terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Terça Sobrenatural #14 - Elizabeth Chandler - Revelações

Oie Gente!

Se vocês já leram as outras resenhas da série Beijada Por Um Anjo, sabem que a autora transformou a trilogia em uma série de livros.
Já resenhei aqui os quatro primeiros e hoje estou resenhando o quinto, que conta os acontecimentos logo após a chegada da polícia na casa da Ivy e a fuga do Luke.


Bom, eu confesso que eu gosto muito do estilo da Elizabeth. Mesmo sabendo que os adolescentes do livro farão burradas (afinal, até os anjos dessa série são adolescentes e não têm quaisquer experiências anteriores) e que eu ficarei frustrada com isso, a leitura deles sempre me agrada.
O texto é fácil e divertido, fazendo a leitura fluir sem dificuldades.
Comecei a ler hoje pela manhã (santificada seja a chuva, que me deu um dia de folga no trabalho) e antes do fim do expediente já estava quase acabando.

Está sendo um pouco difícil resenhar sem contar detalhes da estória, já que são tantos acontecimentos importantes e interligados que qualquer spoiler que eu contar vai estragar os mistérios do livro.
O que eu posso dizer é que se você achava que a autora não poderia complicar ainda mais a vida da Ivy, sinto muito, mas você estava enganado.



Gentem! Deu peninha da pobre, viu?
Tá certo que ela toma algumas atitudes erradas, mas no caso dela me pareceu mais uma vontade proteger os amigos do que por se achar certa.


Claro, como todo bom adolescente, Ivy, Will, Beth e Luke decidem que vão resolver tudo sozinhos e só fazem se meter em mais encrencas.
Meu lado mau tem que confessar que me diverti, muito, vendo o tanto de encrenca que eles conseguiam se enfiar.
Claro, sendo um livro da série Beijada, nem só de risos é feita a estória.
Têm tentativas de assassinatos, personagens sendo perseguidos, afogamentos e todo o tipo de desgraça que normalmente você espera achar em um suspense adulto.
Acho que esse é o motivo da série me agradar tanto: ela consegue ser juvenil sem ser bobinha e as decisões que os personagens precisam tomar são mais condizentes com a realidade, mesmo sendo uma realidade alternativa e sobrenatural.


Eu tenho que dizer que eu saquei o final do livro ainda na metade. Mas mesmo assim eu me diverti bastante com a leitura e foi bem legal "ver" tudo acontecer.
Leve, divertido e empolgante, vai garantir diversão pra valer.


Ah, não coloquei a sinopse porque ela está cheia de spoiler, mas se você quiser ler é só clicar aqui.



Recomendo!

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Resenha #240 - J.D. Robb - Celebrity In Death

Oie Gente!




[caption id="attachment_2325" align="alignright" width="130" caption="Capa da versão Britânica"][/caption]

Essa semana a J.D. lançou mais um livro da série mortal, Celebrity In Death.


Pelas contas de livros considerados "da série", é o 34º. Por todos os livros com os personagens da série mortal, é o 43º livro.


Se em "NYTD" J.D. me fez chorar até dizer chega com toda aquela carga emocional, em "Celebrity in Death" ela me fez rir e suspirar com o clima leve (se você não contar os assassinatos) dele.


Para quem acompanha a série em inglês, esse livro começa com as gravações para o filme "The Icove Agenda", baseado no livro escrito pela Nadine, que foi inspirado no caso Icove, do livro "Origin In Death".


E, imaginem só como a Eve fica estando no meio das gravações de um filme baseado... nela!


É muito riso, gente! Ela fica mais desconcertada do que quando alguém tenta dar um presente para ela!
Tem também a Peabody, se divertindo horrores com as gravações (ela vai até fazer participação especial no filme) e deixando a Eve louca por conta disso.


Mas nem só de riso está composto "Celebrity". A Nora também nos dá uma pilha de momentos "oin que lindos S2". Tem o McNab fazendo um pedido todo especial, tem o Roarke todo romântico com um presente especial para a "policial dele", tem a Eve toda preocupada com o Roarke e tem a Mira (e o marido fofo dela) em um daqueles "momentos mamãe" de ser.


Claro que a Nora não abandona os acontecimentos de "NYTD". O Roarke e a Eve conversam sobre o assunto, ela ainda está tendo pesadelos e a Mira tenta ajuda-la a entender tudo um pouco melhor.


Fiquei com um pouco de medo quando comecei a ler (apesar de ter ficado ansiosa durante semanas, contando os segundos até o lançamento), já que os acontecimentos de "NYTD" não foram fáceis. Fiquei, confesso, com medo de sofrer. Afinal, quando você se envolve com o livro, cria um carinho especial pelos personagens ou até os odeia profundamente, você acaba sentindo "na pele" tudo o que eles passam no livro.


Mas sendo a Nora o que ela é, ela resolveu pegar todo mundo de surpresa (ou nem tanto, já que no release enviado por e-mail ela avisa que deu para os leitores [e para ela] uma folguinha no drama) e fazer um livre "leve" e divertido.


Está querendo saber por que escrevi leve entre aspas, certo? É que um livro que tem um assassinato logo nas primeiras páginas, bem... não pode ser assim tão leve, né? [risos]


Eu o adorei por todos esses motivos. Gostei do humor, do romance e até das picuinhas entre a Eve e o Summerset.


Foram 400 páginas que passaram voando e que, como sempre, me divertiram de montão!


Recomendo!

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Banca de Quinta #14 - Nora Roberts - Noites de Tentação

Oie Gente,


Hoje finalmente vim fechar a série Cordina.


Quando eu sento para resenhar normalmente sigo uma rotina: procuro o livro no Skoob para pegar a capa, monto a imagem de ilustração do sorteio, procuro a sinopse oficinal e dou uma folheada no livro para lembrar de algum fato que tenha esquecido do texto.


Peguei "Noites de Tentação" e fui fazendo a mesma coisa. Li a primeira página, a segunda... na terceira eu já tinha uma absoluta certeza: eu ainda não tinha lido esse livro!


P.A.R.A.T.U.D.O.! Como assim que não tinha lido o livro? Ele estava lá, marcado como lido no Skoob!


Aí continuei lendo, quinta, sexta, sétima página e... finalmente uma cena conhecida! Mas pera aí, como é que eu podia conhecer uma cena e não conhecer outras?? Algo de errado tinha nesse bolo.


Depois de muito e muito ler, percebi o que é que eu estava achando de tão estranho.


A única vez que eu li esse livro foi na primeira edição, lançada séculos atrás pela "Nova Cultural", duzentos milhões de anos atrás. E, como a nossa querida *cof cof* Nova Cultura é conhecida, ela é a rainha dos cortes.


"Mas", eu me perguntava, "porque é que eu não me lembro de nada?" Desisti e fui ler o livro inteiro de novo.
Muitas cenas eram familiares e muitas me pareciam estranhas. Então, o jeito foi fazer o esforço *cof cof* de ler o livro oura vez.


Vai o resumo:




Por poucas semanas, sua alteza real Camilla de Cordina pode ser simplesmente Camilla MacGee, e trabalhar para Delaney Caine nas florestas de Vermont lhe parece perfeito. Ele jamais precisou de ninguém, e aceita sua presença a contragosto. Mas, quando tal beldade se insinua em sua vida sempre tão autossuficiente, Del descobre que ela preenche um vazio que jamais soube que estava lá...



A Camilla resolveu que precisava de uma folga de todos aqueles refletores e obrigações e... fugiu!


Isso mesmo que vocês estão lendo. Ela corta os cabelos, veste umas roupas diferentes, pega o carro e vai para a estrada.


Na estrada ela conhece o arqueólogo, Delaney Caine. E aí começa a implicância. [risos]
Normalmente nos romances, quando o casal central se separa, é por algo que alguém fez algo contra eles. Mas não nos da Nora. Nos da Nora eles conseguem se enrolar sozinhos, cada um retendo informações importantes do outro. Bem parecido com a vida real, né?


E é isso que eles dois tapadinhos fazem dessa vez. Ela esconde que é uma princesa, ele se faz de durão e, quando descobre, manda ela embora.


Ahã, porque eu sou uma princesa que estou fugindo de badalação e vou sair contando para todo mundo assim que eu conheço as pessoas. [risos]


Apesar de não tem o drama dos três primeiros livros, ele encerra bem a série. É divertido, engraçado e, bem, romântico.
E, tendo esses três elementos (mesmo não sendo o melhor da série) eu gostei. Muito.


Ele é exatamente como Cordina. =)



Como sempre, tem sorteio!


Para participar basta:


1) Seguir o @In_Death e a @HarlequinBrasil no Twitter;


2) Twittar a frase a seguir:




"É no #BancaDeQuinta14 que o @In_Death e a @HarlequinBrasil vão me levar para as "Noites de Tentação", em Cordina! http://kingo.to/10fq"



Boa sorte!!

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Terça Sobrenatural #13 - Becca Fitzpatrick - Silêncio

Oi. Meu nome é Barbara e sou uma masoquista literária.


O que? Não está entendendo nada? Então "senta que lá vem história"!


Toda vez que eu termino de ler um livro YA sobrenatural eu prometo a mesma coisa "Chega! Esse é o último! Não quero mais ficar frustrada com "aborrecentes" no auge da explosão hormonal fazendo besteiras e recusando toda e qualquer ajuda do bom senso!"


E pronto. Estou decidida que não vou mais sofrer. Nada de ficar brigando com as páginas no meio da leitura, desejando pode sacudir pessoas que não existem, bater nos autores... Nada mais de fazer planos mirabolantes para assassinar o livro, procurar janelas altas para atirá-los lá de cima ou procurar ônibus desgovernados para passá-los sobre os livros.


O problema é que, como boa viciada em literatura [de todo tipo, não só do tipo esnobe] eu sempre acabo presa na minha regra estúpida de não largar séries no meio.


Então eu cato o livro para ler, passo raiva com os personagens, desejo sacudi-los e esgana-los [e vários outras torturas bem legais para fazer com personagens desobedientes] e no final volto a prometer que nunca mais vou lê-los.


Ah, querem saber porque estou contando isso na resenha de "Silêncio"?


Porque dessa vez a culpa de todo esse sofrimento foi dele!


Vejam só o que me esperava:




Nora Grey não consegue se lembrar dos últimos cinco meses. Depois do choque inicial de acordar em um cemitério e descobrir que ficou desaparecida por semanas, ela precisa retomar sua rotina, voltar à escola, reencontrar a melhor amiga, Vee, e ainda aprender a conviver com o novo namorado da mãe. Em meio a tudo isso, Nora é assombrada por constantes pensamentos com a cor preta, que surge em sua mente nos momentos mais improváveis e parece conversar com ela. Alucinações, visões de anjos, criaturas sobrenaturais. Aparentemente, nada disso tem a ver com sua antiga vida. A sensação é de que parte dela se perdeu. É então que o caminho de Nora cruza o de um sexy desconhecido, a quem ela se sente estranhamente ligada. Ele parece saber todas as respostas… e também o caminho até o coração de Nora. Cada minuto a seu lado confirma isso, até que Nora se dá conta de que pode estar apaixonada. De novo.




 O início do livro não foi fácil para mim. Assim como a Nora, eu não conseguia lembrar o que tinha acontecido em "Crescendo" que levasse ao extremo dela perder a memória. Confesso que tive que conferir com a Carlinha o que eu estava esquecendo de tão importante e, depois de algumas perguntas, a leitura começou a "andar".


"Certo", eu pensei enquanto lia. "Nora sem memória deve acabar em confusão. Prepare a paciência, Barbara, você vai precisar".


E precisei, viu, gente? Ela perdeu a memória e todo o bom senso que possuía, fazendo tudo o que você, pobre leitor, fica dizendo para ela não fazer.


"Nora, minha filha, não entra aí!" e, pimba, a Nora entrava.


"Não faz isso!", ela fazia.


Era uma Maria Teimosa de tirar a paciência de qualquer anjo!


E, falando em anjo, o dela resolveu sumir!


Patch foi para "Terabítia" e sumiu do livro. Mas, para tomar o lugar dele de bad boy, apareceu o Jev.


[Spoiler]: Se você, como eu, já entendeu na primeira linha que os dois são a mesma coisa, saiba que isso vai fazer você passar muita raiva durante a leitura. Ele resolveu que era melhor se afastar de tudo e de todos e que a Nora estava melhor sem ele. Ahã. Tá. Sei.[/spoiler]


Bom, além dos dois aprontando, tem o Scott (lembram dele, certo? O terceiro do Trio-Adolescente-Apaixonado-e-Confuso), que aparece para ajudar a Nora mas só faz ela se meter em mais confusão. E a Marcie, aquela coisinha doce e fofa [cof cof cof] que resolveu ser boazinha com a Nora e ajudá-la a ser uma pessoa melhor.


Confusão pouca é fichinha, hein? Tudo que podia dar errado deu e, em um momento maldosa de ser, eu ri muito do sofrimento alheio.


Não! Não me matem! [risos] É que era rir ou chorar com as coisas que acontecem com eles, gentem!


Precisei me lembrar que apesar de ser YA os livros seguem as regras dos romances e vão ter um final feliz!


Mass esse final feliz ainda não é em "Silêncio". O livro não fecha a saga, como eu imaginava. Depois dele ainda tem um livro, que consta no site da autora como o livro final.


E, bem, é só!


Ah, o que? Ficou frustrado com o final da resenha? Bem-vindo ao clube! Eu fiquei frustrada com o final do livro, então resolvi me vingar.[risada maligna]


Não, brincadeira, gentem. É que o final do livro me deixou frustradérrima. Esse negócio de ficar alongando o texto, criando um monte de curvas em uma "via expressa" para fazer ele render mais 300 páginas me deixa maluca.


Sou devota de séries, não me entendam mal. Desde que elas tenham *enredo* próprio. Cada uma conte uma trama diferente, mesmo quando são os mesmos personagens.


Cada livro com um irmão, como acontece nas séries de famílias. Ou cada livro uma investigação, nas séries policiais.


Mas essa moda de "série-continuação-do-final-do-livro-anterior" tá me deixando maluca! Ainda mais quando eu fico crente que o próximo livro é o último e, quando vou ver, não é. *suspiros*


Enfim... apesar de tentar resenhar os livros YA sob a ótica de uma pessoa que já foi adolescente, dessa vez não deu.


A Nora acabou com as minhas expectativas de uma adolescente menos bocó e o Patch jogou minha alegria pelo beleléu. =(


Beijos!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Banca de Quinta #13 - Nora Roberts - Paixão Obscura

Oie Genteee!!


Hoje tem Nora Roberts (de novo!!!) no Banca de Quinta!
Dessa vez não é série Cordina, apesar de ainda faltar um livrinho para fechá-la.
Mas como preciso resenhar minha escolha para Fevereiro na Maratona de Banca (que já, já, abre inscrições para 2012, então fiquem de olho!), resolvi pular o último livro e partir para finalizar outra série!


"Paixão Obscura" fecha a série "Night Tales" e é um dos livros que eu mais gosto nela.
Conta a estória de Allison e Jonah, que são o casal mais diferente dos livros antigos da Nora.


Se vocês me permitem dizer, eles são, para mim, os "avós" de Eve e Roarke.
Saca só:


Ela é policial. Ele, ex-trombadinha.
Ela tem sérios problemas com relacionamentos. Ele não confia em policiais.
Ela tem *olhos cor de uísque*. Ele é lindo de morrer.


Deu para perceber as semelhanças?
Como eu li esse livro antes de conhecer a série Mortal, quando vi as características de Eve e Roarke percebi que a Nora pegou a ideia central desse livro, modificou algumas coisas e criou aquela maravilha toda.
Mas essa resenha não é sobre Mortal e sim sobre Paixão Obscura!


"Ela não era de confiança...
Embora Jonah Blackhawk houvesse concordado em proteger Allison Fletcher, ela não se sentia nem um pouco atraída pelo caráter sombrio de Jonah...Mas, curiosamente, seu pulso acelerava quando ele a tocava.


Até então, Jonah nunca se interessara por uma policial. Mas ao conviver com Allison não pôde evitar a atração que sentia...Se ao menos ela não tivesse olhos cor de uísque e um sorriso que derretesse seu coração...Se ao menos parasse de deseja-la.."


Gente, eu me diverti muito com esse livro. Os dois ficam de picuinha um com o outro, implicam com o que podem e o que não podem e quando se veem apaixonados, apavoram! [risos]
Eu sei que é horrível de mim, mas adoro livros onde os personagens implicam um com o outro, discutem, se descabelam e depois acabam na cama. hehehehe
E é exatamente o que acontece aqui.


Agora, uma coisa que me irrita aqui, é que esse livro, que é o último da série, foi lançado séeecccuulooss antes de toda a série.
Assim como o primeiro livro dela.
Então, se você é como eu e gosta de ter a série completa, os nomes dos livros corretos são:


 
  




E, para levar esse livro para casa, basta seguir o @In_Death no Twitter e tweetar a frase a seguir:


"Paixão Obscura" é um tema da @MaratonadeBanca e é do @In_Death que eu vou ganhar!  http://kingo.to/ZUn #BancaDeQuinta13"


Boa sorte! =)


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Brasileiríssimo #01 - Janethe Fontes - Sentimento Fatal

Oie Gente!



Hoje estou estreando uma nova secção aqui no blog: a “Brasileiríssimo”.
Nela vou resenhar obras brasileiras que tenham me marcado de alguma maneira.
Mas não fiquem imaginando que só vou falar que obras que eu tenha adorado. Nãããõoo!
A marca registrada das resenhas feitas nessa secção é que as obras tenham provado emoções extremas.
Tenha eu as amado ou odiado profundamente, elas virão parar aqui.
Então podem se preparar, que os posts serão sempre passionais e altamente expressivos.


E para começar com o pé direito, venho de "Sentimento Fatal", da escritora romancista Janethe Fontes.


Esse não é um livro para pessoas de corações fracos. Ele vai levar você aos pólos emocionais.
Você vai amar alguns personagens, desejar que eles fossem reais e que morassem na casa ao lado. Também vai odiar outros, com forças e intensidades reservadas para vilões de contos de fadas e das novelas das oito.
E, para complicar ainda mais seu estado emocional, você ainda tem uma personagem que causa a mais absoluta e completa repulsa feminina.




Por amor se mata? O amor destrói? E o ciúme, pode ou não ser controlado? Sentimento Fatal levará você a pensar nessas questões e rever seus conceitos... todos os seus conceitos em relação ao amor. "Dividida entre a paixão avassaladora do marido Roberto, que tem um ciúme doentio, e o grande amor de infância de Daniel, que ela torna a encontrar dez anos depois, Adriana Diniz Martinez terá de vencer o medo e reencontrar a si mesma... Lutar pela própria integridade e também pela filha Letícia, pela qual é capaz de tudo.




Adriana vive um inferno com o marido, Beto, um homem ciumento, possessivo e violento.
Ela tenta manter o casamento pela necessidade de manter a filha feliz, mas cada vez que o marido a estupra, fica mais e mais desesperada.
É isso mesmo que você leu. Estupro.


Roberto é um homem obsessivo, violento e controlador.
Trata a esposa como sua posse e, quando contrariado por ela, parte para todo tipo de violência.


Tenho que dizer que não foi um livro fácil de ler. Foi preciso um estômago forte (e um coração resistente), para concluir as partes mais verdadeiras e duras da leitura.


Se você já assistiu a uma reportagem sobre violência doméstica, conhece alguém que já passou por isso ou até mesmo já leu algo sobre o assunto, aposto que se perguntou o que levou a mulher a continuar naquela situação.
Quando a mulher é pobre, sem estudo, normalmente se escuta dizer que é porque ela não tem opção, não tem conhecimento do que pode fazer para sair desse ciclo de violência.
Mas e quando a mulher não entra em nenhum desses estereótipos? Ela é bem educada, culta.
Tem trabalho, família e todos os motivos do mundo para escapar da violência?


É essa história que a Janethe nos apresenta de maneira sublime.


Sem eufemismos, sem desculpas e com a crua realidade de uma vida marcada pela violência, o novo romance da Janethe vai fazer você se arrepiar.


Gente, eu confesso ter sofrido muito [muito MESMO] durante essa leitura.
Precisei parar, respirar fundo e desanuviar a mente para conseguir ler.
Sabe quando as palavras fazem você sofrer? E, mesmo assim, você não consegue largá-las?


Ela também conseguiu mostrar os momentos felizes vividos por essas famílias.
Aquelas situações em que normalmente vemos a mulher dizendo "mas ele estava mudado, prometeu que não faria mais isso". Pois é, ela retrata tudo isso e faz você sofrer junto com a Drica, soluçar junto com a pequena Letícia ao ver a mãe sofrer e ficar com o coração apertadinho cada vez que a Adriana insistia em perdoar o marido.


É um daqueles livros que, por mais que você tente evitar, vão deixar uma marca na sua vida e fazer você pensar e analisar muitas coisas.


Uma leitura emocionante e arrasadora, totalmente indicado para quem gosta de grandes emoções.
Recomendo!


Ficou curioso com o livro?
Você pode comprar um exemplar no site da editora! Basta clicar aqui e garantir o seu!


Ele também está no Skoob e no Facebook e eu ficaria de olho nos dois se fosse você!
Beijos!


terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Terça Sobrenatural #12 - J.R Ward - Cobiça

Oie Gente!


O livro de hoje é "Cobiça", primeiro livro da série Fallen Angels, da autora J. R. Ward.Levei muito tempo para tirar esse livro da prateleira, já que tinha receio de não gostar da série. Afinal, não poderia ser tão simples gostar de outra série sobrenatural da autora e evitar as comparações. Fiquei imaginando que ia acabar implicando com tudo o que acontecia, que nada iria me agradar, etc, etc, etc.
Meu receio só aumentou quando comecei a ler, já que o início do livro é logo após os acontecimentos de "Amante Vingado" e me remeteram imediatamente de volta a IAN.
Graças aos céus eu me enganei e, fora alguns personagens comuns as duas séries, nada me fez ficar esperando os Irmãos aparecerem.


Marie-Terese, uma das prostitutas do Zero Sun, está agora trabalhando no Iron Mask e é a personagem feminina central desse livro.
No clube ela conhece Vin diPietro e, apesar de todos os seus receios e traumas com o sexo masculino, se vê completamente encantada pela personalidade poderosa e perigosa dele.
A atração é mútua e Vin, mesmo com todo o seu cinismo, se vê encanado com a prostituta e desejando mudar, a si e a situação, por ela.
O problema é que até o diabo está atrás dele. Literalmente.

Se você leu Amante Vingado, sabe dos problemas da Marie-Terese com o ex-marido. Agora ela ainda luta para pagar as dívidas que ficaram da busca pelo filho e tenta conciliar o que seu coração diz ser certo com o que a cabeça diz que é o único caminho.


Vin é um cara rico, que nunca mediu esforços para alcançar o topo da pirâmide econômica. Tem um estilo "tenho tudo e quero muito mais" e já fez muita coisa errada pelo caminho.


Eu gostei muito do livro, mas confesso ter ficado um pouco confusa em alguns momentos.
Como eu não li o original, não sei dizer se foi a autora quem deixou esses furos (como a empresa de encanamento, que ora era do pai do Vin e ora o pai do Vin era apenas um empregado) ou se foi falha na tradução.
Pelo estilo do problema, acredito que tenha sido erro de continuidade da autora, mas não foi nada que estragasse a minha leitura.
No início achava que nenhum dos dois personagens fossem me convencer como "mocinhos".
Duvidava que outro personagem "Mocinho Anti-Herói" fosse me agradar logo após a experiência potente que é o encontro com o Rehv. Afinal, Vin tem muito em comum com meu Gangster-Vampirão-Rei.
Mas não é que ele conseguiu me convencer?


Quando ele conhece a Marie-Terese resolve mudar. E muda mesmo. Não que meu lado “romântica fajuta” acredite nisso na vida real, mas na ficção adoro quando isso acontece. [risos]
Todos os defeitos e superficialidades dele vieram a tona e ele resolveu que mudaria, não por querer ser uma pessoa melhor, mas sim porque a Marie-Terese merecia alguém melhor.


Para completar o time de mocinhos controversos, ainda temos um anjo que não tem nada de cândido.
Jin é um ex-assassino, que trabalhou anos para o exército americano. Após sua morte recebe a missão de salvar sete almas dos sete pecados capitais.
É ele quem vai definir o futuro do planeta e só ele pode ajudar o bem a derrotar o mal.
O problema é que ele não tem nada de angelical: fuma, bebe, adora brigas e um bom sexo selvagem.
Para completar tudo, ainda vai contar com a ajuda de dois outros anjos que, se eu encontrasse em um beco escuro numa noite sombria, sairia correndo para o outro lado aos berros. [risos]
Os três dão um toque todo especial ao "livro de anjo da guarda" e passam longe, muito longe do clássico loirinhos com asinhas brancas.
Bebem, são brigões e gostosos. Muito gostosos! [risos]


Acho que posso definir o livro como um conto de fadas adulto, já que tem a bruxa má (na figura de “uma demônio” bem do mal com uma make perfeita), uma princesa transformada em vítima pelas circunstâncias da vida e um final com um felizes para sempre!
Se você é fã de IAN tem que ler sabendo que não vai achar qualquer afinidade entre as duas mitologias e que nada do que você espera em um livro de anjos vai acontecer.
Recomendo!


 Sinopse: Redenção não é uma palavra que Jim Heron conhece muito bem – a especialidade dele, pessoal e profissional, é vingança, e para ele, pecado é bem relativo. Mas tudo muda quando ele se torna um anjo caído e é incumbido de salvar as almas de sete pessoas dos sete pecados capitais. Sua arma: o poder do amor. Seu inimigo: o mais sombrio mal. E falhar não é uma opção. Vincent Di Pietro se entregou ao seu trabalho – até que o destino intervém na forma de um muito convincente, dono de uma Harley, salvador declarado, e uma mulher que o fará questionar seu destino. Com um mau antigo pronto para reclamá-lo, Vin tem que trabalhar com um anjo caído não apenas para salvar sua pele… mas para salvar sua alma. 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Banca de Quinta #12 - Nora Roberts - Príncipe Playboy

Oie Gente!


Hoje tem o terceiro livro da série Cordina, Príncipe Playboy.
Eu tenho uma confissão a fazer antes de começar a resenha: quando sentei para pensar o que ia escrever, descobri que não me lembrava do livro!


Exatamente, pessoas queridas.
Só lembrava que o livro era do Bennet e que tinha alguma coisa com uma mulher muito recatada e discreta e que eu não tinha gostado muito dele quando li a primeira vez.
Gentem! Foi um choque! Tive que pegar e livro e lê-lo novamente para poder resenhar e aí descobri que, apesar  do que eu me lembrava, não era só aquilo que tinha no livro.


Hannah Rothchild é uma lady, no sentido mais literal da palavra. Ela é discreta, bem educada e esconde um segredo terrível!
Bennett Bisset é um bon vivant, que está sempre envolvido em algum escândalo e com o nome estampado nos tabloides.


Quando os dois se encontram, não imaginam que os planos cuidadosamente traçados irão por água abaixo.


Foi uma surpresa ter gostado tanto do livro dessa vez. Não sei porque impliquei tanto com o casal da primeira vez que li, mas dessa eles s motivos por trás das ações dos dois entender os motivos por trás das ações dos dois.
Valeu ter dado uma nova chance ao livrinho, já que a leitura foi bem mais divertida dessa vez.


 E, como sempre, tem sorteio!



Para participar basta seguir o @In_Death e twittar a frase a seguir:


"O Príncipe Playboy" do #BancaDeQuinta12 já é meu e foi o @In_Death quem me deu.  http://kingo.to/Zog


Boa sorte e até mais!

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Terça Sobrenatural #11 - Christine Feehan - Príncipe Sombrio

Oie Gente,


O post de hoje levou vários dias para ser concluído.
Comecei, não gostei, apaguei tudo e comecei de novo. Várias e várias vezes.
O principal problema era que eu não sabia como começar uma resenha de uma estória que eu adoro, mas de um livro que eu detestei.


Então, resolvi começar a resenha com o motivo de eu ter detestado o livro de uma estória que eu adoro.



"Príncipe Sombrio" foi originalmente publicado em 1999 e depois de muitos pedidos e muita espera, comprado por uma editora brasileira e publicado aqui.
Até aí estava tudo ótimo e eu era só felicidade.
Só que aconteceu um pequeno problema.
Em novembro do ano passado a autora lançou uma versão estendida, com 100 páginas que haviam sido cortadas da primeira edição.
Para mim essas cem páginas fazem tooodaaa a diferença no livro, já que muitos dos acontecimentos dinâmicos e enérgicos ficaram muito lentos e coisas que a autora havia cortado por estar repetitivo, monótono e chato, foram parar lá.
Certo, é legal ver isso quando você já conhece a estória, já leu e ficou curioso em saber como era o original.
Mas quando você não conhece o enredo e vai ter um primeiro contato... bem, aí não é tão legal.


E, ao contrário do que diz a ficha técnica da versão brasileira, foi a versão estendida que a Universo dos Livros publicou.
Eu não conseguia entender o motivo desse erro absurdo. Era preciso uma explicação e, apesar de várias resenhas já publicadas falando sobre os erros, não vi qualquer explicação da Editora. Então mandei um e-mail para a Universo perguntando o motivo de terem escolhido essa versão.
Só me disseram que isso era uma questão editorial e complicada.
Bom, fui atrás da resposta por mim e descobri que o que se encontra para vender, com facilidade, é essa versão com os extras.
Para achar a versão original você precisa saber que ela existiu e conhecer, ao menos, a capa da bendita. O que me leva a crer que só estavam disponíveis para compra os direitos sobre a versão estendida.


Para piorar todo o meu problema com o resultado da versão brasileira, o livro está cheio de erros.
Tem frases com personagens trocados, erros absurdos de português, vírgulas no lugar errado e todo tipo de absurdo que você possa imaginar.


Eu não sei se todo mundo lê da mesma maneira que eu, mas quando estou lendo fico imaginando a estória.
As falas, as ações, tudo acontece dentro da minha cabeça.
Por isso, quando estou lendo uma cena onde os personagens estão pensando e as cenas no livro estão em itálico, uso essas marcações para criar as cenas na mente.
E aí, quando me deparei com os erros de formatação no livro, quase morri.
Era como estar caminhando, tranquila, e dar com a cara em uma parede de vidro.
Simplesmente me fazia perder toda a empolgação e me desconcentrava completamente.


Eu até comecei a anotar os erros, como vocês podem ver aqui. Mas depois do décimo eu já estava frustrada e desisti de anotar.
Se você achou algum outro erro, por favor, me avise e avise à editora! Existe uma notinha na aba do livro com o e-mail do editor, dizendo que qualquer crítica deve ser enviada para eles.
E acho que é de absoluto interesse da Universo dos Livros saber que o investimento deles corre o risco de ir por água abaixo, já que o produto final foi completamente estragado.


Bom, esses foram os nada pequenos motivos que me fizeram odiar a versão final de Príncipe Sombrio.


Segundo a Universo, mudaram algumas coisas na equipe de revisão e produção e vão fazer uma nova adaptação para "Príncipe Sombrio".
O que ainda não deu tempo de perguntar é se quem já tem a versão com problemas terá alguma possibilidade de troca ou de desconto na próxima versão.
Prometo que vou ser bem cara de pau e vou perguntar e, assim que me derem uma resposta, faço um post aqui avisando.


Agora, sobre a estória de Príncipe Sombrio.


Mikhail Dubrinsky é de uma espécie totalmente diferente. Ele é o príncipe dos Cárpatos, um ser nascido há séculos e que tem lutado contra a escuridão durante muitos e muitos anos.
Ele é arrogante, mandão, autoritário e tudo aquilo que se espera de um homem nascido e criado antes mesmo das Cruzadas.


Raven Whitney é uma mulher especial. Ela caça serial killers com seus talentos psíquicos e está em busca de um pouco de paz. Ela vai para as montanhas Cárpatos pensando em descansar, mas encontra muito mais do que pediu na figura de um homem lindo e arrogante.


Os dois não tem nada em comum, mas são tudo o que o outro precisa.
Vejam bem, essa é uma série de amor e ódio.
Ou você entende as características dos personagens e o motivo por trás de cada mania esquisita deles ou você os odeia completamente por conta disso.
Eles são "homens" com séculos de vida e estão acostumados a obediência total.
E é aí que a coisa toda complica!


Se você vai ler esperando um casal modelo, um herói sem nenhum defeito e uma heroína perfeitinha, vai ficar desapontado.
A arrogância de Mikhail o torna um tanto quanto irritante e a fragilidade emocional da Raven faz você duvidar que ela consiga ser forte o suficiente para lutar contra a dominação do Príncipe.
Agora, não só do casal principal vive um livro, certo?
A dona Feehan nos apresenta os próximos protagonistas “complicadões”.
Gregori, Aidan, Jacques vão ser os próximos casos de amor e ódio e têm todas as características irritantes de machos arrogantes e seguros de si. [risos]


Eu confesso que eu adoro livros com homens assim. Ainda mais quando eu já sei que eles vão “pagar a língua” e virar o exemplo do parceiro perfeito: sempre terão a felicidade e segurança de suas parceiras acima das suas próprias e farão o possível e o impossível para que elas tenham tudo aquilo que desejam.
É uma daquelas séries que você ama ou odeia. Não adianta você dizer que a série vai ganhar seu coração nos próximos volumes, porque ela não vai.


As personagens masculinas são todos no estilo arrogante de ser do Mikhail, as femininas são todas complicadas e a estória sempre tem um Q de macho alfa no controle completo.


Bem diferente do usual, é um livro para corações fortes e almas persistentes.
Beijos!


Sinopse: Mikhail Dubrinksy é o Príncipe dos Cárpatos, o líder de uma sábia e secreta raça ancestral que vive na noite. Tomado pelo desespero, com medo de nunca encontrar a companheira que iria salvá-lo da escuridão, a alma de Dubrinksy gritava na solidão. Até o dia em que uma bela voz, cheia de luz e amor, chegou a ele, atenuando sua dor e seu anseio. Raven Whitney possui poderes telepáticos e os utiliza na captura dos mais depravados serial-killers. Desde o momento que se conheceram, Raven e Mikhail foram incapazes de resistir ao desejo que faiscava entre eles. Mas forças sombrias tentarão destruir esse frágil amor. E mesmo que sobrevivam, como poderão - cárpato e humano - construir um futuro juntos?

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Resenha #232 - Suzanne Enoch - Marido Por Encomenda

Oie Gente!


Hoje é dia de Maratona de Banca e a escolha para o mês de Janeiro foi Romance Histórico. (certo, eu sei, estou mais atrasada que pagamento de dívida pública, mas esse mês foi uma loucura e todas as minhas leituras ficaram paradas!)


Como vocês bem sabem, não sou lá muito fã do gênero (a culpa de todo esse receio é da Diana Palmer, mas isso é outro papo) e por isso sempre tenho uma dificuldade enorme lendo qualquer coisa dele.


Fiz a escolha baseada na autora e... pimba, peguei o segundo livro de uma série. Aí, bom, como não dava para ler o segundo livro sem ler o primeiro, resolvi ser cara de pau e troquei a escolha para janeiro da Maratona.


Adoro a Suzanne Enoch. A série Samantha Jellicoe, de autoria dela, é uma das minhas séries de banca favoritas. Li ela ainda em inglês, muito antes de sair no Brasil.


Quando soube que a autora também tinha romances históricos, fiquei curiosa, mas o receio com o gênero me fez adiar a leitura. Aí veio a maratona, a indicação e arrumei um motivo justo para me impulsionar e matar a curiosidade.

Minha implicância com históricos diminuiu muito depois que comecei a ler uma série da Samantha Kane, que apesar do enredo super alternativo, tem uma pesquisa história muito, muito boa.


Marido por Encomenda, primeiro livro da série Griffin, é exatamente o oposto do que eu imaginei que fosse ser. Sim, sim, meu preconceito sempre fala mais alto quando vou começar um histórico e sempre fico com a impressão de que vou achar o livro chato, que nada vai me agradar nos personagens, etc, etc, etc.


Não que o livro seja um primor de estória, mas ele é bem divertido. Apesar de não ser uma grande conhecedora do gênero (isso é especialidade da Tonks), posso dizer que os dois não são um perfeito exemplo de personagens da época da Regência.
Mas dessa vez nada disso foi assim. Eleonor e Valentine são absurdamente malucos. Ele é um devasso, um libertino completo que adora escandalizar Londres. Ela é uma moça de família rica que se rebela contra o irmão para ter um pouco de liberdade. Mal sabem os dois, mas vão acabar unidos e metidos em grandes problemas!


Para uma pessoa que ainda não tem exatamente um grande amor pelo gênero, toda vez que leio um histórico que me agrada e me diverte é uma grande surpresa.
Não acho que eu vá me tornar uma aficionada pelo gênero, mas ao menos agora consigo me divertir com ele. [risos]


Beijos!


Sinopse:  Eleanor Griffin sabe que um dia terá de se casar, mas até que esse dia chegue, ela quer flertar e namorar, como qualquer outra jovem de sua idade. Entretanto, temeroso de que a irmã se envolva em um escândalo, o duque de Melbourne pede a seu melhor amigo, Valentine, que fique de olho na espevitada Eleanor... Não poderia existir, em toda a Londres, um acompanhante menos qualificado do que Valentine Corbett, um homem tão libertino e devasso quanto bonito e atraente. Um conquistador incorrigível... e por quem Eleanor é apaixonada desde menina! 

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Banca de Quinta #11 - Nora Roberts - Mercadora de Ilusões

Oie Gente!


Quando eu terminei de ler o primeiro livro dessa série, fiquei muito ansiosa pelo livro seguinte.
Tinha gostado muito dele e, como sempre, isso cria uma expectativa enorme pela continuação.
Então quando me deparei com a implicância absoluta entre o príncipe Alexander e a Eve, fiquei um pouco nervosa. Será que a Norinha ia me deixar na mão com uma série?
Vejam bem, quando se é viciada em algo, você sempre sofre antes de começar a ler. "Será que é dessa vez que vou odiar tudo? Será que não vou conseguir me conectar com os personagens"?


Mas não! A dona Nora conseguiu fazer os dois espezinharem um ao outro e irritarem um ao outro como só um casal teimoso consegue fazer.
E eu me diverti muito com isso! [risos]


O Alexander e a Eve são opostos completos. O que ela tem de leve e divertida ele tem de formal e sério. Aí, quando os dois se juntam vira aqueeeelaaa confusão! [risos]
É uma ótima continuação para a série e, além de um romance turbulento, tem muitos acontecimentos complicados acontecendo em Cordina!
Vai deixar você encantada, nervosa e divertida!
Recomendo!


Anos atrás, Eve Hamilton teve uma paixão adolescente pelo poderoso e reservado príncipe Alexander Bisset, de Cordina. Mesmo atraído por ela, ele não permitiu que ela se aproximasse. Agora, contudo, Eve é uma mulher irresistível, e Alex está disposto a provar a ela que pode ser tudo o que uma mulher quer de um homem...



Para participar do sorteio é só seguir o @In_Death e Tweetar a frase a seguir:


"Mercadora de Ilusões" é o #bancadequinta11 e que o @In_Death vai me dar! http://kingo.to/YUb


 Beijos!