da Lori Foster, para continuar o deleite com os Irmãos Buckhorn. Quando eu finalmente achei para comprar, veio junto o livro "Vidas Paralelas", de uma autora que eu não conhecia.
Coloquei o bendito livro na prateleira e esqueci-me dele completamente.
Umas semanas depois a Lil pediu para eu procurar uns livros no sebo e me passou o nome da autora Linda Lael Miller. Na ocasião não achei nada novo, mas acabei anotando o nome da autora no celular para futuras aquisições.
E na Saraiva [ah, Saraiva, perdição da minha vida] tinha outro livro dela, que acabei comprando sem nem mesmo ler o título.
Aí, sendo eu, eu, comecei a ler pelo que comprei na Saraiva... que é o último livro de uma série. ¬¬" [Gente, sério, já está ficando demais essa tendência de começar séries pelos livros finais!]


Quando percebi isso fui tentar descobrir mais sobre ela.
São quatorze livros que contam a estória da Família McKettrick desde o ano de 1884 até os dias atuais.
Infelizmente a Harlequin pulou muitos dos livros, então você vai ficar como eu durante as páginas iniciais: perdida.
Claro, a autora dá uma boa explicação sobre a família, mas seria tão mais legal se pudéssemos ter lido os quatro livros iniciais!
Eu adoro livros de famílias assim.
Normalmente não são grande fã de romances históricos, mas quando eles são bem escritos, têm uma boa pesquisa e contam a história de uma família, geração após geração, não resisto.
Mas divago...


Sierra McKettrick e seu filho, Liam, vão para o Triple M para o menino poder tratar a asma. Lá, conhecem Travis Reid, um homem maravilhoso, mas completamente assombrado pela morte do irmão.


Eu confesso, eu queria pegar o Travis no colo e consolar o fofuxo! Ele é tão encantador!
E a Sierra, tadinha! Que vidinha de cão que a mulher teve!
Vejam bem, os McKettrick são ricos. MUITO. RICOS.
Mas a Sierra foi sequestrada pelo pai quando tinha dois anos de idade e teve uma vida de cão.
A mãe, desesperada, procurou por ela por anos, mas não teve sucesso em levar a filha de volta.
Então a menina viveu sem a mãe, com um pai que gostava mesmo era de se dar bem.
Ficou grávida de outro canalha e, ao menos no meio de toda essa falta de sorte, ganhou um presente maravilhoso: Liam.


Vocês sabem que eu adoro crianças em livros. Não me importa se elas são umas pestinhas, tímidas, sonhadoras ou gênios. No caso do Liam temos um pequeno superdotado, asmático e projeto de caubói.
Tão fofinho!


Quando Sierra e Liam chegam até o Triple M acabam descobrindo que não estão exatamente sozinhos lá.
Hannah McKettrick perdeu o marido durante a guerra e agora vive com o cunhado e o filho, Tobias, no Triple M.
Ela está presa entre o amor e a honra, já que está apaixonada pelo cunhado e teme o que ele poderá pensar dela quando descobrir.
Em um arroubo de paixão, Doss [que sempre foi apaixonado por ela] possui a cunhada e acha que finalmente poderá ter tudo o que deseja. Mas uma confusão [claro que tinha que ter uma confusão, ele é um homem *cof cof*] acaba afastando os dois, ao invés de uni-los.


Gostei muito do jeito que ela criou a parte sobrenatural, misturando o espaço/tempo e fazendo tudo parecer real.
Deu um toque ainda mais mágico aos dois romances e faz você ficar torcendo para que os personagens não repitam os mesmos erros.
É uma ótima pedida para quem quer o melhor de dois mundos.
Até!


Sobre a série:


A Lawman's Christmas 2011
McKettricks of Texas: Austin 2010
McKettricks of Texas: Garrett 2010
McKettricks of Texas: Tate 2010
A McKettrick Christmas 2008
The McKettrick Way 2007 - Do Jeito do Coração
McKettrick's Heart 2007
McKettrick's Pride 2007
McKettrick's Luck 2007
Sierra's Homecoming 2006 - Vidas Paralelas
McKettrick's Choice 2006
Secondhand Bride 2004
Shotgun Bride 2003
High Country Bride 200


Sinopse: Ao se mudar para o rancho de sua família, Sierra McKettrick não esperava se sentir tão atraída por Travis Reid, o responsável pela administração do local. Mas ela ficou ainda mais perturbada quando seu filho afirmou ter visto um garoto misterioso andando pela casa, ao mesmo tempo em que um bule de chá antigo começou a aparecer em lugares inesperados... Quando Sierra descobriu que, em 1919, a viúva Hannah McKettrick, sua ancestral, esteve na mesma situação em que ela se encontrava, começou a se dar conta de que a atração entre ela e Travis talvez fosse a menor de suas preocupações… Morando no mesmo rancho com o filho e Doss, seu cunhado, os sentimentos confusos de Hannah em relação a Doss e os problemas de saúde do menino ocupavam todos os seus pensamentos... Poderiam Sierra e sua ancestral estar vivendo vidas paralelas?

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Banca de Quinta #07 - Lynne Graham - Em Nome do Desejo

Oie Gente!


Estou aqui na frente do computador tem mais de meia hora e simplesmente não conseguia acertar o início da resenha.
Não sabia se começava contando que, mais uma vez, comecei uma série pelo segundo livro [seria a Síndrome da Beta atacando outra vez?], se começava pela declaração de amor eterno [até conhecer o próximo] ao russo-tudo-de-bom-e-mandão do Sergei Antonovish ou pela minha revolta com problemas de revisão em geral.


A primeira opção tornaria a resenha engraçadinha e deixaria todo mundo em um clima divertido e festeiro, ideal para o início do ano.
A segunda opção me colocaria no topo da lista de Blogueiras Piriguetes, já que poucos dias atrás estava declarando meu amor eterno ao Mikhail Stanislaski [que apesar de não ser Russo e sim Ucraniano, é "das redondezas"] e agora já estou cheia de sorrisos para outro Europeu gostosão.
A terceira opção deixaria bem clara a minha atual revolta com a falta de cuidado de muitas editoras com a revisão dos livros.


E, bom, como eu realmente estou irritadíssima, vou começar com a terceira.
Veja bem: quando eu vou até uma loja para comprar um computador, eu faço questão que o produto esteja em perfeitas condições, completo, com todas as funções que constavam na propaganda.
Quando eu compro um livro eu espero dele a mesma coisa: que a estória esteja completa, que o trabalho de tradução tenha sido bem feito e que o texto tenha sido revisado. E ultimamente isso não vem acontecendo.
Livros com erros de português absurdos, falhas de revisão inaceitáveis e alterações no texto original que fariam os Monges Copistas chorarem no paraíso.


E vocês estão se perguntando porque estou dizendo isso em uma resenha...bem, gente, é que mais uma vez achei erros de revisão em uma romance. Dessa vez da Harlequin, que ainda não havia caído na minha malha fina.
Sério, pessoal... qual é o problema, hein? Ando considerando seriamente a possibilidade de montar uma equipe de revisoras voluntárias, já que parece que falta "verba" para as editoras e elas estão esquecendo-se dessa classe profissional altamente necessária para o bom andamento do vício.


Eu já escrevo errado "por mim mesma", não preciso da ajuda das editoras para agravar ainda mais a minha dificuldade com a gramática. E eu tenho déficit de atenção, o que quer dizer que para eu reparar em um erro de revisão ele precisa realmente ser absurdo.


Mas apesar de ter tido uma séria irritação com esses problema na revisão, o prazer da leitura não acabou. Aquele russo dominador e arrogante, que me deixou de cabelo em pé e com os nervos a flor da pele [e, por Deus, desejando jogar ele porta fora no meio do inverno em Moscou vestindo só uma folha de parreira] com o tanto que ele era turrão e pelo quanto dentava não ser sentimental.


Sergei Antonovish é um bilionário do petróleo, que teve uma infância difícil e que deseja, com todo o seu ser, fazer a avó, Yelena, feliz. Até mesmo casar outra vez, coisa que ele jurou não fazer nunca, ele casou!
Tá certo que ele quaseee casou com uma megera digna de Magdelana Percell, mas, sendo ela uma megera, deu um jeitinho de "escapar" do casamento e jogar a irmã, Alissa, na "fogueira".


Eu não sabia se eu ria ou se eu chorava durante boa parte da estória. Sergei é um cabeça-dura de marca maior e a Alissa é uma inocente [bocó] de carteirinha. Sério. Ela consegue ser enrolada pela irmã tantas vezes que eu desejava entrar na estória e dar aquela sacolejada nela até ela acordar!


Não, o livro não é só irritação. Eu morri de rir em vários momentos e depois que o Sergei deixou de ser tão "mula empacada" e passou a ser aquele marido apaixonado e devotado que nós tanto amamos. [risos]


Tá, eu admito: eu queria matar ele nos momentos em que ele deixava o lado "eu sei de tudo e não aceito explicações" em funcionamento total! Nossa, vai ser mula empacada assim na... Rússia!
Mas, ai meu coração inconstante, vai ser lindo assim só lá!
Ah, favor ignorem o mocinho da capa. Ele não faz jus ao Sergei original!
E tenho dito!



Agora, vamos manter a tradição e vamos ao tweet para o sorteio!


"Em Nome do Desejo" o #bancadequinta07 do @In_Death vai ser meu! http://kingo.to/WWB #LynneGraham


O sorteio será realizado entre as pessoas que twitarem a frase completa e o resultado postado aqui no blog no dia 12!
Beijos e boa sorte!

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Terça Sobrenatural #06 - Nora Roberts - Dançando no Ar

Oie Gente!

O Terça Sobrenatural de hoje está assombrado por... bruxas!
Mas dessa vez é uma bruxa muiiiito fofa!

Trilogia da Magia é uma das trilogias da Nora que eu mais gosto. Primeiro porque, como o próprio nome diz, tem magia. Segundo porque ela conseguiu juntar em três livros a melhor coleção de personagens que eu já vi.

 

Este livro aborda a vida, o amor, e as alegrias de Nell, Ripley e Mia - três moças enredadas em lendas, romances, e magia na costa de Massachussets (EUA). Após um casamento contubardo, Nell Channing decide ir embora para a Ilha das Três Irmãs a fim de organizar sua vida. Aos poucos Nell começa a achar que finalmente encontrou um lugar onde pudesse recomeçar uma nova vida. Mas, seu marido que ora não havia permitido que ela partisse, decide buscá-la de volta mas se depara com uma nova mulher sob nova identidade e protegida pelas Três Irmãs (figuras mitológicas). Trata-se de uma heroína magnética envolvida numa estória de magia hipnotizante juntamente com outros personagens encantadores.




Tem de tudo nela: uma personagem inocente e cativante, uma intrépida e leal e uma insinuante e encantadora.
E, do lado masculino, temos o policial protetor, o nerd desajustado e o empresário perigosamente sensual.
É absolutamente impossível ler a trilogia sem acabar encantada!


Em "Dançado no Ar", temos a inocente cativante e o policial protetor.
Nell Channing está fugindo de um marido abusador e acaba indo parar na mágica ilha das Três Irmãs. Ela ainda não sabe, mas sua vida vai mudar completamente desse momento em diante.
Apesar do medo, vai enfrentar seu passado e abraçar toda a magia que guarda dentro de si.


Zack Todd é... *pausa para suspiros profundos* Zack é um daqueles personagens masculinos que faz você se contorcer de paixão, suspirar de amor e desejar entrar nas páginas no livro, tomá-los nos braços e torná-lo seu!
Cheio de charme, consegue conquistar a precavida Nell com um carinho tão suave que deixa você aos suspiros.
Combina perfeitamente com o clima mágico da série.


Claro que, sendo um livro de magia, ele não é apenas doçura. O vilão da estória, ex-marido da Nell, tem tudo aquilo que mais odiamos nos vilões. É rico, lindo e bem educado, mas só na aparência. Maltratou ela nos três anos de casamento, fazendo a vida dela se transformar em um conta de terror.


Muitas das cenas do livro vão fazer você chorar. Os dramas contados pela Nell foram tão bem escritos que a realidade por traz da ficção fica palpável.
E, sendo um romance, as cenas do desenvolvimento do romance dos dois personagens centrais são encantadoras. São tão emotivas e emocionais que me fizeram suspirar em todas as milhares de vezes que as li.


Com uma qualidade de tradução e revisões maravilhosas, Dançando no Ar inicia a  trilogia de maneira brilhante, envolvente e apaixonante!


Recomendo!