domingo, 31 de agosto de 2014

In Death por Fernanda Karen #02 – Tahereh Mafi – Liberta-me

Olá, meus queridos!

Vamos dar continuidade ao amor que é a trilogia "Estilhaça-me", lançada pela Editora Novo Conceito em terras tupiniquis. A resenha pode conter alguns spoilers do livro 1 (vejam a resenha aqui!).

LIBERTAME_1363575158P“Liberta-me” é o segundo livro da trilogia “Estilhaça-me” e, sério, Tahereh Mafi não está para brincadeiras!
O estilo desta autora é diferente e ousado. Poderia muito bem não dar certo (o que é a opinião de algumas pessoas, certamente), mas do meu ponto de vista, esses livros são incríveis!
Talvez alguns achem que os estou superestimando. Bem, talvez. Sou completamente apaixonada pela série. Mas não muda o fato que os livros são muito sensoriais. “Liberta-me”, em particular, é muito intenso.

Juliette enfim descobriu que não era a única com habilidades especiais. Por mais que seu dom seja uma maldição de sua perspectiva, é consolador saber que existem outros diferentes. Inclusive, Adam.
Adam pode tocá-la. E isso é incrível. É o céu. 17 anos de solidão e enfim outro ser humano pode ficar perto o suficiente sem se machucar. Sem morrer.
A relação dos dois, que é bem caliente desde o livro 1, se firma e nada pode afastá-los.
A não ser que Adam se machuque.
Eles estão abrigados no Ponto Ômega. Um lar subterrâneo em que as pessoas com habilidades especiais (diferentes dos humanos comuns) vivem e dividem tudo. Porém, Juliette simplesmente não consegue se abrir. Ela passou muito tempo internalizando tudo ao seu redor e não é fácil.
É maravilhoso como a Tahereh Mafi consegue colocar as perspectivas de Juliette nesse âmbito. Ela é uma criatura meio louca (essa é a verdade) e a narrativa, que é do seu ponto de vista, é corrida, alucinada, com palavras ou frases sublinhadas e repetidas (sem o excesso que me irritou no livro 1), com parágrafos descabidos. É interessante como a autora, de certa maneira, consegue passar ao leitor essa insanidade.

“A energia está me percorrendo com um vigor que nunca senti antes e não estou nem pensando, mas tenho que fazer alguma coisa. Preciso tocar alguma coisa e estou fechando os dedos e dobrando os joelhos e puxando meu braço para trás e
socando
meu
punho
em direção
ao
chão. (...)”

Fora a relação romântica entre Juliette e Adam, há todo o ambiente distópico que a autora criou e consolidou muito bem. Juliette tem algumas epifanias dignas de nota sobre esse novo mundo que é estranho para ela.
O Restabelecimento ainda está no poder do mundo, mas as pessoas do Ponto Ômega querem mudar essa realidade, e estão dispostos à tudo. Até entrar em uma guerra.
E a percepção de Juliette para esse fato me chamou muito a atenção.

“Mate, eles dizem... Mate porque você está lutando no time certo. Mate porque eles são maus e nós somos bons. Porque algumas pessoas são tão idiotas que pensam mesmo que há grossas linhas em neon separando o bem e o mal. (...) E me pergunto se, em alguma situação, é realmente possível justificar assassinatos como meio para atingir um fim... E me pergunto se ainda acharia meu poder incrível se eu decidisse fazer dele uma presa.
Acho que não.”

A tensão da realidade que eles vivem nunca deixa de ser perceptível e dá muito o que pensar. Os argumentos são plausíveis e, por mais coerentes que sejam, não deixam de ser dolorosos.
E mesmo em meio a todo esse sufoco de fim do mundo, guerras e mortes, Juliette ainda consegue dividir seu coração entre dois caras COMPLETAMENTE diferentes. A única coisa em comum entre eles é o amor avassalador que sentem por ela e o fato de ambos poderem tocá-la.
Warner, o antigo líder do Setor 45, ainda está no jogo e mais forte do que nunca.

497507
A autora disponibilizou um conto chamado "Destrua-me" e, sim, fiquei no chão! A história é da perspectiva de Warner e o leitor fica a par de suas verdadeiras motivações e sentimentos. E em “Liberta-me” esses sentimentos são expostos intensamente.
(Nossa, Warner me surpreendeu MUITO nesse livro! Me tirou muitos suspiros, taquicardias, suores febris e deu um "oléééé" em Adam no meu coração que é promíscuo, sim e daê?!)

E o que falar sobre o capítulo 62?!?!?! Como prévia, fiquem com meus sentimentos em gif:

 

767950

 

LIBERTAME_1400771981Micro“Liberta-me” é um livro incrível em vários sentidos. Seu final deixa uma brecha imensa para o livro 3, e sinceramente, só posso adiantar que: Juliette terá um trabalho hérculo para fazer suas escolhas.
Neste livro, Tahereh Mafi evoluiu muito se comparado à “Estilhaça-me”. A história está muito bem construída, os personagens são (desesperadoramente) apaixonantes, a narrativa é inteligente, diferente e muito original. E os feels, amigos... creio que podemos afogar neles!
A conclusão da trilogia lançou a pouco tempo no Brasil e (AIN)... em breve conversaremos sobre ela.
E vocês, que acharam de "Liberta-me"? Vem socializar comigo!

 

Beijos e até o próximo post!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

In Death por Lilian Sinfronio #06 – Liane Moriarty – O Segredo do MeuMarido

Há tantos segredos em nossas vidas que nunca conheceremos.

 O_SEGREDO_DO_MEU_MARIDO_1391364762P
Olá :)

Mais um livrinho lido pela colaboração do Grupo do Skoob, Livro Viajante. Ôh negócio viciante rs

Minha curiosidade sobre esse livro sempre esteve nas alturas pela divergência de opiniões que vi quando do lançamento. Parecia sempre trazer sentimentos como amei ou odiei e adoro tomar partido nesses casos, após ler poder dar minha opinião. Essas sensações extremas em leituras aguçam minha curiosidade, porque fico me questionando em qual dos lados eu brigaria.

O livro tem a cara do título que possui, totalmente baseado em um segredo guardado por muitos anos e que se ramificou, ganhou vida própria e afetou mais vidas do que seria de se esperar. Sobre a história, o livro fala sobre Cecília Fitspatrick, mulher de sucesso em seu meio social, mãe de três filhas adoráveis e membro reconhecido por seu brilhantismo no papel de esposa, mãe e filha. Seu marido escreveu uma carta para ser aberta quando do seu falecimento, mas Cecilia a achou quando ele ainda estava vivo e acessível a questionamentos. Essa carta muda a vida de Cecilia e de muitos ao seu redor.

Com narrativa em capítulos curtos e com histórias que vão se entremeando, esperei me empolgar mais pelo que esse segredo iria representar. Mas acho que o período de leituras que estou vivendo está sendo exigente demais e acabei me frustrando com a leitura. Não que a agilidade da autora para falar da vida em família, suas atribuições e responsabilidades não seja interessante. Pelo contrário. Só acho que a história direta seria melhor do que o suspense criado, ou talvez tenha sido minha falta de surpresa com o mistério depois de resolvido. O fato é que gostei muito dos acontecimentos da história e com a forma como tudo evoluiu – particularmente do desfecho, bem resolvido e exposto –, mas gostaria que o livro tivesse uma forma mais dinâmica (ou talvez seja minha rabugentice falando).

As histórias paralelas tiveram seu favorecimento na leitura, as relações de Tess, seu marido e sua prima, como em um triângulo meio sombrio; e Rachel, seu filho mais velho, sua nora, neto querido e um passado que não pode ser superado. Procurei valorizar cada aprendizado que o livro pudesse trazer, mas mesmo assim não consegui me encantar com a leitura como esperava e gostaria.

No fim, não amei nem odiei a leitura. Infelizmente não posso fazer algazarra na torcida dos contra ou na balburdia dos que são a favor das cinco estrelas. Um livro mediano, com história interessante mas que não me encantou com a forma de ser contada.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

In Death por Fernanda Karen #01 - Tahereh Mafi - Estilhaça-me

Olá, queridos!
Cá estou para falar sobre uma série que AMO AMO AMO: "Estilhaça-me".


Quem conhece, vem surtar! E quem não conhece (tsc, tsc), vamos corrigir isso aê, amgs.estilhaçame-Tahereh Mafi


Quando ouvi falar de "Estilhaça-me" (há anos luz atrás) fiquei muito curiosa e ansiosa para pôr as mãos nele. O livro é de um estilo que leio com frequência e gostei bastante, mas, na época, tinha uma leve impressão que ele dividiria opiniões. Dito e feito.


"Estilhaça-me" conta a história de Juliette, uma garota com um estranho poder/dom que mantém todos afastados dela. Seu toque é letal. A conhecemos quando ela está há 264 dias num hospício sozinha, até que colocam um companheiro de cela que lhe parece muito familiar. Adam é um tipo interessante e tive várias teorias para ele na história, mas a assertiva não foi muito surpreendente.
O pano de fundo da história é uma típica distopia. O mundo está em caos e uma ordem chamada "Restabelecimento" fez promessas para ajudar a ajustar as coisas; mas o tiro sai pela culatra. Em vez de ajudar, o Restabelecimento põe em xeque o bem estar da humanidade.
O livro tem vários fragmentos que nos mostra um tempo cruel para os humanos. Finalmente eles estão colhendo o que plantaram.
E, bem, o Restabelecimento quer usar Juliette como uma arma.
Depois que Juliette sai do hospício, é oferecido a ela um mundo de possibilidades se, em troca, ela colaborar com seus "poderes". Mas ela mantém uma postura rebelde que lhe trará algumas tensões.
Warner, o comandante do setor que tem a custódia de Juliette, é um jovem lindo, e muito, muito, perigoso. Sua obsessão por Juliette é evidente e ele não vai descansar enquanto não conseguir seus objetivos.


A história tem um ritmo bem legal, mas a autora usou de alguns métodos estranhos. O que, de fato, achei interessante foram os termos sublinhados, mas a falta de pontuação e a repetição excessiva de palavras tornam o livro um tanto cansativo. É tudo proposital, pois vemos as coisas da perspectiva de uma perturbada e confusa Juliette, mas ela usa esse método em excesso então fica cansativo, sim.
"Estilhaça-me" também é repleto de um romance sensual. Adam e Warner mexem profundamente com Juliette (e com as leitoras também) (ok, comigo).




[caption id="attachment_8209" align="aligncenter" width="300"]758376 AIN, TAHEREH! Warner e Adam, ain.[/caption]

Pra falar a verdade, a história não é muito original. O final dela lembrará uma outra muito conhecida, e esse fato (talvez) anime alguns leitores (me julguem, mas eu fiquei animada! TUNCHZ TUNCHZ TUNCHZ).


ESTILHACAME_1400771828MiniExistem muitas informações que não foram esclarecidas, mas calma, este é o livro UM de uma trilogia. As continuações já foram lançadas aqui no Brasil pela editora Novo Conceito e em breve terá mais pitaco sobre a trilogia aqui no In Death.
O que devo sublinhar é que “Estilhaça-me” é o livro mais fraco da trilogia. Mas, acreditem, as continuações são de tirar o fôlego. Só uma dica: insistir nos livros vale muito a pena.


E ainda tem novidade: a Novo Conceito mudou a capa do ultimo livro da trilogia e para não transtornar estantes alheias, fez jackets e distribuiu gratuitamente em seu site. As capas novas são iguais as capas americanas e, particularmente, eu adorei. Minha estante está linda de morrer agora. Mwah.


Até breve, queridos!


 

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

In Death por Anne Magno #03 - C. J. Redwine - Desafio

Já dizia um certo marciano da Looney Tunes, chamado Marvin: ´´De volta a mesa de planejamento``, regressando ao meu amado teclado para fazer uma das coisas que mais gosto: Resenhar!


Devo admitir que o título do livro de hoje, já descreve muito bem o que possivelmente (assim como eu) vai achar dele. Desafio da autora C. J. Redwine, me ganhou pela capa, e me intrigou pelo conteúdo.


Essa resenha vai começar como o livro, aviso logo aos navegantes, meio bruscamente…rsrsrs


Por que foi desafiador ler esse livro?


Até a metade do livro eu achei que o ambiente em que a aventura da Rachel com o Logan acontece fosse, ´´tipo assim`` …a terra média ou algo muito parecido! Até que a Rachel láaaaaaaa pelo capítulo 37…descreve o seu local de refúgio durante a noite!




Paramos para passar a noite abrigados em um prédio de concreto em forma de caixa, do quela somente dois lados ainda estão de pé, resistindo contra as intempéries e a passagem dos anos. Deixamos King´s City para trás há duas horas e eu estou aliviada. Os restos de metal retorcido dos prédios que antigamente serviam de moradia para uma civilização vibrante agora são apenas cascas enegrecidas cobertas de fuligem e tomadas pelas trepadeiras. Andar entre elas me deixa nervosa. É uma lembrança dura do que o Maldito é capaz de fazer conosco se não continuarmos junto daqueles que comprovaram sua capacidade de nos proteger.



E voilá…descobri que o ambiente da história é, na verdade, uma terra em um futuro incerto. Onde a civilização aparentemente regrediu em hábitos culturais e comportamentais… principalmente com relação as mulheres.


Então esqueça esse nosso ambiente entre prédios e passeios livremente, e engula o contexto de DESAFIO onde as mulheres só podem andar nas ruas com um protetor e as casas são feitas de materiais um tanto rudimentares: tendas, casas de madeira não trabalhada, tavernas com lamparinas… e você encontrará o povo de Baaldoden tentando se recuperar de um ataque meio estranho.


safe_image


O que aconteceu com a terra?


Calma, eu não vou contar spoillers do livro…mas, sugiro que você tenha em mente essa imagem real, de um acontecimento recente na Sibéria. Aparentemente surgiram crateras enormes esse ano por lá. Kkkkkk...


#ENTENDEDORESENTENDERAO


Os personagens?


A estória é contada por Logan e Rachel, alternando não sistematicamente quem conta os fatos.


Logan é um pária na cidade por culpa de seu governante, ao redor dele rondam muitos mistérios, principalmente sobre seus pais. Ele foi aceito como aprendiz do inventor e mensageiro da cidade. Ele faz parte da comunidade de Baaldobem, mesmo sem se sentir parte de nada.


Para entender Rachel, tenhamos em mente aquelas crendices populares sobre as ruivas, como por exemplo: que elas tem um temperamento bem característico (eu sinceramente não sei se essas crendices são verídicas…mas…kkkk…brincadeira!) ela foi criada sem mãe, por um pai que sabe se virar na floresta, e luta muito bem…então como você imagina que seja a Rachel?


Eles dois não se bicam muito desde o aniversario de 16 anos da Rachel, há dois anos. O motivo é spoiller..então vá ler o livro para descobrir.


O livro conta as histórias e desventuras de uma garota que teve de amadurecer muito rápido e não da melhor forma possível, quando o mundo dela foi desmoronando sobre a sola de suas botas de combate, e após uma luta intensa de poder com o comandante da cidade-estado (sim, voltaram a viver em cidade-estado, como na civilização grega!), ela enfim consegue ir atrás de seu, sumido, pai.


Infelizmente ela não pode contar com a ajuda de Logan durante parte da viagem!


Sim! Eles tem de aprender a deixar suas diferenças de lado, porque enquanto o mesmo tem que lidar com problemas que o acorrentam a cidade, impossibilitando ele de acompanhá-la e protegê-la durante sua viagem ariscada. Rachel tem que colocar a teste os ensinamentos de seu pai, e continuar amadurecendo na marra!


Para duas pessoas que não se falavam muito eles, em minha humilde opinião, são quase gêmeos siameses em pensamentos…ele diz que não tolera ela, ela idem, mas quando a autora descreve seus pensamentos sobre eles mesmos, eles são muito parecidos…ele não admite que ama ela, e ela não fica por baixo. Mas os pensamentos deles dizem o contrário.


O livro é parte de uma série de livros da autora, onde aos poucos ela vai nos apresentando o mundo de Baaldobem, e nos contando o que de fato aconteceu com a terra. Nesse primeiro livro a mesma, deixa variassssssssss pontas soltas, para o decorrer da história. E no fim do livro ou você vai amá-lo ou odiá-lo.


Fica as dicas:


– Leia o livro.


– Durante a leitura vá anotando as pontas soltas que vão fazer você querer que a autora se explique logo!


Até a próxima!

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

NEWS: [Promoção] Novo Conceito sorteia o Lev!

 



Oie Gente!

Acho que todo mundo sabe do meu enorme amor  vício por tecnologia, né?


Então, sempre que eu topo com uma promoção do tipo, tenho que compartilhar aqui.


E dessa vez não é diferente...


A Novo Conceito preparou esse post, com esse sorteio e não resisti... Hihihih


********


Uma coisa que sempre fazemos é ficar de olho nas mudanças esperadas pelos leitores. Afinal, não apenas publicamos os livros que todos curtem, mas acompanhamos tendências, formatos e ferramentas que facilitam a vida de quem, como nós, ama esse universo.


Para a galera do digital, que gosta de levar a sua estante de livros para onde for, temos uma coisa muito legal para apresentar: é o Lev – http://goo.gl/EXnIcq –, o novo e-reader da Saraiva, que, além de compacto, pode armazenar em seu interior até 4.000 títulos *-*. Tem cartão externo para armazenar seus documentos, tela HD e ainda permite que você leia PDFs e EPUBs sem nenhuma dificuldade. E o melhor: a facilidade Saraiva para comprar on-line, com cartão de crédito, boleto ou débito em conta.


Mas porque estamos falando tanto dele? Adivinhem...


#PromoçãoNC, é claro!


Para comemorar o lançamento do Lev, o Grupo Editorial Novo Conceito e a Livraria Saraiva vão sortear 4 aparelhos nas redes sociais. Quer mais? Em cada um deles você encontrará um dos nossos esperados lançamentos!


Serão 04 sorteios através da ferramenta Sorteie.me:


• Entre os dias 05 e 07 de agosto, sortearemos 1 Lev + e-book As sete irmãs.
• Entre os dias 07 e 11 de agosto, o prêmio é 1 Lev + e-book A garota mais fria de Coldtown.
• Entre os dias 11 e 13 de agosto, 1 Lev + Perdendo-me.
• E entre os dias 13 e 15 de agosto, uma semana antes da Bienal de São Paulo, o prêmio será 1 Lev com luz embutida + e-book Se eu ficar.


Você não terá apenas uma, mas QUATRO oportunidades de levar essa novidade para casa. Basta ficar de olho na fanpage e seguir o regulamento de cada promoção.


*******


Então que tal aproveitarem a promoção e levarem um Lev para casa?


Beijos!



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

terça-feira, 5 de agosto de 2014

In Death por Lilian Sinfronio #05 - Suzanne Collins - Gregor: AsCrônicas do Subterrâneo

Sou daquelas criaturas estranhas que preferem conhecer um autor por sua obra menos conhecida, seu trabalho menos comentado e mais tímido. No caso, o mais tímido já foi uma baita coleção de cinco livros que devorei assim que me caia nas mãos. Outro fator de desespero para qualquer leitor desesperado é ter que esperar meses ou – deus me ajude – anos por uma continuação, naquele limbo sombrio de “o que aconteceu com meus personagens preferidos”, até o mais famoso “Por que comigo, por quê?”. Por isso, fiquei feliz e satisfeita ao saber que todos os livros já haviam sido lançados em terras tupiniquins e estavam acessíveis, no meu caso, através de empréstimo maroto de amizades queridas.

Nos livros, conheci o Gregor,  e olha... esse menino tem um peso de responsabilidade maior que muito homem barbado por aí, mesmo aos onze anos. Seu pai sumiu há dois anos e meio e ele é o “homem” da casa, cuidando de sua avó frágil e suas duas irmãs menores, enquanto a mãe trabalha desesperadamente para sustentar todos. Um dia, ele escorrega pela tubulação de ventilação de sua lavanderia e cai tanto que acaba descobrindo um novo mundo: O Subterrâneo, onde seres humanos convivem com grandes animais falantes, entre baratas (ou rastejantes), aranhas (ou fiandeiros) ou ratos. Nesse lugar cheio de criaturas e pessoas estranhas, Gregor acaba fazendo muitos amigos e inimigos, descobrindo habilidades – e muitos defeitos – além de salvar o dia mais de uma vez. Sempre em busca de salvar alguém de sua família, ou de socorrer o povo sofrido do Subterrâneo, Gregor se mete em várias bagunças.

Lá no Subterrâneo, Gregor é considerado um Guerreiro esperado por muitos anos, já que um carinha chamado Sandwich escreveu muitas profecias que previam a vinda de um Guerreiro que iria lutar em nome de Regália, a cidade dos humanos, e iria salvar todos da destruição.

Os livros fazem parte d’As Crônicas do Subterrâneo, e possuem cinco livros, já lançados por aqui pela Galera Record:






Li os três primeiros livros em três dias, emprestados de uma amiga. Uma delícia. A autora enche a história de uma agilidade gostosa, e não seria clichê nenhum dizer que as páginas foram virando sozinhas de tão grudada que estava na leitura. A linguagem acessível e as atitudes sempre heroicas do protagonista ajudavam, além dos elementos engraçados e curiosos da história, como a fofa Boots, irmã de dois anos de Gregor que se viu metida nessa viagem e, de cara, foi considerada princesa por todas as baratas. Uma gracinha. Além de tudo, Luxa, a futura rainha de Regália ainda com 11 anos, jovem demais para reinar, mas destemida como Gregor e sempre estará com ele nas aventuras.

No final de cada livro, Gregor encerra um ciclo e precisa parar pra avaliar suas perdas e ganhos e tentar voltar à realidade de um menino de 12 anos, que não tem nada de especial no mundo normal. Isso tem características semelhantes com a maioria dos infantojuvenis, onde o mocinho é jovem e bravo, mas Suzanne Collins conseguiu construir um mundo interessante, engraçado e que tive vontade de revisitar. Ela criou em Gregor um menino a ser admirado, de uma bravura que todo garoto dessa idade queria ter, não sem medos, mas cheio de vontade de ajudar e salvar pessoas, a ponto de vencer seus receios e aprender com eles.

IMG_0522

No quarto volume senti um baque na leitura. De todos, esse foi o mais arrastado, mas, mesmo assim, consegui encontrar aquele encantamento durante a leitura, aquela leitura leve e alegre dos infantojuvenis.

Então, no quinto e último volume, fui cheia de sede ao pote, ávida por saber como Gregor ia resolver um monte de pepinos e entender, finalmente, alguns sentimentos reprimidos durante os livros anteriores. No início, o livro estava frenético e desesperadoramente viciante, mas com a evolução da leitura fui percebendo que não tinha como a autora resolver algumas questões e que eu iria ficar muito chateada. Não deu outra! O final do livro me deixou fula da vida, não acreditei que ela fez isso comigo... ainda estou tentando superar o baque e entender os motivos da autora. Preciso de pessoas para comentar o final, pufavô.

Portanto, na soma dos quadrados dos catetos que é igual a alguma coisa que não lembro mais... ou seja, no frigir dos ovos, a leitura valeu muito a pena. O que quero dizer é que os livros são muito bons no gênero ao qual pertencem, são estimulantes e gostosos de ler, MAS queria bater um papo sério com a autora para que ela me explicasse o que quis com o final. rs.

Para aquelas pessoas já crescidinhas mas de mente aberta, que não perdem a oportunidade de se divertir – e, por vezes, aprender – com um livro: experimente Gregor.

Agora me sinto pronta para conhecer a trilogia mais conhecida mega comentada da autora. Que venham os Jogos Vorazes.