quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Noraholicando #15 - J. D. Robb - Origem Mortal

Oie Gente!


Sim, sim, outro livro da Nora Roberts. Sei, vocês querem saber como é que eu não enjoo do que ela escreve. E a resposta é simples, minha gente: eu não enjoo do que ela escreve porque ela consegue escrever coisas como "Origem Mortal', que surpreendem qualquer um.


"Origem Mortal" é o 21º livro da Série Mortal publicado em português e um dos mais futurísticos da dela.
A Tenente Eve Dallas e a Detetive Peabody foram chamadas para investigar um assassinato e estão dentro de um complexo hospitalar entrevistando a acusada. Durante a entrevista outro assassinato acontece, dessa vez do fundador do hospital, Dr. Wilfred B. Icove.
A vítima é um homem renomado, que inovou a medicina e salvou muitas, muitas vidas durante as Guerras Urbanas.
O problema é que ninguém aponta um único defeito nele ou conhece um único momento ruim, uma única falha. E alguém tão perfeito simplesmente não existe, ao menos não no livro da nossa querida Tenente.


O problema é que quanto mais ela investiga, mais surreais ficam as coisas.
A acusada, por exemplo, parece simplesmente não existir. E, pior, várias outras pessoas, espalhadas pelo mundo, parecem ser exatamente iguais a acusada. E todas essas pessoas estão ligadas ao Dr. Icove.
Será possível que algo ainda mais sinistros que procedimentos médicos esteja acontecendo dentro do Centro Médico Icove?


Gente, o livro é eletrizante. Ele é totalmente ficção científica, mas uma ficção científica maravilhosa, bem do jeito que eu gosto.
Sem contar que tem nosso maravilhoso Roarke e um feriado de Ação de Graças em família. Ai, gente, é tão fofinho!! S2
Ele tão feliz e tão perdido, junto a todas aquelas pessoas que gostam dele simplesmente por ele ser ele!
Tá, tá, parei com o momento meloso, mas é que ele é tão apaixonante!!


Não posso comentar muito sobre a história porque estragaria algumas surpresas, então vou só dizer que vocês não vão se arrepender de ler.


Agora, além de tudo isso aí, existe outro motivo para "Origem Mortal" ter virado o meu livro favorito dos já traduzidos no Brasil. A Bertrand, dessa vez, deixou todos, todos, todos os palavrões que a Nora Roberts incluiu no texto. E vocês sabem o quanto eu amo meus palavrões, certo?
Certo, eu sei que eu mesma quase não gosto de palavrões na vida real, mas nos livros, se a(o) autora(r) usou palavrões no original, tem que ter os palavrões nas traduções.
Quer livros sem palavrões vá ler "O Menino Maluquinho" ou qualquer outra coisa que valha.


Quem quiser comprar "Origem Mortal" ele saiu em duas versões, brochura e e-book.
Na Saraiva tem os dois formatos. No Submarino e no Extra a versão impressa está R$ 29,90. E você também pode comprar direto da Editora Bertrand.


Beijos e até o próximo!


Ba

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Noraholicando #14 - J.D. Robb - Natal Mortal

Oie Gente!

Hoje tem resenha do sétimo livro da Série Mortal, "Natal Mortal", um dos poucos que eu não tinha comentado por aqui.


Quando eu li ele pela primeira vez, alguns anos atrás, lembro que foi o primeiro livro da série que me prendeu a leitura tanto pelo horror dos crimes quanto pela doçura do romance.


Nesse volume a Nora conseguiu me levar de um extremo ao outro em vários momentos. É o primeiro Natal de Eve e Roarke e eles terão uma surpresa nada agradável quando um Papai Noel nada bonzinho começa a atacar pessoas em Nova York. Além do terror que um Papail Noel assassino está trazendo à cidade, Eve ainda se depara com uma situação nada confortável ao investigar um casal de irmãos. Será que a nossa querida tenente conseguirá superar os próprios traumas e encarar toda a investigação sem pré-conceitos?


Eu achei muito difícil ler Natal Mortal. Primeiro porque a Nora pega pesado e transforma Papai Noel em um assassino em série. Depois, ainda não satisfeita, ela joga na nossa cara uma relação incestuosa e deixa bem claro que os dois estão nela por absoluta vontade própria, desejo do coração e da alma, muito diferente do que aconteceu com a Eve e que acontece com muitas pessoas mundo afora.


E para fechar com chave de ouro, Norinha-vou-partir-seu-coração-Roberts, ainda pisoteia nos símbolos de amor verdadeiro, quando a explicação para as marcas nos corpos começam a aparecer.


Confesso que, junto com a Eve, tive grande dificuldade de ser imparcial e acabei totalmente enganada nos motivos, nas causas e no objetivo do assassino.


Alguns dos personagens eram simplesmente clichês demais para deixarmos passar como suspeitos e eu acabei presa em um deles. Os indícios eram tão perfeitos e tão grandes que eu li o livro uma segunda vez só para ver se a Nora não tinha surrado e feito um final sem pé nem cabeça, mas não foi dessa vez que peguei ela. Você chega ao final e percebe que tem todo o sentido ter sido aquela pessoa e que é um absurdo você não ter percebido antes.


Um problema que eu sei que vocês terão depois da leitura dele é que a continuação de Natal Mortal não foi publicada pela Bertrand. "Midnight In Death" é uma daquelas publicações pequenas que não são lançadas no Brasil. Mas no caso dela fará uma falta danada, já que os acontecimentos são importantíssimos para alguns dos livros que virão. Eu espero que um dia a Bertrand ouça nossos pedidos e publique todos os que estão faltando! :)


Ah, para fechar a resenha com chave de ouro, fica a dica do lançamento de "Origem Mortal", um dos livros mais geeks e futurísticos da série. Teremos muitas, muitas surpresas nele!
A resenha sai semana que vem, então fiquem de olho!


Beijos!


Sinopse: Neste sétimo romance futurista da Série Mortal, de J.D. Robb (Nora Roberts), a policial Eve Dallas, fiel devota da lei e da justiça, depara-se com mais um misterioso caso para solucionar. Natal Mortal nos oferece uma instigante e curiosa história de homicídio ambientada em uma Nova York do ano de 2058. Em meio às festividades de Natal, um criminoso está à solta, fantasiado de Papai Noel. Será que o presente recebido pela primeira vítima do bom velhinho e a referência à canção "Os Doze Natais" significam que foi apenas o primeiro de muitos assassinatos? Ou teria sido um crime passional? Cabe à tenente Eve Dallas procurar as respostas e desvendar o mistério. Para isso, deverá evitar o envolvimento emocional, ignorar as fraquezas e superar os próprios traumas.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Terça Sobrenatural #50 - Alexis Hall - Iron & Velvet


Oie gente!


O Terça Sobrenatural de hoje é sobre um livro bem diferente dos que normalmente leio e resenho e que fará o perfil literário de poucas pessoas por aqui.


"Iron & Velvet" é um romance sobrenatural homoerótico, mas dessa vez o casal é feminino. Confesso que a curiosidade foi enorme para ler, mas só consegui tempo para isso essa semana. Achei importante resenhar ele aqui porque sempre recebo um ou outro pedido de literatura do gênero e nem sempre tenho alguma nova indicação para passar.


Kate Kane é uma investigadora particular e acabou de perder seu parceiro. Ela tem algumas regras básicas de sobrevivência e, uma delas, é nunca, jamais, trabalhar para um vampiro. Nem se envolver com um cliente. O problema é que as coisas não estão fáceis em Londres e uma garota precisa se sustentar. Então ela não vê outra opção quanto Julian Saint-Germain convoca-a para uma reunião a não ser aceitar.


O que ela não esperava era se encontrar envolvida em uma guerra entre vampiros, werewolfs, bruxas e todo outro ser sobrenatural existente.


Esse foi o primeiro romance com casal feminino que eu li e confesso ter gostado muito dele, principalmente por ter os acontecimentos tão bem dosados. A parte sobrenatural dele não me deixou de cabelo em pé com absurdos (porque, afinal, sobrenatural tem suas regras e elas precisam ser respeitadas ;-) ), a ação do livro é muito boa e a Kate não consegue resolver nada de uma hora para a outra, tornando a investigação mais crível.


Em alguns momentos eu confesso ter ficado um pouco perdida, já que a Kate faz menções a situações anteriores. Mesmo a autora explicando a maioria deles, em alguns momentos eu ficava me perguntando qual era o livro anterior e onde é que aquilo tinha acontecido?


Adorei os vampiros do livro. São todos sugadores de sangue cheios de malícia, hedonistas e nada politicamente corretos, como os vampiros devem ser.


As bruxas e as fadas não são nada boazinhas e nem vamos falar sobre os werewolfs!


"Iron & Velvet" é o primeiro volume da série "Kate Kane" e já possui data para a publicação de segundo volume, em junho de 2014. Confesso que já coloquei na minha lista de leituras de julho, porque o bicho da série me mordeu e eu não a largarei no meio.


Se alguém por aqui for se aventurar lendo-o, me avisem, hein?


Beijos!!!







Sinopse: First rule in this line of business: don’t sleep with the client.

My name’s Kate Kane, and when an eight-hundred-year-old vampire prince came to me with a case, I should have told her no. But I’ve always been a sucker for a femme fatale.

It always goes the same way. You move too fast, you get in too deep, and before you know it, someone winds up dead. Last time it was my partner. This time it could be me. Yesterday a werewolf was murdered outside the Velvet, the night-time playground of one of the most powerful vampires in England. Now half the monsters in London are at each other’s throats, and the other half are trying to get in my pants. The Witch Queen will protect her own, the wolves are out for vengeance, and the vampires are out for, y’know, blood.

I’ve got a killer on the loose, a war on the horizon, and a scotch on the rocks. It’s going to be an interesting day.

 

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Livro-Trauma #14 - Nora Roberts - Mentiras Genuínas

Oie Gente!


Eu sei, vocês devem estar a estranhar a presença da minha adorada Nora Roberts na minha lista de livros-trauma, né?


Mas é que meu relacionamento com "Mentiras Genuínas" foi, no mínimo, turbulento.


Se fossemos um casal, seriamos um daqueles casos onde os vizinhos chamam a polícia o tempo todo de tanto que eles gritam um com o outro.


Eu reclamei, briguei com ele, larguei ele de castigo na estante e nada resolveu meu caso de antipatia. Não, não foi antipatia pelo livro. A antipatia foi total, absoluta e irrevogável ao mocinho dele.


Paul Winthrop tem tudo para ser o homem dos nossos sonhos. Ele é escritor, lindo, sensual e tudo mais de bom que pudermos imaginar, mas tem o maior de todos os maiores defeitos existentes: o infeliz fuma!


Sério, gente, eu não aguento personagens que fumam. Não adianta amigas fofas falarem sobre os grandes clássicos da literatura/cinema (Rô!!), apareceu um personagem fumando em cena e estraga todo o qualquer romance que possa existir entre eu e ele.


Só de imaginar aquele bafo fedido de cigarro qualquer coisa mais próxima que 10 metros do meu lindo rosto e eu fico mais verde que o Hulk!


Então imagem o meu desespero depois de ter me apaixonado pela Eve Benedict, me encantado pelo Brando e desejado os melhores votos (e o mais quente sexo) para a tímida Julia Summerrs, quando me aparece aquele homem maravilhoso... fumando!


Ain, genteeeemmmm, eu queria morrer! Morrer e matar a Nora!
Sei bem que era característico da época (afinal ele foi publicado em 1991), mas me dá um abuso toda vez que encontro um personagem da Nora fumando.


O livro é maravilhoso, gente. Eu adorei todas as partes dele onde não tinha esse mocinho fumando.


A Eve Benedict é maravilhosa, a trama do livro é incrível e você chega ao final dele sem encontrar uma única falha. Mas aquele mocinho fumando em todas as cenas e ainda em mais algumas é absolutamente insuportável.


Não dá, não consegui me desligar da antipatia mesmo depois daquele final maravilhoso.
Mesmo sabendo que o Paul foi essencial para a trama e mesmo as manias mais irritantes fizeram sentido, eu desejaria muito mudar ele um pouquinho. (ou talvez um montão!)


Beijos!



Sinopse: Com quase 680 milhões de exemplares vendidos no mundo, traduzidos para mais de quarenta idiomas, em que, somados, permaneceram quase mil semanas na lista de mais vendidos do The New York Times, Nora Roberts apresenta um de seus maiores sucessos: Mentiras Genuínas. Eve Benedict fez de quase tudo na vida. Foi uma das maiores atrizes da história de Hollywood, ganhou dois Oscar e um Tony, teve quatro maridos e uma legião de amantes. Sua beleza é estonteante, seu poder, inigualável. Não há segredo ou mentira de Hollywood que ela não conheça. Após cinquenta anos sob os holofotes, ela quer passar sua vida para o papel. Mas todos estão a seus pés, implorando para que ela não faça isso. Até que ponto a renomada biógrafa Julia Summers estará disposta a arriscar a própria vida pelos segredos de outra mulher? Mentiras genuínas traz uma história eletrizante de suspense, intriga e romance. Para isso, Nora Roberts criou um cenário vívido de Hollywood, centro cinematográfico mais importante do mundo, onde muitos mistérios pairam no ar. No fim, por meio de muitas reviravoltas, o leitor terminará o sem acreditar no desfecho.