terça-feira, 11 de novembro de 2014

In Death por Anne Magno #7 - Música do Coração - Katie Ashley

Oi gente, mais uma vez estou aqui no In Death para compartilhar um achado!

Quem me conhece, por resenhas ou pessoalmente, sabe do meu fascínio por romances, as vezes leves para passar a chuva, épicos para me deixar frustrada e pensar que nasci na época errada, ou hots para currar minhas ressacas literárias. Lógico que eu não leio só esse gênero, mas se eu poder escolher...bem você já deve deduzir a resposta. Recentemente no club do livro que a Bah e eu frequentamos, cheguei a uma conclusão própria, de que o livro que nós fez amar ou apaixonar pela leitura, possivelmente dita todo uma preferência literária no decorrer de nossas leituras. Se é uma verdade geral? Não sei, mas a mim aplicou-se como uma luva essa compreensão.

MUSICA_DO_CORACAO_1400510145PEntão seguindo essa minha tendência, eu acabei descobrindo o livro a ser compartilhado hoje com vocês!

A autora eu já conhecia, Katie Ashley também é a escritora dos livros: A proposta (já li!), O pedido e Par perfeito. Que também são romances, o primeiro dessa série eu já tive a oportunidade de ler, e gostei bastante.

Os livros A proposta e Música do coração, trazem para gente, AQUELE bad boy básico, que todas nós amamos e sonhamos em encontrar e faze-lo ficar babando e venerando-nos (~suspiros~) Quem nunca sonhou? Mas os livros trazem versões diferentes desse tipo de personagem masculino. No primeiro temos aquele solteirão, bad boy, convicto, mas um homem de negócios, um bad em paletó. No segundo temos um rockeiro rock star em ascensão e fafadinho, tatuado e compositor.

O livro que vamos surtar hoje, é o Música do Coração, esse do fafadinho compositor. O livro conta a história de como a Abby literalmente caiu na vida do Jack, e provocou um rebuliço.

O Jack faz parte da rock band Runaway, de onde vem o nome da série de livros, ele sempre foi conhecido entre os demais como o compositor safado e pegador da banda, assim como o dono de uma voz incrivelmente potente. Só que ele é mais que as aparências podem dizer, ele super cuida da banda, como se fossem sua família, e acerta todos os detalhes para que todos estejam sempre com a cabeça e vida voltados para a banda.

A Abby é uma aquelas moças super certinhas, que cresceram no sul, junto com uma família religiosa e itinerante, cresceu ao redor do mundo praticando boas ações cristãs e compartilhando momentos únicos com seus irmãos e pais. Vocês sabem da fama que as certinhas tem né? Pois é...isso se aplica a Abby! kkk

Posteriormente seus irmãos, Gabe, Eli e Micah, montaram uma banda de de rock cristão chamado Jacob's Leader. Um deles vai sair da banda para se casar, e nessa nova turnê é a vez da Abby, fazer o teste para ver se realmente é isso o que ela quer fazer, ser a nova vocal da banda.

A banda Runaway, é formada por: Bray (o cara super família e direitinho!), Rhys (muito quieto para uma banda de rock), AJ (que é descrito como aqueles latinos gatos e engraçados) e Jack, nem preciso dizer que essa banda de cristã não tem nada...kkkk! E esta embarcando em turnê no mesmo dia que a Jacob's Leader, para um grande festival de música.

E por causa de um engano a Abby acaba embarcando no ônibus dos meninos. E ela só foi descobrir o erro, quando o bonde já estava na estrada faz tempo, então como faz? kkk

Para Abby conviver com os meninos por uma semana, foi uma tarefa muito fácil, pois ela já tinha a experiência de 3 irmãos mais velhos. O difícil dessa viajem era não se apaixonar pelo vocalista, e não incentivar as investidas do AJ.

O livro parece ser só mais um daqueles romances, rápidos, mas garanto que ele é mais. Jack vive um drama familiar muito denso e que vai sendo desenvolvido eloquentemente pela autora, esse foi um dos pontos positivos do livro. Outro ponto positivo, a meu ver, foi que ela não entrou muito no mérito de explicar muito dos outros personagens, pois a que tudo indica, eles teriam seus próprios livros...uhuuuuu.

A Abby, não ser a santinha que esperavam dela, também é engraçado, pois eles fazem de tudo para deixar ela escandalizada e ela entra na brincadeira e deixa eles de queixo caídos..kkk...

A autora também vai citando várias músicas cowntry, que são as favoritas da Abby, durante o livro todo, o que eu não curti nisso, foi que ela podia ter colocado uma playlist citada no livro em um afolha a parte e não tudo espalhado pelo livro. As vezes passava vários minutos tentando achar a dita da música para depois continuar lendo. Aff!

Mas nem só de coisas bem escritas vive o livro.Tem coisa no livro que eu fiquei pensando, ´´é só em livro mesmo!``, tipo quando o Jack pede que a Abby durma de conchinha com ele, quando eles tinham acabado de ter uma briga e não rolava nada entre eles. Ou quando termina a semana em que eles apostaram, quem ia ceder primeiro, e eles não cederam. Por ai da para perceber que o livro não é focado no teor HOT, e sim no crescimento dos personagens principais.

No todo eu gostei do livro, e pretendo comprar os demais para saber do amadurecimento dos demais personagens.

 

Fica a dica!

 

Até o próximo post!

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

In Death por Anne Magno #6 - Easy - Tammara Webber

oi gente estamos de volta com mais uma resenha quentinha!


Bom, o livro a ser resenhado hoje não é um lançamento atual, mas, foi lançado esse ano, segundo consta nos dados editorias do livro. Ganhei ele de presente de dia das crianças (sim, com 27 anos ainda sou uma vista como uma criança para alguns membros da minha família!) da minha tia (e companheira de bienal!). Já tinha lido algumas resenhas sobre o mesmo, não tão favoráveis assim, comentando como o livro é meio ´´morno`` se é que dá para entender.


Easy fotosBom chega de suspense, até por que o livro é cheio de drama mesmo, o livro que babaremos, ops… quis dizer comentando hoje é o meu primeiro contato com a escritora Tammara Webber, chamado Easy!


Pela capa e pela frase impactante na capa do livro:


´´ Ela foi sala por um estranho. Ele é assombrado por um segredo. Às vezes o amor não é nada fácil...``


Eu esperava possivelmente uma narrativa similar às do Travix Maddox (em Belo Desastre), mas eu me surpreendi, e em um ótimo sentido. Amigas, e escritoras das resenhas desfavoráveis, sinto muito, mas vou ter que descordar. Por que o Lucas/Landon, é um personagem atípico.


O livro conta a história de como a Jacqueline foi transformada de uma Namorada independente do cara mais popular da universidade deles, a uma paria social por ter sido dispensada pelo mesmo. Aparentemente a Jackie, é uma daquelas pessoas que quando uma cisa desanda, o resto vai por água abaixo, até ela terminar de curtir a dor de cotovelo dela.


Depois de passar por momentos complicados para qualquer um, tipo, ela quase foi abusada sexualmente (e isso não é spoiller, está na capa do livro) e perder duas semanas de aula, como o fim do namoro, ela se vê na sala do seu professor recebendo a oportunidade de recuperar a nota que falta em economia (gente, ela estuda música, não consegui encontrar um nexo, do porque ela tem que estudar economia, quando ela estuda música…mas enfim!) desde de que ela aceite ter aulas de reforço com o monitor do professor, um cara presente somente nos e-mails diários que ela recebe dele, chamado Landon.


easy3No mesmo período ela começa a perceber como o bad boy Lucas está tão presente no dia a dia dela e ela nem percebia. Bom em aparências ele não deixa a desejar aos nossos já conhecidos bad boys literários ( Traviz, Remington, Dany e outros), alto, luta Taekwondo, magro sem ser raquítico, mas um magro musculoso, tatuado, e com pirce no lábio inferior. Agora o que ele não tem nada e comum com os outros personagens citados anteriormente: ele cursa engenharia e adora desenhar, ele é extremamente inteligente (emocionalmente também), e tem princípios éticos que toda a hora são desafiados, mas ele se mantêm firme até o final. Um paradoxo ambulante: aparência rude e alma sensível.


O livro além de um romance sensível, com pitadas leves de pimenta, tem uma abordagem de dois temas muito interessantes: trata de como é o dia seguinte de uma garota que sofreu violência sexual, trata da necessidade de não calar, dá conselhos de defesa pessoal, e também na figura do Lucas, como ser leal a você mesmo, e conhecer seus limites.


images


A Jacqueline, sofre uma transformação durante o livro, sensível e muito positiva. Ela deixa de ser uma menininha frágil e mimada, para ser uma mulher independente (de fato!) e forte. Já deu para notar que ela não é o meu personagem favorito nesse livro. Se tivesse que escolher um personagem feminino favorito nesse livro, eu daria uma de Fernanda Karen (kkkkkk...beijo miss fofinha!) e escolheria a personagem secundaria Erin, que é a melhor amiga da Jackie, que deu todo o suporte que a amiga precisava, e lutou (literalmente) contra todos!


Particularmente gostei do livro, terminei ele em algumas poucas horas. Lógico que as vezes eu parava a leitura porque o momento de fofura era demais e tinha que ser lido novamente, ou porque eu estava enrolando para não terminar o livro tão rápido.


Outro bom motivo para ler o livro, é que ele me ajudou a me sentir melhor nesse período que me encontro de ressaca (ainda) literária. Fazia um tempinho que não lia um livro que não é nem HOT e nem Fantástico demais.


Então: #PORFAVOR #LEIA #ESSE #LIVRO


Eu tinha imaginado o Lucas um pouco diferente, das fotos que achei na internet sobre o livro, esses dois que aparecem nas fotos são os mesmos que aparecem na capa do livro. Super amei as fotos de publicidade do livro. E admito que prefiro (mil vezes) a versão física do Lucas da editora do que a da minha imaginação.


Aíiiiiiiiiiiiiiiii gente, não tem como não amar o Lucas...............^^


Aíiiiiiiiiiiiiiiii gente, não tem como não amar o Lucas...............^^


Aíiiiiiiiiiiiiiiii gente, não tem como não amar o Lucas...............^^


Aíiiiiiiiiiiiiiiii gente, não tem como não amar o Lucas...............^^


Aíiiiiiiiiiiiiiiii gente, não tem como não amar o Lucas...............^^


Aíiiiiiiiiiiiiiiii gente, não tem como não amar o Lucas...............^^


Aíiiiiiiiiiiiiiiii gente, não tem como não amar o Lucas...............^^


(quem ler o livro vai entender porque repeti a frase acima 7 vezes, segundo a lógica da Jacqueline!)


Fica a super dica!


Até a próxima!

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

In Death por Anne Magno #5 - Roberta Spindler - A Torre Acima Do Véu

Oi Gente, vim dar sinal de vida no blog!

Essa semana estou curtindo uma ressaca literária das mais duradouras (15 dias e contando!), então resolvi tentar me currar dela fazendo resenhas para os queridos blogs em que sou colaboradora. Começando pelo livro queridinho do momento: A Torre Acima Do Véu.

Torre acima do veu_capaVou fazer uma rápida apresentação para quem ainda não conhece (que absurdoooo!!!!), ok, a fofa da Roberta Spindler é uma das grandes escritoras aqui da nossa amada terrinha, Belém! Ela também é a ´´mãe`` de um dos meus personagens favoritos chamado SETH (guardião, guerreiro, mascarado e nas horas vagas apetitoso) no livro Contos De Meigan (que também super indico).

Eu admito, os livros da Roberta, são as únicas exceções desse gênero na minha booklist (até agora), que no todo é composta de romances e fantasias/românticas. E isso acontece porque tenho uma necessidade (quase) patológica de me apegar a um (ou alguns) personagens durante a história!

O livro a ser resenhado hoje, foi uma das grandes dicas lançadas na Bienal Internacional do Livro este ano em Sampa, e claro que estive lá para tieta-la (essa já é a terceira vez consecutiva que vou perturbar ela em bienais) durante o evento. Lançado lá foram chegou a vez dos lançamentos em nossa terrinha: na Fox Vídeo e na Livraria Saraiva.

Então se você não leu o livro do meu amado e desejado (SETH), ou não achou, ou qualquer coisa do gênero, não faça isso de novo, e vá correndo ler o livro A Torre Acima Do Véu. #NOW

RESENHA:

Em um dia comum ao redor do mundo, uma densa nuvem surge misteriosamente assolando e coagindo a população a um único pensamento, sobreviver, pois que todos tendo isso em mente começam a lutar, em algumas situações de forma mesmo primitiva. Constatado que os a parte mais alta dos arranha-céus na cidade de Rio-Aires não sofreram influência dessa nuvem toxica inexplicável, todos almejam subir aos últimos andares e viver, sem cogitar muito: como? e o depois!

Temos  para começar a gerar um certo temor e sentimento de pânico em cada um de nós leitores, o altamente sensorial prólogo, onde encontramos uma narrativa sobre o que acontece com os infelizes que não conseguiram se salvar, e o porque da nevoa ser temida. Consegui além de me assustar, cogitar algumas possíveis suposições do porque isso esta acontecendo. Não pretendo descreve-las aqui pois seriam um putz spoiller.

Desde o meio nojento prologo, se passam 50 anos, e obviamente somente os mais fortes, espertos, ou com influência, (ou quem sabe sortudos), conseguiram escapar dessa morte pegajosa. Por aqui você já pode concluir que estamos tratando de uma distopia, meio apocalíptica quem sabe? (você vai saber assim que ler o livro!)

E assim surge a população, muito virada, da então chamada nova superfície. Onde artigos como Bíblias, coelhinhos de pelúcia, medicação e comida são artigos de luxo. As pessoas morram em destroços ou partes de prédios abandonados, também foram necessárias a criação de novos blocos econômicos, as lideranças se tornaram um tanto quanto hierárquicas, e a miscigenação impera. Na verdade a palavra que define seria: Diferenças.

Eles ainda possuem suas divisões territoriais bem delimitadas! Para quem conhece a Roberta e seu estilo de escrita, fique sabendo  que não dá para se apegar a personagens, pois todos, mesmo um simples rato (kkk...não resisti! #ENTENDEDORESENTENDERAM), são peças importantes, e bem distribuídos na trama. Logo temos, dentre tantos:

Beca: ela é uma entregadora na companhia de seu pai adotivo Lion, apesar de morar acima da nevoa, geneticamente é diferente, pois possui a habilidade de saltadora (assim como outros possuem: Teletransporte, Vidência, dentre outros). Então com o equipamento (rudimentar) certo, e o apoio tático de sua família, ela salta entre as janelas dos arranha céus para fazer suas entregas. E os pedidos que ela recebe são dos mais variados.

Edu: As duas palavras que me vem a mente para tentar descreve-lo, são: Geek e Hacker. Ele é o irmãozinho da Beca, e seu navegador, frequentemente no livro você vai ver eles interagindo via escuta. Franzino demais para missões externas, faz as projeções e analise de pedidos.

Lion: bemmmmmmmmmm... ele foi o personagem que menos gostei, para falar a verdade então vou ser tendenciosa, não liguem. Ele é um ´´adulto`` meio largado, gosta de beber, tem segredos e sabe manter eles muito bem, curti ir esfriar a ´´cabeça´´ na zona vermelha assim digamos, junto a garotas de programa (sim, esse oficio sobreviveu a nevoa).

Rato: Como eu já comecei a ser tendenciosa, então vamos lá! Este foi um dos personagens que mais gostei, junte um bad boy, trambiqueiro, hacker, tatuado, e com um segredo cabeludo, então você vai saber quem é esse feiosinho irresistível e galante. Nem tão nobre, nem tão nefasto, temos um dos personagens mais humanos (se você ler o livro vai notar o trocadilho aqui! e não se esqueça dele!) do livro, na minha humilde opinião.

Omar-Borkan-al-GalaEmir: possivelmente o personagem mais questionado no livro todo, e olha que ele nem dá muita confiança para os comentários. Como disse anteriormente, ele esta no comando politico e estratégico da vida acima da névoa. A descrição dele é bem exótica!

Certa vez (logo quando terminei o livro) teclando com a Roberta via Tweeter, ela concordou comigo quando perguntei se o jovem líder poderia ser comparado a figura ao lado.

Como eu disse para a mesma: Roberta, por favor, faz um livro contando mais sobre o Emir no futuro que o livro descreve, porque, na minha opinião ele não é um tirano que todo mundo pensa, só que ele tem que fazer escolhas difíceis para uma bem comum, onde alguns podem questionar os motivos.

Vou começar a fazer companha para o livro do Emir sair #EUACREDITONELE

A trama do livro ocorre entre eles, quando eles começam a se envolver cada vez mais em certas verdades, que podem destruir (ainda mais) o pouco em que eles acreditam, ao mesmo tempo em que pode ser uma fagulha de esperança para uma nova realidade.

Algumas das resposta que o livro lhe dá, são perturbadoras, e todas as suposições que você faz no inicio do prologo, vão por água a baixo. Outro item interessante e divertido do livro, é que a Roberta te ensina uma diversidade de xingamentos em espanhol...kkkk. Meu livro ficou cheio de post it's com as traduções...e me diverti/aprendi muito fazendo isso, em meio a leitura tensa.

O livro tem muito conteúdo significante, mas que são MEGASUPER spoiller, então é meio difícil fazer a resenha sem se deixar empolgar e contar tudo logo para vocês.

Então, gente, fica a dica, e por favor, não fiquem ai esperando outras resenhas de pessoas que ficam deslumbradas com o livro, vá se deslumbrar também. Compre ou empreste, mas leia o livro #URGENTE!

 

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

In Death por Fernanda Karen #03 - Gayle Forman - Se Eu Ficar

SE_EU_FICAR_1404309893PSabe aqueles livros sensíveis no ponto certo? Estamos diante de um da espécime. Aproximem-se!

“Se eu ficar” é uma obra bela mesmo em meio ao caos. Não é um livro para chorar; por mais que seja meio inevitável ao lidar com seu enredo. É um livro emocionante que, mesmo não sendo auto-ajuda, faz o leitor pensar. A narrativa da autora é suave ao lidar com todos os conflitos que a protagonista passa. Mia tem uma experiência terrível aos 17 anos. Em um acidente de carro, perdeu sua família. Poucos instantes bastam para mudar radicalmente uma vida.

Quando Mia se levanta e percebe a seriedade do acidente – seus pais mortos – começa a perder o controle em busca de seu irmão. Mas, estranhamente, ela se encontra inconsciente, com vários machucados aparentemente graves e com um batalhão de resgate trabalhando para mantê-la viva.

Será que morri?” Ela pensa. Mas se estivesse morta, os paramédicos estariam trabalhando no seu corpo?

A partir daí, o leitor será levando em uma viagem que nada tem de espírita ou auto-ajuda. É fundamentalmente a perspectiva de Mia sobre sua vida, sua família, seus amigos, seu amor pela música e por Adam, e no que interferiria ficar neste mundo sem sua família, ou ir para junto deles.

"Tudo bem. Se você quiser partir. Todos nós queremos que você fique. Eu quero que você fique mais do que já desejei qualquer outra coisa na minha vida. Mas esta é a minha vontade e vejo que talvez possa não ser a sua. Então, eu só queria dizer que entendo se você decidir partir. Tudo bem se tiver de nos deixar. Tudo bem se você decidir parar de lutar."


6983010

Amei essa leitura. A sensibilidade da autora ao criar uma história trágica mas ao mesmo tempo bonita é digna de nota. A narrativa é feita em aproximadamente 24 horas e nesse espaço de tempo o leitor é atraído pelo amor que Mia sente por sua vida; sua família é incrível, seu violoncelo é como uma extensão de seu corpo e seu amor por seu namorado Adam é muito sincero.

Gayle Forman me ganhou pela narrativa incrível. Tive todos os tipos de sentimentos com esse livro curto e a leitura acabou rápido demais. Apesar de ser uma leitura rápida, conhecemos praticamente toda a vida de Mia e entendemos o que sua perda significa. Eu poderia frisar o romance no livro, porém seria uma leviandade da minha parte diminuir os sentimentos inspirados pela família, amigos e música. Sua decisão de ficar, ou ir, é significativa não apenas para Mia, mas para todos os que aqui vão ficar.

“Seja qual for a sua escolha, vai sair ganhando. Assim como também vai sair perdendo.”


“Seu eu ficar” foi lançado anteriormente pela editora Rocco, porém a Novo Conceito comprou seus direitos e trouxe uma edição muito bonita (mesmo que seja imagens do filme). Achei uns errinhos de revisão, mas nada que comprometesse a leitura.

Na edição da Novo Conceito, vem um capítulo da continuação da história (pois é, também não entendi. Fechou tão bem, na minha opinião) que é da perspectiva de Adam. Mas creio que é a continuação se passa no futuro e vai mostrar ao leitor o que a escolha de Mia interferiu em sua vida. (Se eu estiver equivocada, por favor, me esclareçam.) E também há entrevistas com os atores que interpretam Mia e Adam nos cinemas, Chloë Grace Moretz e Jamie Blackley respectivamente. Para ser bem honesta, acho que o livro se sustenta muito bem por seu conteúdo, mas compreendo que com o filme em cartaz, pode ser um pouco mais atrativo para alguns fãs.

Assisti ao filme um dia depois que terminei a leitura do livro e meu parecer é: assistam ao filme e desconfiem um pouco do excesso, mas não deixem de apreciar essa leitura realmente incrível. Estou MUITO ansiosa pela continuação que se chama "Para onde ela foi" e que tem previsão de lançamento para outubro. Os comentários no goodreads estão super choráveis, então... lança logo, Novo Conceito!

10215816

Até a próxima, queridos!

terça-feira, 16 de setembro de 2014

In Death por Lilian Sinfronio #07 - Maurício Gomyde - A Máquina de Contar Histórias

Por Lilian Sinfronio

Olá queridos e queridas que, de quando em vez, clicam aqui por este blog amour <3

Hoje quero falar sobre mais um lançamento da editora Novo Conceito, pelo selo Novas Páginas, do comentado e badalado Maurício Gomyde. Autor muito comentado por todo o seu carisma com fãs e blogueiros, seu empenho com os quatro livros lançados de forma independente e sucesso entre a maioria dos que leem seus livros. Sempre quis conhecer o cara e, com A Máquina de Contar Histórias, chegou a minha vez.

O cara jogou baixo comigo ao usar uma frase do Haruki Murakami no início do livro, muito baixo rs. Adoro esse japonês e a sua determinação ferrenha na arte de escrever:



Quando paramos para escrever um romance,

quando usamos a escrita para criar uma história,

queiramos ou não, um tipo de toxina que jaz nas

profundezas de toda a humanidade sobe à superfície.

Todo escritor precisa ficar cara a cara com essa toxina

e, consciente do perigo envolvido,

descobrir um jeito de lidar com ela.



Na história, Vinícius Becker é um escritor de sucesso absoluto. Reconhecido internacionalmente como o best seller brasileiro, a “máquina de contar histórias” que sempre irá emocionar seus leitores e levar todos às lágrimas. Ele aprender ao longo dos anos a manipular seus textos de forma minuciosa para chegar ao resultado desejado, fazendo assim enorme sucesso.

Só que essa “máquina” acaba de perder sua esposa de forma dolorida, depois de anos lutando contra a leucemia, e deixou todos na mão e sozinhos nessa hora. Tudo em prol do sucesso, dos eventos, lançamentos e obrigações de um grande autor literário. O desafio do livro é como Vinícius irá redescobrir o amor por sua família e reconquistar o amor de suas filhas, uma adolescente, muito magoada com a morte solitária da mãe, e uma menininha de quatro anos que mal tem conhecimento do pai.


O livro é cheio de quotes muito bons, cheios de inspiração sobre o mundo literário e o quanto ele pode ser vilão e mocinho. O grande autor vai largar tudo e sair em viagem com as filhas, conversar e se expor para tentar mostrar que a ausência acabou, desse amor e descobertas que trata o livro. Durante essa viagem, também vai compartilhar desse amor por literatura com a filha, e as citações que vem daí são excelentes.


Mas, para mim, a expectativa com uma leitura sempre pesa negativamente, porque ir “com muita sede ao pote” me faz olhar com maior rigidez aquele objeto de desejo. Por isso, como sempre quis conhecer o autor e sempre o vi tão bem comentado, esperava muito mais do que encontrei. A história é sim muito interessante, esse meio literário sempre encanta quem gosta de livros, aguça a curiosidade sobre como se fazem essas maravilhas que passo tanto tempo lendo e apreciando, mas a forma narrativa do autor não me segurou na leitura.

Os capítulos curtos e a forma calma de narrar os fatos podem ter ajudado, mas não me agradou a voz narrativa, e até mesmo a escolha de palavras. Sei que é questão de gosto, e isso não se discute, por isso compreendo as inúmeras avaliações positivas dos livros do Maurício, e, sim, desejo conhecer outras coisas que ele tenha escrito, mas esse primeiro me deixou chateada por não ter criado a ligação que eu esperava com a história emocionante que ele quis contar. Mesmo em livros previsíveis, como é o caso, o importante é como o autor te leva até aquele momento crucial de descoberta: não rolou, não rolou.

Espero poder vir falar de outro livro dele e dizer que esse sim me agarrou de jeito. Espero mesmo.

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

In Death Por Anne Magno #4 - A. C. Meyer - Louca Por Você

Amados, voltamos com mais um surto literário direto das minhas aquisições da Bienal Internacional do Livro 2014. Uma das surpresas que vieram na minha mala para Belém, foi o livro fofíssimo da escritora A. C. Meyer que também é uma fofa. Um romance nacional que super promete, é o livro a ser resenhado  #JÁ!.

Já tinha observado uma certa mobilização dos fãs desse livro nas redes sociais antes mesmo de chegar em Sampa. Então coloquei ele na minha check list, o triste é que não consegui ele autografado, mas o que suprimiu a minha momentânea tristeza, foi o super papo que bati com a autora via Twitter. Gente, ela responder praticamente todas as menções, tira dúvidas dos livros e ainda te dá dicas sobre os próximos. Sim, você leu direitinho, há sim uma sequência guardada para o livro.

Geralmente quando a gente termina #AQUELE livro, dá ´aquela` vontade louca, e abrasadora de sair comentado sobre tudo a respeito do livro, e como ainda não emprestei ele para as amigas, fiquei meio refém do Twitter...mas, foi ´´meio`` confortante poder conversar sobre os detalhes com a autora como se fossemos grandes amigas de longa data. Quando terminei o livro senti aquela vontade de virar beta dela...kkk

1 2 3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Então vamos a resenha!10341964_1499952993551318_6320751001627417541_n

Esse livro conta a história da Julie saindo da mesmice e do conforto de suas calças de yôga para a vida ´´adulta`` se é que deu para entender...rsrrss...considerei a Julie uma personagem muito resignada, focada e apaixonada. Ela perdeu os pais muito cedo, e também desde cedo já sabia o que queria: Cantar e ter o Daniel!

Ela é a tipica personagem que com os amigos certos, a lingerie apropriada e um pouquinho de cuidado e carinho, e ela se transforma de betty a feia, para a Megan Fox, em um piscar de olhos. E no decorrer do livro mostra como ela foi correndo atrás do que ela queria, começou com a música, aprendeu a tocar vários instrumentos e a cantar várias músicas, sem precisar ler mais que uma vez a letra...que memória hein?

Como ela ficou orfã cedo, foi criada pela família de Daniel, como uma filha muito amada. Talvez tenha surgido aí dois problemas iniciais para ela: Ela conheceu o Daniel, e ele passou a ver ela como uma irmã...mas será que ele ver ela assim, já é um GAME OVER para ela? ^^ calma, gente, se fosse não teria livro...klkkkk

Mais ela soube esperar! Cresceram e Daniel se formou e com dois amigos (lindos, gatos tuuuuuuuudddddoo...assim como ele!) abriram um bar/boate super badalado chamado After Dark.

As amigas que são chegadas a um Bad Boy literário, eu vos apresento (segurem-se nas cadeiras, e não babem muito) Daniel. Lindo chega a ser um adjetivo muito pobre para descrever este guerreiro espartano tatuado. Inteligente, genioso, atraente, sexy e intimidados, eis algumas parcas tentativas de descreve-lo.

O livro alterna capítulos entre as perspectivas de ambos. Então podemos acompanhar toda a angustia e sofrimento de ambos, por falta de comunicação (talvez), orgulho com uma pitada de provocação...kkk...gente, dizer que gostei do livro é pouco, entrou no ranking de melhores livros no ano, e para ser franca, terminei ele em 4 horas, simplesmente assim!

Além dos personagens cativantes, segredos e conquistas, eu amei a playlist que a autora colocou no livro todo, e ela teve a consideração com os fãs e descreveu a lista de músicas no fim do livro #OBRIGADA, é extremamente cansativo e desestimulador quando termino um livro e tenho que sair catando as músicas dele, certa vez ate desisti de fazer um post sobre playlist de livros, por causa disso ¬¬

Além da autora ter um bom gosto para a criação de personagens, ela ainda tem bom gosto musical, degustem da playlist do livro:

1 - Baby One More Time - Britney Spears

2 - Put Your Records On - Corinne Bailey Rae

3 - She Will Be Loved - Marron 5

4 - Fever - Madonna (gente, a cena dessa musica é de ferver mesmo!)

5 - Unwritten - Natasha Bedingfield

6 - Need You Now - Lady Antebellum

7 - Come Away With Me - Norah Jones

8 - You're Beautiful - James Blunt

9 - Take Me Out - Franz Ferdinand

10 - Brand New Me - Alicia Keys

11 - Every Night - Paul McCartney

12 - Tears In Heaven - Eric Clapton

13 - Crazy For You - Madonna

14 - Real Love - A. C. Meyer

15 - Someone Like You - Adele

16 - I Do It For You - Bryan Adams

17 - I Never Told You - Colbie Caillat

18 - You Give Me Something - James Morrison

Posso disser sem dar spoiller, que no final, a Julie se mostrou mais forte do que parecia, e não submissa de seus sentimentos no todo. Ela não é o tipo de personagem que fica rastejando muito tempo não, ela tenta 1, 2 ou até 3 vezes, não deu? A vida continua!

Um outro ponto que gostei bastante foram as cenas em que o Daniel teve que ir atrás dela, foram dignas de um Oscar, com direito a trilha sonora e rosas!

Então termino este post com a super dica: LEIA ESSE LIVRO URGENTE, deixe ele pular sua torre de livros por ler, ele é rápido e você vai se apaixonar, e depois vá lá no T.T e fale com a autora, ela é super fofa, assim a gente incentiva o trabalho dela, para sair logo o segundo livro...kkk!

Abraços de urso, espero que tenham gostado!

domingo, 31 de agosto de 2014

In Death por Fernanda Karen #02 – Tahereh Mafi – Liberta-me

Olá, meus queridos!

Vamos dar continuidade ao amor que é a trilogia "Estilhaça-me", lançada pela Editora Novo Conceito em terras tupiniquis. A resenha pode conter alguns spoilers do livro 1 (vejam a resenha aqui!).

LIBERTAME_1363575158P“Liberta-me” é o segundo livro da trilogia “Estilhaça-me” e, sério, Tahereh Mafi não está para brincadeiras!
O estilo desta autora é diferente e ousado. Poderia muito bem não dar certo (o que é a opinião de algumas pessoas, certamente), mas do meu ponto de vista, esses livros são incríveis!
Talvez alguns achem que os estou superestimando. Bem, talvez. Sou completamente apaixonada pela série. Mas não muda o fato que os livros são muito sensoriais. “Liberta-me”, em particular, é muito intenso.

Juliette enfim descobriu que não era a única com habilidades especiais. Por mais que seu dom seja uma maldição de sua perspectiva, é consolador saber que existem outros diferentes. Inclusive, Adam.
Adam pode tocá-la. E isso é incrível. É o céu. 17 anos de solidão e enfim outro ser humano pode ficar perto o suficiente sem se machucar. Sem morrer.
A relação dos dois, que é bem caliente desde o livro 1, se firma e nada pode afastá-los.
A não ser que Adam se machuque.
Eles estão abrigados no Ponto Ômega. Um lar subterrâneo em que as pessoas com habilidades especiais (diferentes dos humanos comuns) vivem e dividem tudo. Porém, Juliette simplesmente não consegue se abrir. Ela passou muito tempo internalizando tudo ao seu redor e não é fácil.
É maravilhoso como a Tahereh Mafi consegue colocar as perspectivas de Juliette nesse âmbito. Ela é uma criatura meio louca (essa é a verdade) e a narrativa, que é do seu ponto de vista, é corrida, alucinada, com palavras ou frases sublinhadas e repetidas (sem o excesso que me irritou no livro 1), com parágrafos descabidos. É interessante como a autora, de certa maneira, consegue passar ao leitor essa insanidade.

“A energia está me percorrendo com um vigor que nunca senti antes e não estou nem pensando, mas tenho que fazer alguma coisa. Preciso tocar alguma coisa e estou fechando os dedos e dobrando os joelhos e puxando meu braço para trás e
socando
meu
punho
em direção
ao
chão. (...)”

Fora a relação romântica entre Juliette e Adam, há todo o ambiente distópico que a autora criou e consolidou muito bem. Juliette tem algumas epifanias dignas de nota sobre esse novo mundo que é estranho para ela.
O Restabelecimento ainda está no poder do mundo, mas as pessoas do Ponto Ômega querem mudar essa realidade, e estão dispostos à tudo. Até entrar em uma guerra.
E a percepção de Juliette para esse fato me chamou muito a atenção.

“Mate, eles dizem... Mate porque você está lutando no time certo. Mate porque eles são maus e nós somos bons. Porque algumas pessoas são tão idiotas que pensam mesmo que há grossas linhas em neon separando o bem e o mal. (...) E me pergunto se, em alguma situação, é realmente possível justificar assassinatos como meio para atingir um fim... E me pergunto se ainda acharia meu poder incrível se eu decidisse fazer dele uma presa.
Acho que não.”

A tensão da realidade que eles vivem nunca deixa de ser perceptível e dá muito o que pensar. Os argumentos são plausíveis e, por mais coerentes que sejam, não deixam de ser dolorosos.
E mesmo em meio a todo esse sufoco de fim do mundo, guerras e mortes, Juliette ainda consegue dividir seu coração entre dois caras COMPLETAMENTE diferentes. A única coisa em comum entre eles é o amor avassalador que sentem por ela e o fato de ambos poderem tocá-la.
Warner, o antigo líder do Setor 45, ainda está no jogo e mais forte do que nunca.

497507
A autora disponibilizou um conto chamado "Destrua-me" e, sim, fiquei no chão! A história é da perspectiva de Warner e o leitor fica a par de suas verdadeiras motivações e sentimentos. E em “Liberta-me” esses sentimentos são expostos intensamente.
(Nossa, Warner me surpreendeu MUITO nesse livro! Me tirou muitos suspiros, taquicardias, suores febris e deu um "oléééé" em Adam no meu coração que é promíscuo, sim e daê?!)

E o que falar sobre o capítulo 62?!?!?! Como prévia, fiquem com meus sentimentos em gif:

 

767950

 

LIBERTAME_1400771981Micro“Liberta-me” é um livro incrível em vários sentidos. Seu final deixa uma brecha imensa para o livro 3, e sinceramente, só posso adiantar que: Juliette terá um trabalho hérculo para fazer suas escolhas.
Neste livro, Tahereh Mafi evoluiu muito se comparado à “Estilhaça-me”. A história está muito bem construída, os personagens são (desesperadoramente) apaixonantes, a narrativa é inteligente, diferente e muito original. E os feels, amigos... creio que podemos afogar neles!
A conclusão da trilogia lançou a pouco tempo no Brasil e (AIN)... em breve conversaremos sobre ela.
E vocês, que acharam de "Liberta-me"? Vem socializar comigo!

 

Beijos e até o próximo post!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

In Death por Lilian Sinfronio #06 – Liane Moriarty – O Segredo do MeuMarido

Há tantos segredos em nossas vidas que nunca conheceremos.

 O_SEGREDO_DO_MEU_MARIDO_1391364762P
Olá :)

Mais um livrinho lido pela colaboração do Grupo do Skoob, Livro Viajante. Ôh negócio viciante rs

Minha curiosidade sobre esse livro sempre esteve nas alturas pela divergência de opiniões que vi quando do lançamento. Parecia sempre trazer sentimentos como amei ou odiei e adoro tomar partido nesses casos, após ler poder dar minha opinião. Essas sensações extremas em leituras aguçam minha curiosidade, porque fico me questionando em qual dos lados eu brigaria.

O livro tem a cara do título que possui, totalmente baseado em um segredo guardado por muitos anos e que se ramificou, ganhou vida própria e afetou mais vidas do que seria de se esperar. Sobre a história, o livro fala sobre Cecília Fitspatrick, mulher de sucesso em seu meio social, mãe de três filhas adoráveis e membro reconhecido por seu brilhantismo no papel de esposa, mãe e filha. Seu marido escreveu uma carta para ser aberta quando do seu falecimento, mas Cecilia a achou quando ele ainda estava vivo e acessível a questionamentos. Essa carta muda a vida de Cecilia e de muitos ao seu redor.

Com narrativa em capítulos curtos e com histórias que vão se entremeando, esperei me empolgar mais pelo que esse segredo iria representar. Mas acho que o período de leituras que estou vivendo está sendo exigente demais e acabei me frustrando com a leitura. Não que a agilidade da autora para falar da vida em família, suas atribuições e responsabilidades não seja interessante. Pelo contrário. Só acho que a história direta seria melhor do que o suspense criado, ou talvez tenha sido minha falta de surpresa com o mistério depois de resolvido. O fato é que gostei muito dos acontecimentos da história e com a forma como tudo evoluiu – particularmente do desfecho, bem resolvido e exposto –, mas gostaria que o livro tivesse uma forma mais dinâmica (ou talvez seja minha rabugentice falando).

As histórias paralelas tiveram seu favorecimento na leitura, as relações de Tess, seu marido e sua prima, como em um triângulo meio sombrio; e Rachel, seu filho mais velho, sua nora, neto querido e um passado que não pode ser superado. Procurei valorizar cada aprendizado que o livro pudesse trazer, mas mesmo assim não consegui me encantar com a leitura como esperava e gostaria.

No fim, não amei nem odiei a leitura. Infelizmente não posso fazer algazarra na torcida dos contra ou na balburdia dos que são a favor das cinco estrelas. Um livro mediano, com história interessante mas que não me encantou com a forma de ser contada.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

In Death por Fernanda Karen #01 - Tahereh Mafi - Estilhaça-me

Olá, queridos!
Cá estou para falar sobre uma série que AMO AMO AMO: "Estilhaça-me".


Quem conhece, vem surtar! E quem não conhece (tsc, tsc), vamos corrigir isso aê, amgs.estilhaçame-Tahereh Mafi


Quando ouvi falar de "Estilhaça-me" (há anos luz atrás) fiquei muito curiosa e ansiosa para pôr as mãos nele. O livro é de um estilo que leio com frequência e gostei bastante, mas, na época, tinha uma leve impressão que ele dividiria opiniões. Dito e feito.


"Estilhaça-me" conta a história de Juliette, uma garota com um estranho poder/dom que mantém todos afastados dela. Seu toque é letal. A conhecemos quando ela está há 264 dias num hospício sozinha, até que colocam um companheiro de cela que lhe parece muito familiar. Adam é um tipo interessante e tive várias teorias para ele na história, mas a assertiva não foi muito surpreendente.
O pano de fundo da história é uma típica distopia. O mundo está em caos e uma ordem chamada "Restabelecimento" fez promessas para ajudar a ajustar as coisas; mas o tiro sai pela culatra. Em vez de ajudar, o Restabelecimento põe em xeque o bem estar da humanidade.
O livro tem vários fragmentos que nos mostra um tempo cruel para os humanos. Finalmente eles estão colhendo o que plantaram.
E, bem, o Restabelecimento quer usar Juliette como uma arma.
Depois que Juliette sai do hospício, é oferecido a ela um mundo de possibilidades se, em troca, ela colaborar com seus "poderes". Mas ela mantém uma postura rebelde que lhe trará algumas tensões.
Warner, o comandante do setor que tem a custódia de Juliette, é um jovem lindo, e muito, muito, perigoso. Sua obsessão por Juliette é evidente e ele não vai descansar enquanto não conseguir seus objetivos.


A história tem um ritmo bem legal, mas a autora usou de alguns métodos estranhos. O que, de fato, achei interessante foram os termos sublinhados, mas a falta de pontuação e a repetição excessiva de palavras tornam o livro um tanto cansativo. É tudo proposital, pois vemos as coisas da perspectiva de uma perturbada e confusa Juliette, mas ela usa esse método em excesso então fica cansativo, sim.
"Estilhaça-me" também é repleto de um romance sensual. Adam e Warner mexem profundamente com Juliette (e com as leitoras também) (ok, comigo).




[caption id="attachment_8209" align="aligncenter" width="300"]758376 AIN, TAHEREH! Warner e Adam, ain.[/caption]

Pra falar a verdade, a história não é muito original. O final dela lembrará uma outra muito conhecida, e esse fato (talvez) anime alguns leitores (me julguem, mas eu fiquei animada! TUNCHZ TUNCHZ TUNCHZ).


ESTILHACAME_1400771828MiniExistem muitas informações que não foram esclarecidas, mas calma, este é o livro UM de uma trilogia. As continuações já foram lançadas aqui no Brasil pela editora Novo Conceito e em breve terá mais pitaco sobre a trilogia aqui no In Death.
O que devo sublinhar é que “Estilhaça-me” é o livro mais fraco da trilogia. Mas, acreditem, as continuações são de tirar o fôlego. Só uma dica: insistir nos livros vale muito a pena.


E ainda tem novidade: a Novo Conceito mudou a capa do ultimo livro da trilogia e para não transtornar estantes alheias, fez jackets e distribuiu gratuitamente em seu site. As capas novas são iguais as capas americanas e, particularmente, eu adorei. Minha estante está linda de morrer agora. Mwah.


Até breve, queridos!


 

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

In Death por Anne Magno #03 - C. J. Redwine - Desafio

Já dizia um certo marciano da Looney Tunes, chamado Marvin: ´´De volta a mesa de planejamento``, regressando ao meu amado teclado para fazer uma das coisas que mais gosto: Resenhar!


Devo admitir que o título do livro de hoje, já descreve muito bem o que possivelmente (assim como eu) vai achar dele. Desafio da autora C. J. Redwine, me ganhou pela capa, e me intrigou pelo conteúdo.


Essa resenha vai começar como o livro, aviso logo aos navegantes, meio bruscamente…rsrsrs


Por que foi desafiador ler esse livro?


Até a metade do livro eu achei que o ambiente em que a aventura da Rachel com o Logan acontece fosse, ´´tipo assim`` …a terra média ou algo muito parecido! Até que a Rachel láaaaaaaa pelo capítulo 37…descreve o seu local de refúgio durante a noite!




Paramos para passar a noite abrigados em um prédio de concreto em forma de caixa, do quela somente dois lados ainda estão de pé, resistindo contra as intempéries e a passagem dos anos. Deixamos King´s City para trás há duas horas e eu estou aliviada. Os restos de metal retorcido dos prédios que antigamente serviam de moradia para uma civilização vibrante agora são apenas cascas enegrecidas cobertas de fuligem e tomadas pelas trepadeiras. Andar entre elas me deixa nervosa. É uma lembrança dura do que o Maldito é capaz de fazer conosco se não continuarmos junto daqueles que comprovaram sua capacidade de nos proteger.



E voilá…descobri que o ambiente da história é, na verdade, uma terra em um futuro incerto. Onde a civilização aparentemente regrediu em hábitos culturais e comportamentais… principalmente com relação as mulheres.


Então esqueça esse nosso ambiente entre prédios e passeios livremente, e engula o contexto de DESAFIO onde as mulheres só podem andar nas ruas com um protetor e as casas são feitas de materiais um tanto rudimentares: tendas, casas de madeira não trabalhada, tavernas com lamparinas… e você encontrará o povo de Baaldoden tentando se recuperar de um ataque meio estranho.


safe_image


O que aconteceu com a terra?


Calma, eu não vou contar spoillers do livro…mas, sugiro que você tenha em mente essa imagem real, de um acontecimento recente na Sibéria. Aparentemente surgiram crateras enormes esse ano por lá. Kkkkkk...


#ENTENDEDORESENTENDERAO


Os personagens?


A estória é contada por Logan e Rachel, alternando não sistematicamente quem conta os fatos.


Logan é um pária na cidade por culpa de seu governante, ao redor dele rondam muitos mistérios, principalmente sobre seus pais. Ele foi aceito como aprendiz do inventor e mensageiro da cidade. Ele faz parte da comunidade de Baaldobem, mesmo sem se sentir parte de nada.


Para entender Rachel, tenhamos em mente aquelas crendices populares sobre as ruivas, como por exemplo: que elas tem um temperamento bem característico (eu sinceramente não sei se essas crendices são verídicas…mas…kkkk…brincadeira!) ela foi criada sem mãe, por um pai que sabe se virar na floresta, e luta muito bem…então como você imagina que seja a Rachel?


Eles dois não se bicam muito desde o aniversario de 16 anos da Rachel, há dois anos. O motivo é spoiller..então vá ler o livro para descobrir.


O livro conta as histórias e desventuras de uma garota que teve de amadurecer muito rápido e não da melhor forma possível, quando o mundo dela foi desmoronando sobre a sola de suas botas de combate, e após uma luta intensa de poder com o comandante da cidade-estado (sim, voltaram a viver em cidade-estado, como na civilização grega!), ela enfim consegue ir atrás de seu, sumido, pai.


Infelizmente ela não pode contar com a ajuda de Logan durante parte da viagem!


Sim! Eles tem de aprender a deixar suas diferenças de lado, porque enquanto o mesmo tem que lidar com problemas que o acorrentam a cidade, impossibilitando ele de acompanhá-la e protegê-la durante sua viagem ariscada. Rachel tem que colocar a teste os ensinamentos de seu pai, e continuar amadurecendo na marra!


Para duas pessoas que não se falavam muito eles, em minha humilde opinião, são quase gêmeos siameses em pensamentos…ele diz que não tolera ela, ela idem, mas quando a autora descreve seus pensamentos sobre eles mesmos, eles são muito parecidos…ele não admite que ama ela, e ela não fica por baixo. Mas os pensamentos deles dizem o contrário.


O livro é parte de uma série de livros da autora, onde aos poucos ela vai nos apresentando o mundo de Baaldobem, e nos contando o que de fato aconteceu com a terra. Nesse primeiro livro a mesma, deixa variassssssssss pontas soltas, para o decorrer da história. E no fim do livro ou você vai amá-lo ou odiá-lo.


Fica as dicas:


– Leia o livro.


– Durante a leitura vá anotando as pontas soltas que vão fazer você querer que a autora se explique logo!


Até a próxima!

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

NEWS: [Promoção] Novo Conceito sorteia o Lev!

 



Oie Gente!

Acho que todo mundo sabe do meu enorme amor  vício por tecnologia, né?


Então, sempre que eu topo com uma promoção do tipo, tenho que compartilhar aqui.


E dessa vez não é diferente...


A Novo Conceito preparou esse post, com esse sorteio e não resisti... Hihihih


********


Uma coisa que sempre fazemos é ficar de olho nas mudanças esperadas pelos leitores. Afinal, não apenas publicamos os livros que todos curtem, mas acompanhamos tendências, formatos e ferramentas que facilitam a vida de quem, como nós, ama esse universo.


Para a galera do digital, que gosta de levar a sua estante de livros para onde for, temos uma coisa muito legal para apresentar: é o Lev – http://goo.gl/EXnIcq –, o novo e-reader da Saraiva, que, além de compacto, pode armazenar em seu interior até 4.000 títulos *-*. Tem cartão externo para armazenar seus documentos, tela HD e ainda permite que você leia PDFs e EPUBs sem nenhuma dificuldade. E o melhor: a facilidade Saraiva para comprar on-line, com cartão de crédito, boleto ou débito em conta.


Mas porque estamos falando tanto dele? Adivinhem...


#PromoçãoNC, é claro!


Para comemorar o lançamento do Lev, o Grupo Editorial Novo Conceito e a Livraria Saraiva vão sortear 4 aparelhos nas redes sociais. Quer mais? Em cada um deles você encontrará um dos nossos esperados lançamentos!


Serão 04 sorteios através da ferramenta Sorteie.me:


• Entre os dias 05 e 07 de agosto, sortearemos 1 Lev + e-book As sete irmãs.
• Entre os dias 07 e 11 de agosto, o prêmio é 1 Lev + e-book A garota mais fria de Coldtown.
• Entre os dias 11 e 13 de agosto, 1 Lev + Perdendo-me.
• E entre os dias 13 e 15 de agosto, uma semana antes da Bienal de São Paulo, o prêmio será 1 Lev com luz embutida + e-book Se eu ficar.


Você não terá apenas uma, mas QUATRO oportunidades de levar essa novidade para casa. Basta ficar de olho na fanpage e seguir o regulamento de cada promoção.


*******


Então que tal aproveitarem a promoção e levarem um Lev para casa?


Beijos!



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

terça-feira, 5 de agosto de 2014

In Death por Lilian Sinfronio #05 - Suzanne Collins - Gregor: AsCrônicas do Subterrâneo

Sou daquelas criaturas estranhas que preferem conhecer um autor por sua obra menos conhecida, seu trabalho menos comentado e mais tímido. No caso, o mais tímido já foi uma baita coleção de cinco livros que devorei assim que me caia nas mãos. Outro fator de desespero para qualquer leitor desesperado é ter que esperar meses ou – deus me ajude – anos por uma continuação, naquele limbo sombrio de “o que aconteceu com meus personagens preferidos”, até o mais famoso “Por que comigo, por quê?”. Por isso, fiquei feliz e satisfeita ao saber que todos os livros já haviam sido lançados em terras tupiniquins e estavam acessíveis, no meu caso, através de empréstimo maroto de amizades queridas.

Nos livros, conheci o Gregor,  e olha... esse menino tem um peso de responsabilidade maior que muito homem barbado por aí, mesmo aos onze anos. Seu pai sumiu há dois anos e meio e ele é o “homem” da casa, cuidando de sua avó frágil e suas duas irmãs menores, enquanto a mãe trabalha desesperadamente para sustentar todos. Um dia, ele escorrega pela tubulação de ventilação de sua lavanderia e cai tanto que acaba descobrindo um novo mundo: O Subterrâneo, onde seres humanos convivem com grandes animais falantes, entre baratas (ou rastejantes), aranhas (ou fiandeiros) ou ratos. Nesse lugar cheio de criaturas e pessoas estranhas, Gregor acaba fazendo muitos amigos e inimigos, descobrindo habilidades – e muitos defeitos – além de salvar o dia mais de uma vez. Sempre em busca de salvar alguém de sua família, ou de socorrer o povo sofrido do Subterrâneo, Gregor se mete em várias bagunças.

Lá no Subterrâneo, Gregor é considerado um Guerreiro esperado por muitos anos, já que um carinha chamado Sandwich escreveu muitas profecias que previam a vinda de um Guerreiro que iria lutar em nome de Regália, a cidade dos humanos, e iria salvar todos da destruição.

Os livros fazem parte d’As Crônicas do Subterrâneo, e possuem cinco livros, já lançados por aqui pela Galera Record:






Li os três primeiros livros em três dias, emprestados de uma amiga. Uma delícia. A autora enche a história de uma agilidade gostosa, e não seria clichê nenhum dizer que as páginas foram virando sozinhas de tão grudada que estava na leitura. A linguagem acessível e as atitudes sempre heroicas do protagonista ajudavam, além dos elementos engraçados e curiosos da história, como a fofa Boots, irmã de dois anos de Gregor que se viu metida nessa viagem e, de cara, foi considerada princesa por todas as baratas. Uma gracinha. Além de tudo, Luxa, a futura rainha de Regália ainda com 11 anos, jovem demais para reinar, mas destemida como Gregor e sempre estará com ele nas aventuras.

No final de cada livro, Gregor encerra um ciclo e precisa parar pra avaliar suas perdas e ganhos e tentar voltar à realidade de um menino de 12 anos, que não tem nada de especial no mundo normal. Isso tem características semelhantes com a maioria dos infantojuvenis, onde o mocinho é jovem e bravo, mas Suzanne Collins conseguiu construir um mundo interessante, engraçado e que tive vontade de revisitar. Ela criou em Gregor um menino a ser admirado, de uma bravura que todo garoto dessa idade queria ter, não sem medos, mas cheio de vontade de ajudar e salvar pessoas, a ponto de vencer seus receios e aprender com eles.

IMG_0522

No quarto volume senti um baque na leitura. De todos, esse foi o mais arrastado, mas, mesmo assim, consegui encontrar aquele encantamento durante a leitura, aquela leitura leve e alegre dos infantojuvenis.

Então, no quinto e último volume, fui cheia de sede ao pote, ávida por saber como Gregor ia resolver um monte de pepinos e entender, finalmente, alguns sentimentos reprimidos durante os livros anteriores. No início, o livro estava frenético e desesperadoramente viciante, mas com a evolução da leitura fui percebendo que não tinha como a autora resolver algumas questões e que eu iria ficar muito chateada. Não deu outra! O final do livro me deixou fula da vida, não acreditei que ela fez isso comigo... ainda estou tentando superar o baque e entender os motivos da autora. Preciso de pessoas para comentar o final, pufavô.

Portanto, na soma dos quadrados dos catetos que é igual a alguma coisa que não lembro mais... ou seja, no frigir dos ovos, a leitura valeu muito a pena. O que quero dizer é que os livros são muito bons no gênero ao qual pertencem, são estimulantes e gostosos de ler, MAS queria bater um papo sério com a autora para que ela me explicasse o que quis com o final. rs.

Para aquelas pessoas já crescidinhas mas de mente aberta, que não perdem a oportunidade de se divertir – e, por vezes, aprender – com um livro: experimente Gregor.

Agora me sinto pronta para conhecer a trilogia mais conhecida mega comentada da autora. Que venham os Jogos Vorazes.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

In Death por Anne Magno #02 - Nora Roberts - Álbum de Casamento

Olá leitoras vorazes do In_Death, estou chegando na #Tel@!


álbum de casamento


Há alguns meses fui convidada pela chefinha do blog a participar de um evento literário em nossa cidade, e em seguida recebi a grande honra de ser convidada para resenhar também para o mencionado e amado blog. Vocês nem precisam cogitar qual foi a minha resposta, receber (mais) livros e poder escrever livremente sobre os mesmos, é para deixar qualquer bookaholic feliz da vida.


Bom para quem não me conhece de resenhas ou eventos em Belém (ou de bienais), lá vamos nós, meu nome é Anne, sou uma Assistente Social apaixonada pela profissão e especializada em grupos familiares e politicas públicas, concurseira de plantão, uma bookaholic romantizada, artista plástica quanto inspirada, K-doramaniaca sempre que dá tempo de baixar ou assistir (ou meus ´oppas` estrelam um novo dorama), e colaboradora de blogs literários como o Garota Pai D´egua e agora o In_death. Resolvi fazer um autoteste como resenhista nova no pedaço, meter a cara escrevendo sobre uma das autoras mas amadas pela Bah, a então máquina de best-sellers, Nora Roberts. A ´´dona da casa`` disse que eu tinha passe livre para escrever, então lá vamos nós.


A resenha de hoje, fala sobre uma das novas séries dela chamada ´´o quarteto de noivas``. Este foi o meu primeiro contato com a autora em questão, e devo admitir que já tinha ouvido muito sobre a mesma, mas quando parei para pesquisar sobre suas obras, fiquei um pouco intimidada, ou no mínimo assutada quando vi quantos livros essa diva literária já havia escrito, e resolvi esperar um pouco mais ou uma indicação literária mais insistente, eu sei…eu sei…Noraholics me perdoem e não me odeiem.


Mas como eu já sabia que se tratava de uma ótima autora, e quem me recomendou (já tinha babado horrores sobre os livros dela) e me deu o livro é muito (Leia-se: muito, muito, muito…) fan dela, me deixei cair em tentação, e li (que rufem os tambores) o livro álbum de casamento.


#MOMENTOSURTADA: Não poderia deixar de começar a falar do livro, sem falar do esguiamente feroz, nerdemente sedutor e lindamente estabanado, Carter. Eu simplesmente amo esses Nerds cativantes nos livros, e o Carter entrou para o meu NERD List em 2° lugar, nada menos que isso. Um professor, com mestrado, que resolve voltar a lecionar em seu antigo High School, e que ainda por cima gosta de Austen, assim como clássicos da literatura inglesa, já tem com certeza um espaço no meu coração bookaholic. E ainda por cima ele escreve um livro também, dentro do livro...nhowm.


Achei o livro de uma leitura rápida, e isso por um lado é ótimo, pois em uma tarde que tem tudo para ser chatinha, a leitura desse livro pode transformar sua tarde em um doce (um bem-casado, para entrar no clima do tema do livro) com uma história cheia de altos e baixos, com um quarteto de amigas que você pode se identificar com uma delas, ou porque não, com todas elas em um dado momento de sua vida.


Mas, o lado ruim dele ser rápido, é que você logo que saber o que acontecera com a próxima amiga e você se depara com a triste realidade: É UMA SÉRIE EM ANDAMENTO. Ou seja, você tem que esperar os demais livros serem publicados, é um sofrimento para qualquer coração bookaholic.


Esse livro fala sobre segundas chances, tanto da Mackensie com o Carter, quanto a vida individual deles. Mack é uma fotografa genial que ama o seu trabalho e sua liberdade no trabalho, mas por trás dessa paixão há marcar de uma infância e adolescência marcada pelo que hoje podemos chamar de terrorismo psicológico e afetivo parental…no caso dela, ela sofre desse terrorismo por causa da mãe dela, que tem síndrome de Peter Pan e não quer crescer (já deu para perceber que eu não suportttttttttto aquela vaaaaaca da mãe dela) e fica sempre rondando a Mack, e deixando ela em frangalhos.


Mas ela sempre pôde contar com as suas fiéis escudeiras, Parker, Emma e Lauren, com quem além de dividir os dramas com a mãe, ainda trabalha com as elas em uma mega mansão onde tudo pode acontecer de fantástico, quando se trata em realizar o casamento de conto de fadas.


O carter além de fofamente nerd, também tem que superar alguns entraves de sua vida amorosa e se jogar de vez, se ariscando e expondo para conseguir chegar em quem ele sempre sonhou desde o colégio, a Mack, superando os rotineiros afastamentos dela por causa da mãe, e pelo medo dela. Mostrando que ele pode ser a lente pela qual ela vai poder enxergar uma nova imagem da vida (nossa isso foi quase poético, to inspirada mesmo!).


As desventuras deles dois, eu não consigo descrever de tão cativante, sem contar spoillers, e eu sou contra soltar spoillers assim (posso contar por outras redes sociais, mas não em uma resenha minha! rsrsrs)…mas o Carter (arfandooooooooooooo) é o Carter. Ao mesmo tempo que a Mack dá um passo para trás ele acompanha ela para que não haja um afastamento (novamente) entre eles, e assim eles vão dançando, até queeeeeeeeeee…você vai ter que ler o livro para descobrir!


O livro é super bem escrito, eu amei esse meu primeiro momento com a autora, a sensação que tive foi que estava lendo um livro escrito por uma amiga muito próxima, e achei incrível que ela conseguisse me proporcionar esse sentimento logo no primeiro livro em que tenho contato. Eu não posso me considerar (ainda) uma Noraholics, eu admito, mas eu super indico o livro, e estou muito ansiosa para saber o que vai acontecer com as demais amigas, que serão as personagens principais dos próximos volumes da série.


Fica a dica!


SKOOB -  GOODREADS - EDITORA ARQUEIRO

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Apresentando: Fernanda Karen

Oie Gente!!


Terminando as apresentações, hoje é o dia da Fernanda Karen!


Fêeee! Seja bem-vinda e espero que tu te divirtas muito por aqui!


Nome: Fernanda Karen.


Cidade: Belém/ PA.


Profissão: Estudante/estagiária de Serviço Social.


Estilo preferido: Acredito que existem coisas boas e ruins em todos os gêneros literários, então procuro ler de tudo. Não consigo favoritar um estilo. Sorry.


Estilo odiado: Não odeio, mas leio bem pouco de Auto-ajuda.


Autor/Roteirista que desejas matar: Felipe Neto (Nunca li o livro dele, mas o acho um antipático. Ah, e eu não o mataria; Só aleijaria. Rsssssss.)


Livro/Série que mudaria o final: O início e o meio também da série Hush Hush.


Personagem com quem casarias (vale elf@, vampir@, werewolf, detetive, tenentes, ladrões, etc):


 *Suspira* Não queria parecer promiscua mas já que a questão foi levantada, vou apontar meus principais amores da vida:
Seth Mortensen, da série Georgina Kincaid;
James Carstairs, da série As Peças Infernais;
Fitzwilliam Darcy, de Orgulho e Preconceito.
Ian Clarke, de Perdida;
Adrian Ivashkov, da série Vampire Academy e Bloodlines;
Augustus Waters, de A Culpa e das Estrelas;


Luke-só-pensa-naquilo-Costello, de Férias;


Dentre outros. (GENTE, QUE PERGUNTA DIFÍCIL, VIU.)


Tu sequestrarias __Richelle Mead____ pra escrever só pra ti. (A manteria em cárcere privado - casa, comida e roupa lavada - com muito amor).


Quote favorito: Vou expor o do meu livro folheado da vez:
"... e se assustou com a suspeita tardia de que é a vida, mais que a morte, a que não tem limites." - O amor nos tempos do cólera, de Gabriel García Márquez.


Além de ler/assistir séries, gosta de: Socializar, cinema e dormir.


Enquanto estás lendo preferes: Pessoas no mute.


Coisa que te irrita quando estás lendo: Chamarem meu nome aos gritos. (Minha mãe faz muito isso. PARA, MÃE!)


O que te faz desistir de uma série/um livro?: É super difícil eu desistir de leituras mas quando a narrativa é chata fico desestimulada, então dou um tempo e panz.


Rápido, indique um livro/uma série!: Bloodlines (e isso inclui Vampire Academy!) e As Peças Infernais.


Quente, fervendo ou pegando fogo?: IN FIREEEE!


Drama, comédia ou policial?: Drama/Comédia.


Se fosse possível viver em um livro/série, qual seria?: Perdida, de Carina Rissi. (Livro adorável, ARGH! <3)


No teu futuro imediato está: Estudos acadêmicos com eventuais (ok, frequentes) furadas de filas para livros literários.


Onde mais te encontramos?: Reclamando da vida e surtando por livros (selado!) no twitter: @FernandaKaren (https://twitter.com/FernandaKaren) e nos blogs Nem te Conto (http://nemtecontoblogg.blogspot.com.br/) e Garota Pai D'Égua (http://www.garotapaidegua.com.br/).


Também no instagram e no Skoob

sexta-feira, 25 de julho de 2014

In Death por Lilian Sinfronio #04 - Amanda Brooke - A Escolha do Coração

O seu humano é uma criatura muito frágil, se a gente parar para pensar bem. Nas Imageadversidades, a primeira coisa que o cérebro faz é querer dar pau e apagar tudo, já repararam? Em qualquer crise, o que chamam de surto nervoso nada mais é do que o cérebro ~cretino~ relutando em aceitar ou lidar com algum problema que possa causar dano estrutural. Fala sério.


A única figura a ir contra essa assertiva é uma mãe, reconhecidamente a fera mais indômita que pode haver. Qualquer mulher, por mais frágil que possa ter sido dali pra trás, nunca tem sua fúria ignorada quando o assunto é a saúde e bem estar de sua prole. É uma coisa mais instintiva do que racional, o que prova que somos ligeiramente Frágeis & Irracionais. Mas peraí que essa resenha não está tomando o caminho esperado.


A Escolha de uma mãe entre a sua vida ou a de seu filho nunca parece ser uma dúvida, digo isso como afirmativa hipotética, já que não sou mãe e meu único instinto materno é o canino (e mesmo assim é forte, olha). Tendo que escolher entre seu bem estar e o de seu pequeno bebê não há dúvida sobre qual a escolha, MAS e se essa vida ainda fosse algo a ser  gestado no futuro? E se a opção for viver sua vida feliz sem ser mãe OU ter uma linda bebê mas nunca poder carregá-la? Essa parece ser uma simples questão, para quem nunca teve a experiência de carregar o fruto de nove meses de amor e dedicação antes de ter que abdicar dele.


Os mais práticos certamente não vão encontrar na leitura de A Escolha do Coração uma boa companhia, mas as questões que o livro traz podem ser de grande valor. Saca só, se qualquer um pudesse saber do seu futuro e fazer escolhas mais acertadas a partir do que sabe, alguém aguentaria a responsabilidade das consequências disso?


Eu, sinceramente, acho que ninguém conseguiria brincar de ser Deus... e mesmo assim a maioria de nós gostaria de poder “adivinhar” como a vida termina. Então, basicamente, o que estou querendo dizer é que, todos gostaríamos de saber do futuro mas ninguém conseguiria aguentar o fardo das perdas e ganhos, MENOS uma mãe que estivesse lutando por um filho.


A autora iniciante, Amanda Brooke, trouxe para sua estreia um romance excelente. Nele, Holly, nossa protagonista, vai ter que “viajar no tempo”, conhecer a filha que a aguarda e decidir se vale a pena morrer por ela. Essa nova abordagem de viagem no tempo foi feita de forma suave, tanto que nem achei clichê, e todos os outros elementos de um bom romance estiveram ali – desde o marido perfeito que todas gritam e desejam até aquela senhora amiga e amorosa para todos os momentos.


Um bom mês de julho para leituras, um excelente mês na verdade.


                                             SKOOB -  NOVO CONCEITO - YESTERDAY'S SUN

quinta-feira, 24 de julho de 2014

NEWS: Kindle Unlimited

Oie Gente!


20140724-170944-61784067.jpg
Não sei se alguém por aqui tem conta na Amazon (na loja americana), mas para quem tem, temos uma grande novidade.
O Kindle unlimited é um serviço novo da Amazon de deixar qualquer bookaholic louco da silva sauro!
Por uma assinatura de $9,90 mensais, você tem acesso ilimitado aos ebooks e áudiobooks da Amazon. São 600 mil títulos, minha gente!
Para quem quiser enlouquecer, surtar, entrar em êxtase bookahólico, basta clicar aqui e fazer a festa: http://amazon.com/kindleunlimited


Não, eu não estou recebendo dinheiro para fazer a propaganda... Ela está sendo feito apenas pelo meu surto desenfreado com a ideia de acesso a 600 mil títulos por menos de 30 Dilmas.
Gente, é o preço de um livro, dos mais baratos...
Eu surtei geral e completamente, quando a Garota Pai D'égua me contou isso semana passada.


Tem de tudo lá... Todo tipo de livro...


20140724-170047-61247617.jpg


Eu só testei a loja americana e, pela quantidade de livros dentro da categoria romance, acredito que, por enquanto, só livros em inglês.


20140724-170350-61430323.jpg


Mas estou tentando me conter e lembrar que existe uma vida fora do Kindle, então não explorei tudo ainda.
Se alguém precisar de mais detalhes é só chamar!


Beijos!

sexta-feira, 18 de julho de 2014

In Death por Lilian Sinfronio #03 - Viviana Mazza - Malala - A Menina Mais Corajosa do Mundo

MALALA_1396922418P


Malala é um nome simples, mas hoje reconhecido internacionalmente como símbolo de luta pela liberdade das mulheres, desde o ir e vir até o mais forte de todos, o direito a educação. Durante alguns meses muito se falou dessa menina paquistanesa que foi contra todo o temido talibã pelo direito de ir à escola junto com suas amigas e poder aprender, como qualquer um dos seus irmãos menores.


Para qualquer um que esteja fora do contexto da região, simplificando bastante, rola muito conflito político/religioso por aquelas bandas, onde muito se proíbe e por tudo se mata, principalmente as mulheres, que são proibidas de tudo e renegadas ao desprezo de serem “mu.lhe.res”. Triste.


Malala não foi a única a sofrer as consequências por tentar ter mais do que impuseram a ela. Ela foi sim usada como exemplo para todo o horror que acontece em locais onde a intolerância religiosa é tão forte. Não que essa intolerância seja novidade em qualquer lugar do mundo, mas onde o uso da arma acaba sendo a solução para o conflito, garotas como Malala são o que acontece todo dia, não a exceção.


O livro lançado pela jornalista Viviana Mazza, em 2013, veio junto com toda aquela enxurrada de informações e holofotes sobre a garota Malala, que aos 15 anos foi perseguida pelos Talibãs e sofreu um atentado que quase a matou. No livro, ela reconta a história desde os 11 anos de Malala, quando a menina viu sua escola sendo fechada e sua família e amigos sofrendo restrições e tendo que fugir da violência.


O livro em si é simples, até demais. Acho que esperei demais do título forte, misturado com a expectativa de tudo o que vi do assunto. Queria algo como um estudo profundo do ponto de vista autora, mas o que encontrei foi um relato muito romanceado e simplista da vida e vivências de Malala. Com capítulos curtos e rapidíssimos, a autora toma a liberdade de relatar os pensamentos da adolescente que não se conformou com as castrações impostas por alguns e resolveu que iria falar ao mundo, mesmo que começasse pequeno.


Fiquei um tanto decepcionada em saber do distanciamento da autora e concluir da impossibilidade dela em saciar minha curiosidade. Enfim, o livro traz um olhar simplista porém válido, vai de cada um buscar mais e tirar suas conclusões sobre o que essa garota significou e buscou.


 

*Esse livro foi lido através do Grupo do Livro Viajante no Skoob*


                               SKOOB  - GOODREADS - STORIA DI MALALA

quarta-feira, 16 de julho de 2014

In Death por Anne Magno #01 - A.G. Howard - O Lado Mais Sombrio

Oi, gente como estamos?


O-Lado-mais-Sombrio


A pergunta de hoje, para adentrarmos no livro do dia é: Vocês fazem uma lista (física ou mental) dos dez melhores livros que vocês leram no ano? Ou no semestre?


Bom, eu faço, e em junho tive o prazer de conhecer um dos livros que vão compor minha top #5 (que são os mais mais da top #10) desse semestre.


Não sou muito inteirada sobre a leitura de contos de fadas, e o único contato que tenho com esses são os personagens que encontro em Once Upon a Time (a série) onde os vejo todos juntos e misturados.


Alguém aqui nessa resenha, já leu a história de Alice no país das maravilhas? Pois é, se você leu, parabéns, se não, após a resenha que estou tentando escrever espero no mínimo despertar em você a curiosidade que floresceu em mim sobre o conto de fadas. O livro que provocou toda uma série massiva de quotes no meu Twitter se chama, O lado mais sombrio, escrito pela bibliotecária escolar (cosplay de Alice) A. G. Howard.


O livro pode, assim como não pode, se é que deu para entender, ser considerado uma nova roupagem do citado conto de fadas. A princípio devo admitir que achei a capa do livro meio assustadora.


E no mínimo espera um livro bem macabro, não que ele também não seja...rsrsrs...mas a estória não é bem assim. E observando que parte da minha incoerência textual se dá pela confusão que esse livro me causou.


Como esperado, o livro é inserido no gênero fantástico, com uma colher de chá de romance.


Bom, passemos a resenha, o livro conta a história da Alyssa Victoria Gardner, e ela é nada mais, nada menos que a das bisnetas da Alice que inspirou Lewis Carroll, a escrever o ´´Alice no país das maravilhas``, mas com exceção do cabelo loiríssimo e os olhos que são duas safiras, ela nada tem a ver, ou, pelo menos, prefere pensar assim, com sua antepassada tachada de louca e internada numa casa de repouso antes de morrer.


Considerei a Alyssa uma mistura de gothic lolita e nas horas vagas uma grunge skatista, ela usa drads roxos no cabelo, faz um make tipo gatinha nos olhos, e adora botas, e por aí vai, porque citar algumas coisas na sua aparência ou modo de vestir, até certo ponto também pode ser spoiller.


Ela vive com o seu pai, que é dono de uma loja de materiais esportivos, a sua mãe, após um episódio fatídico na infância da Alyssa, resolveu se internar em uma casa de repouso. Sua melhor amiga ataca de personal stylist para a Alyssa, e o Jeb...a (suspiros melosos) o Jeb!


A história começa quando Alyssa toma uma decisão drástica de parar de fugir da história de sua família, e procurar as ´´cartas`` que estavam faltando no jogo em questão. E para melhorar o humor dela, o Jeb, que ate então é seu melhor amigo, ainda resolveu ir para a Inglaterra com a sua namorada Taylor.


Alyssa literalmente cai na toca do coelho para descobrir (e fugir das realidade, que é: Jeb vai para a Inglaterra com a Tay!), e salvar sua mãe de uma sessão de tratamento de choque. E descobre que tudo o que seus olhos viam e a forma que ela percebia a vida, estava tudo errado, e que nem tudo era o que parecia no espelho.




Top #5 – ALERTA SPOILLER LEVES: o livro entrou para a minha lista, porque eu jamais esperava conhecer uma interpretação do país das maravilhas e seus personagens da forma como a escritora fez. Foi mas aceitável para mim compreender, esse país maravilhosamente maluco nessa nova leitura. Onde o coelho não é tão fofo e branquinho, a lagarta já é uma mariposa, chamada Morpheu, e que ainda por cima é lindo demais. A rainha vermelha já é outra pessoa, a rainha branca sumiu.




Uma das coisas que percebi com o livro, e comecei a aceitar, nos sentido literário, é: pode sim, ser possível amar duas pessoas (caras) ao mesmo tempo, por que o amor toma várias escalas e proporções, como uma escala de cores de Newton.


Morpheu (gritos loucos, desvairados, arfando), consegui ensinar isso para a Alyssa.


O que falar do Morpheu? Ele é a nova forma da lagarta, ele é: lindo, ousado, inteligente, sedutor, valente e sábio. E ele é azul! Com pedras preciosas ao redor de seus olhos, que entregam qualquer emoção que ele possa sentir. Ele ajuda (dando uma nova conotação a palavra!) a Alyssa em sua jornada pelo país das maravilhas, junto com o Jeb, que foi parar lá da forma mais estranha possível.


A história é bem escrita, é cativante, e felizmente parece ter uma continuação, pois segundo minha pesquisa no skoob, se trata de uma série chamada, Splintered, e esse é apenas o livro 01.


O final do livro, apesar de ´´FELIZES PARA SEMPRE`` e isso não é spoiller, tem uma parte bem real, e acho difícil decepcionar o leitor.


Para quem leu o livro de Lewis, fica a dica para novas descobertas in Wonderland, e para quem ainda não leu o sonho de Alice, leia, e também a este livro resenhado, porque você vai achar certas explicações da autora para algumas coisas bem razoáveis, que antes pareciam bem malucas em Lewis.


O que posso garantir, é: você nunca viu através desse espelho para Wonderland.


Fica a dica e até a próxima.


Espero que tenham curtido a resenha, abraços de urso!


SKOOB NOVO CONCEITO – GOODREADS

terça-feira, 15 de julho de 2014

Noraholicando #17 - Nora Roberts - Mar de Rosas

Oie Gente!


Hoje tem mais Nora Roberts!


Dessa vez será “Mar de Rosas”, segundo volume do “Quarteto de Noivas”.


Dessa vez prometo ser um pouco mais centrada: não falar tanto sobre o Carter e falar um pouco mais sobre a série o livro.


Primeiro, os nomes!
O “Quarteto de Noivas” é formado por quatro amigas do estilo “desde sempre”, Mac, Emma, Laurel e Parker. Elas montaram uma empresa de organização de eventos, especializada em casamentos e estão fazendo cada vez mais sucesso.


A Mac é a fotógrafa, Emma a florista, Laurel a chef e Parker é a organizadora-resolvedora-de-crises-etc.
Além dessas quatro loucas, temos o Carter (pausa para gritinhos histéricos), Jack, Delaney e Mal, quatro espécimes masculinas perfeitas, daquele tipo que nós adoramos e desejamos e que, assim que inventada, usaremos uma poção mágica para entrar nos livros e conseguir.


Vocês sabem o motivo de eu adorar essa série? Além do óbvio? É que apesar do nome hiperomântico, ela é tudo, menos água-com-açúcar.
Primeiro porque tem todo aquele enrolar de lençóis, segundo porque temos, bem... coisas como estas acontecendo o tempo todo:




Entraram na cozinha e o caos estava instalado ali.
Enquanto Maureen Grady, a retidão em pessoa, trabalhava diante do fogão, com movimentos eficientes e o rosto plácido, Parker e Laurel estavam paradas uma diante da outra.
– Temos que fazer – insistia Parker.
– Merda, merda, merda.
– Isso é trabalho, Laurel. E no trabalho você faz o que o cliente quer.
– Eu vou lhe dizer o que eu gostaria de servir para essa cliente...
– Pare com isso. – Parker, com o cabelo castanho preso num rabo de cavalo, já estava usando um terninho azul-escuro próprio para as reuniões com clientes. Os olhos dela faiscavam de impaciência. – Olhe, já fiz uma lista das coisas que ela escolheu, com número de convidados, as cores e as flores. Você nem vai precisar falar com ela. Eu vou intermediar.
– Pois vou lhe dizer o que pode fazer com a sua lista...
– A noiva...
– A noiva é uma babaca. Uma idiota. Uma mimada que deixou bem claro, quase um ano atrás, que não queria os meus serviços nem precisava deles. Ela pode se danar, porque não vai sentir nem o cheiro dos meus bolos agora que se deu conta da própria estupidez.
Vestindo uma calça de pijama de algodão, a camiseta que tinha usado para dormir e com o cabelo ainda todo despenteado, Laurel se deixou cair numa das cadeiras da mesa posta para o café da manhã.
– Você precisa se acalmar. – Parker se abaixou para pegar uma pasta, que Laurel provavelmente tinha jogado no chão. – Aqui tem tudo de que você precisa – falou, pousando a pasta em cima da mesa. – Já garanti à noiva que vamos dar um jeito, então...
– Então você cria e prepara um bolo de casamento de quatro andares, mais um bolo para o noivo e uma seleção de sobremesas para duzentas pessoas. Tudo isso de hoje até sábado, sem nenhuma preparação prévia, quando tem três outros eventos no fim de semana e uma festa noturna daqui a três dias.
Com cara de poucos amigos, Laurel pegou a pasta e, num gesto deliberado, a atirou no chão.
– Você está sendo infantil.
– Ótimo, sou infantil.


– Meninas, suas amiguinhas chegaram para brincar – interveio a Sra. Grady, quase cantarolando, num tom de voz exageradamente doce, e os olhos risonhos.
– Ah, ouvi minha mãe me chamar – disse Emma pronta para sair da cozinha.
– Nada disso! – exclamou Laurel. – Escutem só. É o casamento Folk-Harrigan no sábado à noite. Com certeza vocês lembram que a noiva torceu o nariz só de pensar na possibilidade de a Confeitaria da Votos fornecer o bolo ou qualquer sobremesa. Como ela esnobou a mim e a todas as minhas sugestões, insistindo em dizer que a prima, uma chef pâtissier em Nova York, que estudou em Paris e fazia bolos para ocasiões importantes, ia cuidar de toda essa parte. Vocês se lembram do que ela me disse?
– Ah. – Emma chegou um pouco para o lado porque o dedo de Laurel estava apontado bem direto para o seu coração. – Não das palavras exatas.
– Pois eu lembro. Ela disse, com aquele ar de deboche, que tinha certeza de que eu podia perfeitamente dar conta da maioria dos eventos, mas queria o melhor para o seu casamento. Disse isso bem na minha cara!
– O que foi muito grosseiro, sem dúvida – começou Parker.
– Ainda não terminei – atalhou Laurel, entre dentes. – Agora, em cima da hora, parece que a prima fantástica fugiu com um dos clientes dela. Dela, a prima. O maior escândalo, já que o tal cliente, pelo que se diz, conheceu a prima fantástica quando encomendou a ela um bolo para a festa de noivado dele. Agora que ninguém sabe por onde eles andam, a noiva quer que eu salve a festa dela.
– É isso que fazemos aqui. Laurel...
– Não estou falando com você – disse, fazendo um gesto na direção de Parker e se voltando para Mac e Emma. – Estou falando com elas.
– O quê? Você disse alguma coisa? – perguntou Mac, abrindo um largo sorriso. – Desculpe, deve ter entrado água nos meus ouvidos no banho, não estou ouvindo nada.
– Sua covarde! Em.
– Hã...
– O café está pronto! – A Sra. Grady traçou um círculo com o dedo. – Todas sentadas. Omeletes de clara com torradas de pão preto. Sentem, sentem. Comam.




Eu confesso: estava lendo "Bed of Roses" no shopping, no meio da praça de alimentação lotada e, quando li isso, quase morri de tanto rir.
Existe o problema da tradução perder algumas das piadas, com nomes de noivas, apelidos que virão palavrão, mas nada disso tira o brilho que "Mar de Rosas" tem.
Essa série é aquela que eu indico para todo mundo que nunca leu Nora Roberts, que começou a ler NR com um livro errado ou que simplesmente ama: mocinhos nerds (Carter), almofadinhas gostosões (Del), mecânicos românticos (Mal) e arquitetos atrapalhados (Jack).
É praticamente uma coleção de "tudo de bom, gostoso e hot".


O segundo livro é centrado na Emma, na descoberta do amor, no coração partido e nos preparativos para o casamento da Mac e do Carter.
Também começa a indicar quais serão os próximos casais e a dar uma ideia que esperar nos dois livros seguintes.


Para a felicidade geral da nação a Editora Arqueiro já liberou a data de lençamento de "Bem-Casados": dia 05 de Agosto!! Todo mundo já pode surtar!


E, se tu não tens medo de spoiler, pode aproveitar e ler um trecho do livro clicando aqui.


Então, bom... o que tu estás esperando aí, paradão? Vai correr e comprar um pra ti!


Beijos!


SKOOB - EDITORA ARQUEIRO - SITE DA AUTORA - GOODREADS - BED OF ROSES